sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Entre ataques, escándalos y denuncias


Dilma Rousseff recuperó los puntos que había perdido tras los ataques de Serra para mostrarla como una terrorista lesbiana a favor del aborto y ya tiene la misma diferencia que ostentaba después de la primera vuelta.

Por Santiago O’Donnell
Desde San Pablo, para Página/12

El cuartel general del Partido de los Trabajadores parece tranquilo. Casi nadie en la entrada de un viejo edificio del centro de esta ciudad, remozado y pintado a nuevo, el guardia sonriente y relajado. Fotos de Dilma, no demasiadas, algunas con Lula, con fondo verdeamarelho y no rojo como en la primera vuelta, y sin la estrella del PT, innovaciones del “marquetero” para atraer votos moderados. Tercer piso, área de comunicaciones, diez, doce escritorios ocupados, computadoras prendidas, voluntarios trabajando pero sin gente a su alrededor. Toman denuncias, actualizan la página web y coordinan a los miles de militantes que ayer tomaron las calles en los distintos barrios de la ciudad, en las tradicionales “paseatas”, cantando y repartiendo volantes de la candidata petista. Faltan tres días para la segunda vuelta y las encuestas le dan quince puntos a la candidata oficialista. Todo parece encaminado, pero los muchachos no están tranquilos.

Hablan de la campaña sucia, de encuestas infladas, de la famosa “bala de plata”, la sorpresa que la oposición guardaría hasta el último momento, para dejar a Dilma sin chance de protestar. Como en el ’89, cuando armaron un montaje con un encapuchado con remera de PT que secuestraba un empresario, y Collor de Mello terminó ganándole a Lula una elección muy pareja.

En esta campaña hay mucha diferencia, pero la campaña del socialdemócrata José Serra insistió con las viejas tácticas. El intento de pintar a Dilma como una terrorista lesbiana abortista para espantar al voto conservador y religioso no parece haber dado resultado, pero Aparecido Luiz da Silva, Cidào, no se duerme en los laureles.

Cidào, jefe de Comunicaciones del PT en el principal distrito electoral del país, recorre sin pausa los sitios de Internet, buscando la bala de plata, mientras dispara instrucciones a los voluntarios. Dice que el ataque va a llegar, pero no sabe de dónde. Tiene tres hipótesis. Es sabido que Folha de Sao Paulo ha estado hurgando en el pasado guerrillero de Dilma, dice, buscando algo que sirva para pintarla de terrorista. Esa es una posibilidad, tal vez la más firme, calcula Cidào. También está la movida del Papa. Los medios publicaron una carta del pontífice alentando a los obispos del nordeste a hablar en contra de la legalización del aborto. Serra se montó enseguida en la movida de prensa, opinando que el Papa es un hombre muy sabio que merece ser escuchado. “¿Y dónde están las declaraciones de Dilma sobre el Papa? ¡No están!”, se enfurece Cidào, casi gritándole a la pantalla de su laptop, que muestra la página de Folha.

La tercera posibilidad, alerta Cidào, es que se produzcan disturbios en las últimas “paseatas” programadas para hoy. Las campañas acordaron que la “paseata” principal, por el centro de la ciudad, la haría la oposición por la mañana y el oficialismo por la tarde para evitar problemas, pero cualquier chispa puede prender. Basta decir que la semana pasada Serra se internó en un hospital y se hizo una tomografía computada porque en una “paseata” alguien le tiró y le acertó en la cabeza con una tapita de plástico y un bollo de papel.

Cidào tiene motivos de sobra para mantenerse alerta a pesar de la ventaja y no sólo por experiencias pasadas, sino porque esta elección ha sido muy cambiante. Serra había arrancado en punta cómodo, pero Dilma lo pasó por arriba y casi gana en la primera vuelta, pero una fuga de votos de último momento a una tercera candidata, Marina Silva, terminó forzando el ballottage. Dilma arrancó la segunda vuelta quince puntos arriba, pero en menos de una semana Serra cortó esa ventaja por la mitad, a caballo de un debate por la legalización del aborto.

Entonces pasaron tres o cuatro cosas. “La gente se asustó. De repente las reuniones (del PT) se llenaron. Empezamos a ver muchas caras que hace mucho no veíamos. La posibilidad concreta de perder generó una movilización”, dijo Gustavo Feiberg, voluntario de la campaña y viejo militante del PT.

Y pasó que Dilma fue a una iglesia en San Pablo a comulgar y “cumplir una promesa de mi vida privada”, dando a entender que le pidió a la Virgen que la cure del cáncer. Y pasó lo del papelito de Serra, que terminó siendo un papelón. Pasó un debate en el que Dilma arrinconó a Serra con el tema Petrobras, empresa estatal que el gobierno de Lula capitalizó y que el anterior gobierno socialdemócrata había parcialmente privatizado. Y saltaron obispos, pastores y líderes religiosos a contestar la campaña del miedo, a decir que el partido del gobierno garantizaba la libertad religiosa. Y saltaron artistas e intelectuales como Chico Buarque, Gilberto Gil, Beth Carvalho, en un gran acto en Río de Janeiro, para apoyar a Dilma y decir que era peligroso y divisivo poner un debate religioso en el centro de una campaña electoral.

Así, el PT terminó jugando el partido de la socialdemocracia, esto es, priorizando el debate sobre el aborto, siempre a la defensiva, contestando agravios y acusaciones. Pero para desgracia de Serra y la oposición, la táctica defensiva de Dilma y el PT funcionó muy bien. “Logramos instalar que acá no se está eligiendo al Papa, ni a un pastor, ni a un líder religioso, sino al presidente de la república”, dice orgulloso Cidào.

Todas esas cosas pasaron y de golpe la distancia entre Dilma y Serra volvió a crecer, hasta llegar a los quince puntos de diferencia que existen hoy, según las principales encuestadoras. Pero en el bunker del PT nadie parece relajado. Es que tres días en esta campaña pueden ser una eternidad.

sodonnell@pagina12.com

JOELMIR BETING, QUEM DIRIA, RECOMENDA VOTO NA DILMA

FRASES


“Se você é uma menina bonita, tem que conseguir 15 votos. Pegue a lista de pretendentes e mande um e-mail. Fale que quem votar em mim tem mais chance com você”.

Candidato José Serra, diante de simpatizantes em Uberlândia (MG), nesta quinta-feira (28).

Leia mais no UOL.

COLOCANDO NA BALANÇA 3

COLOCANDO NA BALANÇA 2

COLOCANDO NA BALANÇA 1

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Candidata de esquerda Susana Villarán é eleita prefeita de Lima


LIMA (Reuters) - A esquerdista Susana Villarán se transformou na terça-feira na virtual prefeita de Lima, o maior colégio eleitoral do Peru, depois que sua principal rival aceitou a derrota numa eleição acirrada que pode sinalizar uma tendência de cara às eleições presidenciais de 2011.


Villarán, uma educadora de 61 anos, se transformou na primeira esquerdista a conquistar a capital do país em quase três décadas, após a disputa eleitoral de 3 de outubro.

"Há uma vitoriosa nas eleições; é (o partido) Força Social e Susana Villarán, a quem, neste momento, reconheço como vitoriosa nestas eleições e a cumprimento democraticamente desejando sucesso", declarou sua rival e conservadora Lourdes Flores, em entrevista à imprensa.

O colégio eleitoral do Peru levou mais de três semanas contando os votos das eleições municipais devido ao grande número de cédulas eleitorais com problemas.

Com cerca de 97 por cento dos votos apurados, Villarán tem 38,4 por cento e Flores 37,6 por cento, com estreita diferença de apenas 36.480 votos.

"Agradeço o gesto democrático de Flores", disse Villarán à radio local RPP ao comentar as declarações de sua rival.

Villarán cresceu com força na reta final das eleições, o que preocupou alguns investidores que temem o nascimento de um candidato presidencial de esquerda que ameace os milionários investimentos estrangeiros no Peru, importante produtor de matérias-primas.

Além de prefeitos, os peruanos elegeram ainda autoridades regionais, que, de acordo com os resultados, mudaram o mapa político do país andino a quase seis meses das eleições presidenciais.

A mudança se dá devido à vitória dos independentes e de líderes regionalistas que deflagraram uma contundente derrota a partidos tradicionais, como o Apra.

Para atenuar os temores de investidores, Villarán declarou que sua postura política nada tem a ver com "posições radicais", como as do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que diz levar adiante uma "revolução socialista", além de ser feroz crítico dos Estados Unidos.

(Reportagem de Marco Aquino e Patricia Vélez)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

PERCEVEJOS SANGUINÁRIOS INVADEM NOVA YORK

 

Las chinches hacen huir a los turistas de Nueva York


Nueva York. (EFE).- Las chinches de cama se han convertido en un verdadero problema económico para Nueva York, que ve cómo comienzan las cancelaciones turísticas y se reducen las visitas a cines, teatros, tiendas y lugares públicos por miedo al ataque de estos insectos. 

Desde el Empire State Building hasta algunas de las tiendas más populares de la Quinta Avenida, pasando por el mismísimo Lincoln Center, las salas de cine de Times Square y hasta el lujoso hotel Waldorf Astoria, están teniendo que lidiar estos días con la mala prensa que supone reconocer que han detectado algún foco.

El equipo del alcalde, Michael Bloomberg, estudia cómo hacer que este problema no afecte a la imagen de la ciudad y a su lucrativo sector turístico, al tiempo que ha difundido folletos en diferentes idiomas para ayudar a prevenir, detectar y combatir a las chinches. "Hasta que esto no pase, prefiero no acercarme por Manhattan. Todo lo que necesito lo tengo por mi barrio, así que esperaré, porque como te toque, te metes en un verdadero problema", aseguraba a Efe Teri Schnieder, una treintañera estadounidense que dice tener más miedo al coste de desinfectar su pequeño apartamento del barrio neoyorquino de Brooklyn que a las picaduras o al estigma.

Además de las picaduras, que provocan un malestar especialmente intenso y duradero, y del estigma que conlleva, los afectados temen infectar sus hogares, de donde es particularmente difícil sacarlos y en numerosas ocasiones se requieren los servicios de fumigadores profesionales.

Las chinches -que según una encuesta del diario Daily News han afectado a uno de cada 10 neoyorquinos en los últimos meses y son su principal preocupación sanitaria- se alimentan de sangre de seres humanos y otros animales y son más activas por las noches, por lo que en la mayoría de los casos atacan en las camas. Ello explica que entre los más afectados por esta plaga, que afecta a todo el país, aunque parece tener su principal foco en Nueva York, sean los hoteles.

Sin embargo, en los últimos meses se han detectado también en conocidas tiendas de ropa como Abercrombie & Fitch, Bloomingdale's, Victoria Secret, Hollister, en los populares cines AMC de Times Square y en museos, colegios y edificios públicos de la ciudad. Todo ello ha motivado que se estén cancelando reservas turísticas para la Gran Manzana, algo que preocupa al sector y las autoridades, especialmente ahora que se acercan las festividades de Acción de Gracias y Navidad.

Hasta que se encuentre una solución más efectiva, los locales desinfectan las zonas afectadas e, incluso, algunas tiendas han llegado a poner perros en las puertas que supuestamente son capaces de detectar si alguien entra con chinches. Los teatros de Broadway temen que los turistas compren menos entradas para ver musicales, un plan muy típico de estas fiestas en Nueva York, mientras los hoteles aumentan su información sobre las medidas que toman para garantizar que están libres de estos bichos. Las chinches se pueden ver a simple vista en las costuras de los colchones y los huecos que se forman entre la pared y la moqueta o el cabecero de la cama.

Aunque la agencia pública que centraliza la imagen y campañas turísticas de Nueva York descarta tener noticia de que haya habido cancelaciones directamente relacionadas con esta plaga, sí reconoce que es un problema que hay que vigilar, al tiempo que los comentarios sobre chinches abundan en las críticas y foros de webs de reservas turísticas como Hotels.com o TripAvisor.com. Además, responsables de establecimientos públicos se quejan del efecto que está teniendo en la imagen de la ciudad y en sus propios negocios, mientras se multiplican los anuncios publicitarios de empresas de fumigación y productos especializados.

"Tener picaduras de chinches se han convertido ya en una seña de identidad de los verdaderos neoyorquinos", bromeaba en declaraciones a Efe un médico de cabecera, que explicaba que cada vez es más habitual que a su consulta lleguen "personas con fuertes picores, casi siempre en las extremidades y la cadera".

Índice de corrupção mundial mostra EUA pior e Brasil, melhor


Por Dave Graham

BERLIM (Reuters) - Os Estados Unidos não estão mais entre os primeiros 20 no ranking mundial dos países menos corruptos, manchados pelos escândalos financeiros e a influência do dinheiro na política, disse a Transparência Internacional (TI) nesta terça-feira.

O Brasil subiu para o 69o lugar em comparação ao 75o do ano passado, ficando ao lado de Cuba, Montenegro e Romênia, apesar de manter a mesma pontuação de 2009: 3,7.

No topo da lista estavam empatados -- sendo que a pontuação mais alta é 10, para os menos corruptos -- a Dinamarca, Nova Zelândia e Cingapura com 9,3. Esses países também estiveram no topo da lista do ano passado.

HUMOR

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

CARTA ABERTA A FERNANDO HENRIQUE CARDOSO


Meu caro Fernando

Vejo-me na obrigação de responder a carta aberta que você dirigiu ao Lula, em nome de uma velha polêmica que você e o José Serra iniciaram em 1978 contra o Rui Mauro Marini, eu, André Gunder Frank e Vânia Bambirra, rompendo com um esforço teórico comum que iniciamos no Chile na segunda metade dos nos 1960. A discussão agora não é entre os cientistas sociais e sim a partir de uma experiência política que reflete comtudo este debate teórico. Esta carta assiada por você como ex-presidente é uma defesa muito frágil teórica e politicamente de sua gestão. Quem a lê não pode compreender porque você saiu do governo com 23% de aprovação enquanto Lula deixa o seu governo com 96% de aprovação. Já discutimos em várias oportunidades os mitos que se criaram em torno dos chamados êxitos do seu governo. Já no seu governo vários estudiosos discutimos, já no começo do seu governo, o inevitável caminho de seu fracasso junto à maioria da população. Pois as premissas teóricas em que baseava sua ação política eram profundamente equivocadas e contraditórias com os interesses da maioria da população. (Se os leitores têm interesse de conhecer o debate sobre estas bases teóricas lhe recomendo meu livro já esgotado: Teoria da Dependencia: Balanço e Perspectivas, Editora Civilização Brasileira, Rio, 2000).

Contudo nesta oportunidade me cabe concentrar-me nos mitos criados em torno do seu governo, os quais você repete exaustivamente nesta carta aberta.

O primeiro mito é de que seu governo foi um êxito econômico a partir do fortalecimento do real e que o governo Lula estaria apoiado neste êxito alcançando assim resultados positivos que não quer compartir com você... Em primeiro lugar vamos desmitificar a afirmação de que foi o plano real que acabou com a inflação. Os dados mostram que até 1993 a economia mundial vivia uma hiperinflação na qual todas as economias apresentavam inflações superiores a 10%. A partir de 1994, TODAS AS ECONOMIAS DO MUNDO APRESENTARAM UMA QUEDA DA INFLAÇÃO PARA MENOS DE 10%. Claro que em cada pais apareceram os “gênios” locais que se apresentaram como os autores desta queda. Mas isto é falso: tratava-se de um movimento planetário.

No caso brasileiro, a nossa inflação girou, durante todo seu governo, próxima dos 10% mais altos. TIVEMOS NO SEU GOVERNO UMA DAS MAIS ALTAS INFLAÇÕES DO MUNDO. E aqui chegamos no outro mito incrível. Segundo você e seus seguidores (e até setores de oposição ao seu governo que acreditam neste mito) sua política econômica assegurou a transformação do real numa moeda forte. Ora Fernando, sejamos cordatos: chamar uma moeda que começou em 1994 valendo 0,85 centavos por dólar e mantendo um valor falso até 1998, quando o próprio FMI exigia uma desvalorização de pelo menos uns 40% e o seu ministro da economia recusou-se a realizá-la “pelo menos até as eleições”, indicando assim a época em que esta desvalorização viria e quando os capitais estrangeiros deveriam sair do país antes de sua desvalorização, O fato é que quando você flexibilizou o cambio o real se desvalorizou chegando até a 4,00 reais por dólar. E não venha por a culpa da “ameaça petista” pois esta desvalorização ocorreu muito antes da “ameaça Lula”. ORA, UMA MOEDA QUE SE DESVALORIZA 4 VEZES EM 8 ANOS PODE SER CONSIDERADA UMA MOEDA FORTE? Em que manual de economia? Que economista respeitável sustenta esta tese?

Conclusões: O plano real não derrubou a inflação e sim uma deflação mundial que fez cair as inflações no mundo inteiro. A inflação brasileira continuou sendo uma das maiores do mundo durante o seu governo. O real foi uma moeda drasticamente debilitada. Isto é evidente: quando nossa inflação esteve acima da inflação mundial por vários anos, nossa moeda tinha que ser altamente desvalorizada. De maneira suicida ela foi mantida artificialmente com um alto valor que levou à crise brutal de 1999.

Segundo mito; Segundo você, o seu governo foi um exemplo de rigor fiscal. Meu Deus: um governo que elevou a dívida pública do Brasil de uns 60 bilhões de reais em 1994 para mais de 850 bilhões de dólares quando entregou o governo ao Lula, oito anos depois, é um exemplo de rigor fiscal? Gostaria de saber que economista poderia sustentar esta tese. Isto é um dos casos mais sérios de irresponsabilidade fiscal em toda a história da humanidade.

E não adianta atribuir este endividamento colossal aos chamados “esqueletos” das dívidas dos estados, como o fez seu ministro de economia burlando a boa fé daqueles que preferiam não enfrentar a triste realidade de seu governo. UM GOVERNO QUE CHEGOU A PAGAR 50% AO ANO DE JUROS POR SEUS TÍTULOS, PARA EM SEGUIDA DEPOSITAR OS INVESTIMENTOS VINDOS DO EXTERIOR EM MOEDA FORTE A JUROS NORMAIS DE 3 A 4%, NÃO PODE FUGIR DO FATO DE QUE CRIOU UMA DÍVIDA COLOSSAL SÓ PARA ATRAIR CAPITAIS DO EXTERIOR PARA COBRIR OS DÉFICITS COMERCIAIS COLOSSAIS GERADOS POR UMA MOEDA SOBREVALORIZADA QUE IMPEDIA A EXPORTAÇÃO, AGRAVADA AINDA MAIS PELOS JUROS ABSURDOS QUE PAGAVA PARA COBRIR O DÉFICIT QUE GERAVA. Este nível de irresponsabilidade cambial se transforma em irresponsabilidade fiscal que o povo brasileiro pagou sob a forma de uma queda da renda de cada brasileiro pobre. Nem falar da brutal concentração de renda que esta política agravou dráticamente neste pais da maior concentração de renda no mundo. VERGONHA FERNANDO. MUITA VERGONHA. Baixa a cabeça e entenda porque nem seus companheiros de partido querem se identifica com o seu governo...te obrigando a sair sozinho nesta tarefa insana.

Terceiro mito - Segundo você, o Brasil tinha dificuldade de pagar sua dívida externa por causa da ameaça de um caos econômico que se esperava do governo Lula. Fernando, não brinca com a compreensão das pessoas. Em 1999 o Brasil tinha chegado à drástica situação de ter perdido TODAS AS SUAS DIVISAS. Você teve que pedir ajuda ao seu amigo Clinton que colocou à sua disposição ns 20 bilhões de dólares do tesouro dos Estados Unidos e mais uns 25 BILHÕES DE DÓLARES DO FMI, Banco Mundial e BID. Tudo isto sem nenhuma garantia.

Esperava-se aumentar as exportações do pais para gerar divisas para pagar esta dívida. O fracasso do setor exportador brasileiro mesmo com a espetacular desvalorização do real não permitiu juntar nenhum recurso em dólar para pagar a dívida. Não tem nada a ver com a ameaça de Lula. A ameaça de Lula existiu exatamente em conseqüência deste fracasso colossal de sua política macro-econômica. Sua política externa submissa aos interesses norte-americanos, apesar de algumas declarações críticas, ligava nossas exportações a uma economia decadente e um mercado já copado. A recusa dos seus neoliberais de promover uma política industrial na qual o Estado apoiava e orientava nossas exportações. A loucura do endividamento interno colossal. A impossibilidade de realizar inversões públicas apesar dos enormes recursos obtidos com a venda de uns 100 bilhões de dólares de empresas brasileiras. Os juros mais altos do mundo que inviabilizava e ainda inviabiliza a competitividade de qualquer empresa. Enfim, UM FRACASSO ECONOMICO ROTUNDO que se traduzia nos mais altos índices de risco do mundo, mesmo tratando-se de avaliadoras amigas. Uma dívida sem dinheiro para pagar... Fernando, o Lula não era ameaça de caos. Você era o caos. E o povo brasileiro correu tranquilamente o risco de eleger um torneiro mecânico e um partido de agitadores, segundo a avaliação de vocês, do que continuar a aventura econômica que você e seu partido criou para este pais.

Gostaria de destacar a qualidade do seu governo em algum campo mas não posso faze-lo nem no campo cultural para o qual foi chamado o nosso querido Francisco Weffort (neste então secretário geral do PT) e não criou um só museu, uma só campanha significativa. Que vergonha foi a comemoração dos 500 anos da “descoberta do Brasil”. E no plano educacional onde você não criou uma só universidade e entou em choque com a maioria dos professores universitários sucateados em seus salários e em seu prestígio profissional. Não Fernando, não posso reconhecer nada que não pudesse ser feito por um medíocre presidente.

Lamento muito o destino do Serra. Se ele não ganhar esta eleição vai ficar sem mandato, mas esta é a política. Vocês vão ter que revisar profundamente esta tentativa de encerrar a Era Vargas com a qual se identifica tão fortemente nosso povo. E terão que pensar que o capitalismo dependente que São Paulo construiu não é o que o povo brasileiro quer. E por mais que vocês tenham alcançado o domínio da imprensa brasileira, devido suas alianças internacionais e nacionais, está claro que isto não poderia assegurar ao PSDB um governo querido pelo nosso povo. Vocês vão ficar na nossa história com um episódio de reação contra o vedadeiro progresso que Dilma nos promete aprofundar. Ela nos disse que a luta contra a desigualdade é o verdadeiro fundamento de uma política progressista. E dessa política vocês estão fora.

Apesar de tudo isto, me dá pena colocar em choque tão radical uma velha amizade. Apesar deste caminho tão equivocado, eu ainda gosto de vocês ( e tenho a melhor recordação de Ruth) mas quero vocês longe do poder no Brasil. Como a grande maioria do povo brasileiro. Poderemos bater um papo inocente em algum congresso internacional se é que vocês algum dia voltarão a freqüentar este mundo dos intelectuais afastados das lides do poder.

Com a melhor disposição possível mas com amor à verdade, me despeço

Theotonio Dos Santos

thdossantos@terra.com.br, /theotoniodossantos.blogspot.com/

Theotonio Dos Santos é Professor Emérito da Universidade Federal Fluminense, Presidente da Cátedra da UNESCO e da Universidade das Nações Unidas sobre economia global e desenvolvimentos sustentável. Professor visitante nacional sênior da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Irak investiga la guerra sucia de Blackwater



La compañía de seguridad, que hoy lleva el nombre de Xe, estaría involucrada en los asesinatos de civiles iraquíes que salieron a la luz este fin de semana. El vicepremier británico dijo que las denuncias son “graves”.

Por Patrick Cockburn *, para Página/12

El gobierno iraquí prometió investigar si los empleados de la compañía de seguridad Blackwater estuvieron involucrados en asesinatos que no habían sido revelados hasta que aparecieron publicados por el medio Wikileaks. Además del caso ocurrido en Bagdad en 2007, cuando guardias de Blackwater asesinaron a 17 e hirieron a 18 civiles, el Buró de Periodismo de Investigación afirmó haber descubierto otros 14 casos cuando el personal de Blackwater abrió fuego contra civiles. La información surgió de los partes de guerra que fueron publicados por Wikileaks. Ese material muestra que más de diez civiles fueron asesinados y unos siete heridos por los integrantes de Blackwater, una compañía de seguridad privada estadounidense que ahora se llama Xe. En un tercio de los casos, los guardias privados estaban protegiendo a diplomáticos norteamericanos como parte de un contrato equivalente a 465 millones de dólares.

Los partes de guerra revelan repetidos casos en que les dispararon a vehículos civiles que pasaban cerca de los convoys. En una ocasión, hasta mataron al conductor de una ambulancia que había concurrido hasta un lugar donde había habido un ataque con bombas. En Bagdad, políticos sunnitas sostienen que los informes militares de Estados Unidos confirman y dan credibilidad a sus denuncias de que miembros de su comunidad estaban siendo torturados por las fuerzas de seguridad dominadas por los chiítas.
La organización Iraq Body Count (Recuento de cuerpos en Irak) afirma que los 400 mil partes de guerra difundidos por Wikileaks muestran que los muertos en Bagdad no son 107 mil, como la entidad estimaba, sino que a esa cifra deben sumársele 15 mil bajas más. Desde el comienzo de la guerra en 2003, los militares estadounidenses reiteraron que no tenían estadísticas de cuántos civiles iraquíes habían sido asesinados o heridos. El objetivo de esto habría sido impedir que se dieran protestas por estas pérdidas, como había ocurrido en Vietnam.

Los gobiernos de Estados Unidos y el Reino Unido intentaron restar importancia a las víctimas civiles en Irak, afirmando que sólo en cuatro de las 18 provincias del país existía un alto nivel de violencia. Hace poco, el Pentágono admitió que las muertes no militares llegaron a ser de 3500 o 4 mil en diciembre de 2006.

Aun así, el viceprimer ministro bitánico, Nick Clegg, dijo que las revelaciones de Wikileaks son extremadamente graves. “Debe investigarse todo lo que lleve a pensar que las reglas de la guerra fueron violadas y que la tortura fue tolerada”, dijo el político liberal. Clegg, antes de formar parte de la coalición de gobierno del premier conservador David Cameron, fue uno de los más férreos detractores de la participación británica en la guerra de Irak. “Su lectura es francamente desoladora”, declaró el vicejefe de gobierno a la cadena BBC, refiriéndose a la publicación de los documentos. “Son hechos muy graves y la administración estadounidense querrá dar su propia respuesta y no nos corresponde decirles cómo hacerlo”, agregó. La Casa Blanca todavía no hizo declaraciones, aunque la difusión de los documentos fue condenada por el jefe de estado mayor estadounidense, el almirante Mike Mullen. Dijo que fue una acción irresponsable y que pone en riesgo a muchas personas.

La organización Human Rights Watch (HRW) pidió a las autoridades iraquíes que investiguen las denuncias que afirman que sus tropas infligieron torturas y abusos sistemáticos a los detenidos. “El gobierno estadounidense tiene que investigar si sus fuerzas violaron el derecho internacional al transferir a miles de detenidos iraquíes a custodia iraquí a pesar del riesgo de tortura”, agregó.

El primer ministro en funciones iraquí, Nuri al Maliki, negó la veracidad de los papeles y denunció que la publicación en Internet persigue objetivos políticos. En ese clima, la Corte Suprema de ese país le ordenó ayer al Parlamento que se reúna para elegir a su nuevo presidente.

* De The Independent de Gran Bretaña. Especial para Página/12.

Mídia, a grande perdedora das eleições


Francisco Viana
De São Paulo, para Terra

Leio no Google que um jornalista da TV Brasil Central, mantida pelo governo de Goiás, pediu demissão no ar. Motivo: censura interna. Fiquei com a seguinte questão: e se os jornalistas da mídia privada começarem também a pedir demissão no ar? E se os sindicatos de jornalistas começaram a denunciar a censura interna na mídia? O que hoje, nessa reta final das eleições, está de fato ocorrendo nas redações dada a forma com que os veículos de comunicação vêm tratando a candidata Dilma Rousseff? 

Não tenho as respostas para tais questões, mas, ao que tudo indica, não há como duvidar: a mídia tradicional é a grande derrotada nessas eleições. Senão a mídia propriamente dita, mas o conceito de neutralidade. No tiroteio para desqualificar a candidata Dilma e incensar o candidato José Serra, a grande vítima foi a verdade factual e os verdadeiros problemas brasileiros. A cobertura dos grandes jornais, com seus colunistas pouco argutos (por conveniência?) para a realidade, com aversão à ideia de que a política mudou e que a esquerda passa a fazer parte, de maneira inescapável, da vida nacional, com um tratamento nada equitativo dos candidatos, com tudo isso, tornou-se o clichê perfeito de uma época que acabou.

O leitor hoje é bem informado. Conhece a mídia internacional, avalia o noticiário, conhece a realidade do país. Não teme o fantasma do comunismo. Desconfia de pesquisas de opinião. Questiona o que lhe é apresentado como fato. Percebe quando a discurso camufla interesses inconfessáveis. Percebe, por exemplo, quando o discurso sobre a liberdade serve de escudo para negar a prática social da liberdade. Ambiciona soluções reais para realidades concretas, como são os casos da violência, do aborto (que mata milhares de jovens todos os anos por ser ilegal e , assim, inibir políticas públicas). É um leitor que desmascara factóides, que não se deixa iludir por discursos de boas intenções. Essa realidade.

A realidade, também, é que mundo da mídia se transformou uma ilusão. O conceito de verdade ganhou dimensão religiosa. É como se fosse uma dogmática jornada da fé, uma fé que se propõe a ser incontestável. Com esse conceito de "verdade", leia-se isenção, é criado um fantasioso exercício do tratamento dos fatos. Questão: qual o sentido dessa prática? Neutralizar mudanças. Combater toda e qualquer tentativa de construção de uma democracia real.
Quando o presidente Lula definiu a imprensa como um partido político, certamente, estava querendo dizer que há uma crise de objetividade. Uma crise porque a sociedade não deseja mais conviver com velhos padrões de "verdade", com o antigo conceito de democracia sem povo. A mídia hoje não se dispõe a contribuir, essencialmente, na discussão dos grandes problemas da sociedade, mas, sim, espetacularizá-los, tranformá-los em mercadoria de consumo.

A verdade é a verdade dos interesses que a mídia defende? É uma questão a procura de respostas. Mas, o dado novo, é que a mídia encontra-se sob suspeita e questionamento. E esse questionamento é da sociedade. Não se trata de censura institucional, mas de uma crítica prática, que nasceu da sociedade para a mídia, não das instituições públicas para a sociedade. Sempre que se crítica a mídia, o recurso à liberdade de expressão é imediato, mas não existe liberdade de expressão da mídia. Existe, sim, liberdade de expressão da sociedade. Não existe registro na história da existência de imprensa livre numa sociedade amordaçada.
O impasse dessa constatação é que a mídia, a despeito da sua natureza manipuladora, é associada ao que existe de melhor na defesa das liberdades individuais e das liberdades públicas. Esse o paradoxo, esse o núcleo profundo do problema. A decadência da mídia por força das suas contradições - o conflito entre interesses e a propalada neutralidade - põe em risco a indispensável defesa das liberdades individuais e das liberdades públicas? Evidentemente que sim. A esperança, no sentido do devir prático, é que as mídias sociais sejam o embrião de um novo conceito de mídia e que a própria fragmentação seja a matriz de um novo conceito de informação. Ou que venha a surgir uma nova geração de empresários da mídia, sensível à realidade da nova sociedade brasileira.

Seja qual for o futuro, um fato é inescapável. A mídia tradicional está em crise. Será que ela existe para que a verdade, no sentido da realidade autêntica, não seja dita? Será que se tornou mais fonte de contra-informação do que fonte de informação? Por que ao criticar o socialismo, por exemplo, não publica no mesmo espaço uma visão a favor do socialismo? Por que semeia a cultura do medo da mudança, quando deveria semear a cultura do esclarecimento, da informação, do diálogo? Por que as notícias alarmantes não têm fim? A liberdade de imprensa é uma ideia modernizadora, como é modernizadora a democracia real. Por que tudo hoje gira em torno de manchetes alarmistas, em torno da condenação de toda e qualquer reforma da sociedade que implique em participação popular?

Toda análise da cultura do medo que ignorar a ação da imprensa ficaria evidentemente incompleta. Entre as diversas instituições com mais culpa por criar e sustentar o pânico a imprensa ocupa indiscutivelmente um dos primeiros lugares. A frase não é minha: Literalmente, é da lavra do sociólogo Barry Glassner, está no livro Cultura do Medo. Ele trata de temas como crime, drogas, minorias, mães de adolescentes, crianças assassinas, micróbios mutantes, acidentes de avião, fúria no trânsito, temas que na definição de Glassner, deveríamos temer cada vez menos, mas tememos cada vez mais(Editora Francis, 2003, p. 33).

No Brasil, a lista, a constatação é inescapável, incorpora a propagação do medo político, a visão de que tudo que implica em igualdade e expressão das grandes massas implica em risco para a ordem, em ameaça à liberdade de expressão. Se a mídia tem liberdade de expressão, por que o presidente da República, os políticos, os empresários, cidadão comum, enfim, não pode criticá-la? Teriam os donos de jornais o monopólio das Sagradas Escrituras? Esse é um tema que veio para ficar. As eleições que agora chegam ao 2o turno, mostraram o que há por trás das cortinas da neutralidade da chamada grande imprensa. As contradições tornaram-se transparentes. Se houver censura no Brasil, não mais será da parte de governos, será a censura social. Como a notícia vem sendo tratada como produto, é certo que o leitor reagirá como reage na compra de produtos que não lhe inspiram confiança: simplesmente virará as costas - deixará de comprar - a mídia que não forma e informa com consistência. Essa é a realidade: nos nossos tempos o cidadão age, não fica se lamentando. Mais do que as companhias de produtos e serviços, pelo papel que exercem ( ou deveriam exercer) jornais, revistas, rádios e televisões necessitam de confiança do público para existir, se não há confiança, falta oxigênio. Morre-se por asfixia.



Francisco Viana é jornalista, consultor de empresas e autor do livro Hermes, a divina arte da comunicação. É diretor da Consultoria Hermes Comunicação estratégica (e-mail: viana@hermescomunicacao.com.br)

domingo, 24 de outubro de 2010

Los 'papeles' del conflicto iraquí

El fundador de Wikileaks: "Tenemos la esperanza de corregir algunos ataques a la verdad"

Julian Assange, fundador de la página Wikileaks, ha defendido esta mañana en Londres la publicación de cerca de 400.000 documentos hasta ahora secretos sobre la guerra de Irak. Esta segunda publicación masiva de archivos secretos permite acceder "al detalle íntimo de esa guerra desde la perspectiva de Estados Unidos" y ha permitido saber que en ella murieron al menos 15.000 civiles más de lo que se creía hasta ahora.

Assange ha comparecido ante la prensa junto al profesor John Sloboda, de la organización Iraq Body Count, que lleva un registro de todas las muertes documentadas en la guerra de Irak, entre otros activistas y defensores de los derechos humanos. Assange recordó que "la verdad es siempre la primera víctima de una guerra". "Pero los ataques a la verdad empiezan mucho antes que la propia guerra y continúan durante y después de que acabe la guerra. Con nuestra publicación de unos 400.000 documentos sobre la guerra de Irak, con el detalle íntimo de esa guerra desde la perspectiva de Estados Unidos, tenemos la esperanza de corregir algunos de esos ataques a la verdad que ocurren antes y durante la guerra y que han continuado mucho después de que la guerra acabara oficialmente", declaró.

"En este material está documentada la muerte de unas 109.000 personas, incluidas entre ellas 66.000 civiles. Trabajando con el Iraq Body Count hemos llegado a la conclusión de que hay unas 15.000 muertes que hasta ahora no se habían documentado o conocido, de civiles que han muerto de forma violenta en Irak. Esa tremenda escala no debería volvernos ciegos ante la pequeña escala que hay también en este material", proclamó el fundador y director de Wikileaks.
"Prometimos a nuestras fuentes -que en ocasiones han corrido riesgos enormes para conseguir este material- que les haríamos justicia intentando conseguir el mayor impacto político posible y, aunque no estoy seguro de que hayamos alcanzado el máximo posible, creo que estamos muy cerca", añadió entre melancólico y satisfecho.

El profesor John Sloboda explicó que la muerte de estas 15.000 personas ahora desveladas gracias a estos documentos, "no son producto de grandes bombardeos, sino de pequeños incidentes en los que han muerto una o dos personas en cada uno de ellos y que han ido ocurriendo casi cada día durante todo el periodo de la guerra". "Se trata de asesinatos premeditados, de disparos al azar desde vehículos, de ejecuciones, de matanzas en puntos de control. Esas son las pequeñas pero incesantes tragedias de esta guerra que estos documentos revelan con un detalle sin precedentes", añadió.

"Ahora estamos en condiciones de asegurar que en total han muerto más de 150.000 personas desde 2003, de las que en torno al 80% eran civiles", aseguró Sloboda. "Los medios ya habían informado de muchas de estas muertes, como las 35 que ocurrieron un día determinado en Bagdad. Pero estos documentos revelan que esas muertes ocurrieron en 27 puntos distintos y revelan también los detalles y las circunstancias de cada incidente y en muchos casos la identidad de las víctimas", añadió. "Día a día y en secreto, los soldados de Estados Unidos en Irak han ido escribiendo informes sobre las muertes violentas que han provocado, que han presenciado o de las que han obtenido información. Fechas, horas, el lugar exacto en que han ocurrido, nombres, edades, profesiones de las víctimas... Todo está registrado en estos ficheros. Es muy bueno que se hayan registrado estos datos, pero es malo y no tiene ninguna justificación que se hayan mantenido en secreto durante tanto tiempo", denunció el representante del Iraq Body Count.

Leia mais no El País.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Lula acusa Serra de mentir e simular agressão em tumulto no Rio


PORTO ALEGRE (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou nesta quinta-feira o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, de mentir por conta do que considerou uma simulação de agressão que teria sido feita por ele durante confronto entre militantes do PT e tucanos na véspera.


"A mentira que foi produzida ontem pelo esquema publicitário do José Serra é uma coisa vergonhosa. Passaram o dia inteiro vendendo que esse homem tinha sido agredido", disse Lula a jornalistas, após a inauguração do dique seco do Polo Naval de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.

Lula contou que após saber do incidente entre militantes das duas legendas durante evento de Serra na zona oeste do Rio de Janeiro, chegou a pensar em entrar em contato com dirigentes do PT para que se solidarizassem com o tucano, mas mudou de opinião após ver imagens feitas pelo SBT.

A reportagem da emissora sobre o tumulto mostra o tucano sendo atingido na cabeça pelo que parece ser uma bolinha de papel. De acordo com a reportagem, cerca de 20 minutos depois de ser atingido, Serra recebe um telefonema e leva a mão à cabeça.

Segundo a assessoria de imprensa da campanha de Serra, o candidato do PSDB foi atingido por um "pesado objeto", sentiu-se mal e cancelou o restante dos eventos de campanha no Rio. O tucano foi levado para uma clínica onde fez exames e recebeu recomendação médica de repouso por 24 horas.

"Nenhum candidato, novo ou velho, tem o direito de mentir de forma descarada como o PSDB fez ontem, achando que atrás da tela tem um bando de pessoas que não entendem nada", atacou Lula.

O presidente comparou o episódio com o do ex-goleiro da seleção do Chile Roberto Rojas, que durante uma partida contra o Brasil em 1989 no Maracanã, válida pelas eliminatórias da Copa do Mundo do ano seguinte, fez um corte proposital no supercílio quando um foguete foi lançado por uma torcedora no gramado.

O jogo foi suspenso e, depois que a farsa foi descoberta o Chile, que precisava da vitória para se classificar para o Mundial, foi declarado derrotado e foi suspenso dos Mundiais de 1990 e 1994. Rojas foi banido do futebol e anistiado anos depois.

(Reportagem de Sinara Sandri)

CANDIDATO É ATINGIDO POR PROJETIL

 DESCRIÇÃO DO PROJETIL:


2. RESULTADO DOS EXAMES MÉDICOS:


Cade aprova acordo proposto pela Globo+Clube dos 13


Foram 6 votos contra 1. O Cade aceitou os termos do acordo proposto pela Globo e pelo Clube dos 13 para evitarem multa pesada por pratica antcompetitiva. A Globo ganhou o alivio de nao ter que pagar a multa mas perde (a partir de 2012) o direito de preferência de compra dos direitos de transmissao do Brasileirao. E terá de competir de igual para igual com os concorrentes. Até aqui tinha direto a uma 2a oferta que cobrisse a proposta de uma outra emissora ou rede - segundo o acordo com os clubes. A açao corria ha mais de 10 anos no Cade e nao foi possivel adiar a decisao mais uma vez.

Blue Bus

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Livro questiona 23 mitos do capitalismo


A crise financeira de 2008 expôs ao mundo as fraquezas de um ídolo que parecia indestrutível desde a queda do muro de Berlim: o capitalismo. 

O economista sul-coreano Ha-Joon Chang, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, é um dos mais eminentes críticos das políticas neoliberais em voga desde a década de 80.

Autor dos livros Bad Samaritans: The Myth of Free Trade and the Secret History of Capitalism (em tradução livre, Maus Samaritanos: O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo) e 23 Things They Don't Tell You About Capitalism (em tradução livre, 23 coisas que não te dizem sobre o capitalismo), publicados recentemente, Chang disse à BBC que não é um anticapitalista.

"O capitalismo é o pior sistema, excluídos os outros", ironiza.

Chang disse que muitos dos críticos ou admiradores do sistema estão convencidos de que sabem o que é o capitalismo - mas estão enganados. O economista disse que o que tenta fazer em seus livros é mostrar que muitas das premissas usadas para definir o sistema são meias verdades ou puro mito.

"A idéia do livre mercado, por exemplo. O mercado livre não existe. Todo mercado tem regras e limites que restringem a liberdade de escolha."

Ele pergunta, por exemplo, por que um motorista de ônibus na Suécia ganha 50 vezes mais do que um em Nova Déli (na Índia).

"Porque o de Nova Déli não pode ir à Suécia, pois há limites ao fluxos migratórios."

Outro mito, ele explica, é aquele que propõe que quanto mais livre o mercado e quanto menos envolvimento do governo, maior a riqueza.

Segundo Chang, a coisa não funciona dessa forma. E para ilustrar sua tese, ele cita o caso da desregulamentação do sistema financeiro ocorrida desde a década de 80.

"Como se viu na crise financeira de 2008, (a desregulamentação) destruiu muita riqueza."


Desenvolvimento

Outro mito capitalista, na opinião de Chang, é a ideia do livre comércio. Países desenvolvidos dizem que as nações em desenvolvimento têm de permitir o livre fluxo de capitais e mercadorias para que possam se desenvolver.

Mas essa posição ignora a política adotada historicamente pelos próprios países desenvolvidos - ele diz.
"Tomemos o caso do Reino Unido, berço da Revolução Industrial. No século 17, Daniel Defoe, autor de Robinson Crusoé, além de empresário e espião, publicou uma história sobre o comércio inglês que mostra o protecionismo aplicado desde o século 15".

"Esta política segue até o século 19, quando o Reino Unido se tornou partidário do livre comércio porque já havia desenvolvido sua indústria e não precisava protegê-la."

Chang diz achar "curioso" que a Grã-Bretanha, ao abraçar a ideia do livre comércio, apaga sua própria história e prega algo que não praticou para se desenvolver, ou seja, exige que o resto do mundo adote o livre comércio.

Ainda ilustrando esse ponto, ele lembra que os Estados Unidos não adotaram a política de livre comércio defendida pelos britânicos.

"No século 19 e nas primeiras décadas do século 20, os EUA foram o país mais protecionista do mundo. E uma vez que desenvolveram plenamente sua indústria, exigiram do resto que se convertesse ao livre comércio."

Segundo Chang, a lista de países que usaram uma estratégia similar é grande: França, Japão, Alemanha, Finlândia, Itália, Noruega e Áustria, entre outros.

O economista cita ainda o caso de seu país natal, a Coreia do Sul.

Ele conta que nasceu em 1963, período em que a renda per capita na Coréia do Sul equivalia a menos do que a metade da de Gana.

Em 1977, a renda per capita havia subido para US$ 1 mil e o país se transformara em um grande exportador de automóveis, semicondutores e outros produtos de grande elaboração técnica.

"A Coreia do Sul aplicou todas as receitas que os países desenvolvidos dizem que não se deve aplicar: subsídios, protecionismo, planos estatais, intervencionismo...", enumera Chang.

"Não digo que essa política seja uma varinha mágica. O que digo é que se você estuda a realidade dos países em desenvolvimento no pós-guerra, a história oficial que prega o neoliberalismo, com o FMI e o Banco Mundial no comando, não condiz com a realidade."

Para Chang, o milagre japonês é um exemplo claro, assim como os casos da China e da Coreia do Sul.

Globalização

A idéia da inevitabilidade da globalização como resultado do advento da internet é, segundo Chang, mais um dos mitos do capitalismo.

O economista diz que a invenção do telégrafo, no século 19, produziu uma revolução nas comunicações muito maior do que a internet.

"Antes do telégrafo, demorava-se duas semanas para se transmitir uma mensagem transatlântica por barco. Com o telégrafo, isso foi reduzido para sete minutos."

"E se compararmos ambas as épocas, o mundo do barco a vapor e do telégrafo estava muito mais globalizado do que o dos anos 40, 50 e 60 no século 20, apesar da enorme diferença tecnológica."

Chang diz que as transações financeiras são feitas em segundos, mas lembra que elas só são possíveis porque os mercados financeiros foram desregulados.

"Recorrer à tecnologia é uma maneira de negar que, na realidade, trata-se de uma decisão política."

Veja a lista de afirmações do livro:

1. Não existe livre mercado.
2. Companhias não deveriam ser administradas segundo os interesses de seus donos.
3. A maioria das pessoas nos países ricos ganha mais do que deveria.
4. A máquina de lavar mudou mais o mundo do que a internet.
5. Espere o pior das pessoas e você receberá o pior.
6. Maior estabilidade macroeconômica não tornou a economia mundial mais estável.
7. Políticas de livre mercado raramente tornam países pobres mais ricos.
8. Capital tem nacionalidade.
9. Não vivemos na era pós-industrial.
10. Os Estados Unidos não têm o melhor padrão de vida do mundo.
11. A África não está destinada ao subdesenvolvimento.
12. O governo pode escolher os ganhadores.
13. Tornar pessoas ricas mais ricas não enriquece o restante das pessoas.
14. Os salários de executivos americanos são altos demais.
15. As pessoas nos países pobres são mais empreendedoras do que as dos países ricos.
16. Não somos espertos o suficiente para deixar as coisas a cargo do mercado.
17. Mais educação, por si só, não vai tornar um país mais rico.
18. O que é bom para a General Motors não é necessariamente bom para os Estados Unidos.
19. Apesar da queda do comunismo, ainda estamos vivendo em economias planejadas.
20. Igualdade de oportunidades é desigual.
21. Um governo grande torna as pessoas mais - e não menos - abertas às mudanças.
22. Mercados financeiros precisam se tornar menos, não mais, eficientes.
23. Boas políticas econômicas não requerem bons economistas.

BAIXARIAS DA CAMPANHA DE SERRA


Coluna da Taline Oppitz, hoje, no Correio do Povo:

"Apenas na redação do Correio do Povo, três jornalistas receberam ligações com gravações contra Dilma. Os temas do contato envolviam o caso Erenice Guerra e a atuação da petista na época da ditadura."

Creedence Clearwater Revival

terça-feira, 19 de outubro de 2010

DEVER CUMPRIDO


No calor da corrida eleitoral rumo ao segundo turno, o presidente Lula entrou no clima de fim de mandato e já faz balanços de seu governo. A pouco mais de dois meses para o término de sua administração, Lula diz que vai entregar o cargo "com a sensação de dever cumprindo". 

Em evento institucional, a inauguração das unidades de Coque e de Hidrotratamento de Diesel da refinaria da Petrobras em São José dos Campos, interior de São Paulo nesta segunda-feira (18/10), Lula seguiu o protocolo e não falou de campanha política. Mas não perdeu a chance de passar sua mensagem.
"Essa empresa que muita gente tentou vender, que muita gente tentou mudar o nome (…), essa empresa chega em 2010 se transformando na segunda empresa de petróleo do mundo, motivo de orgulho para cada um de nós, brasileiros", atacou Lula indiretamente os adversários políticos Fernando Henrique Cardoso e José Serra.
Perto do fim
Acompanhado de José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras, e do ministro de Minas e Energia, Marcio Pereira Zimmermann, Lula comparou a dimensão da produtora brasileira de petróleo aos seus oito anos de governo. "É importante dizer em alto e bom som, e repetir toda a hora: quando assumimos o governo, o valor patrimonial da Petrobras era de pouco mais de 15 bilhões de dólares. Hoje, o valor patrimonial da Petrobras é de apenas 220 bilhões de dólares", ironizou.
"Gente, isso aqui é um ato institucional, portanto a gente não pode falar de campanha aqui. Porque depois alguém escreve uma matéria e vem um processo…", lembrou Lula diante da plateia de trabalhadores que pedia para ele não deixar o governo.
Segundo o presidente, seu governo fez muito pelo Brasil, mas ainda há muito que ser feito porque, afinal, "não se consegue, em apenas oito anos, consertar os desmandos de 500 anos neste país com a parte mais pobre da população."
Lula disse ainda que, ao entregar a faixa no dia 31 de dezembro, entra para a história como o presidente que mais construiu universidades no país – o que ele chamou de contradição e de paradoxo, já que ele próprio não fez curso superior.
"Nós conquistamos a Copa do Mundo, conquistamos as Olimpíadas, e espero que possamos conquistar uma grande quantidade de medalhas", considerou Lula como parte de seus feitos a escolha do Brasil como sede dos eventos esportivos.
O peso da Petrobras
A importância da fabricante nacional de petróleo é usada na campanha dos dois concorrentes a presidência, Dilma Rousseff e José Serra. A candidata do PT reforça os feitos da empresa e acusa o oponente de querer privatizá-la. Já Serra se defende, e promete fortalecer a Petrobras caso seja eleito.
Durante o evento, José Gabrielli falou que, quando assumiu a presidência da empresa, havia um planejamento que abriria caminho para a privatização da Petrobras. O plano reduzia a exploração petrolífera, desmembrava a área de refino, inibia investimentos entre outros.
A fabricante, que recentemente protagonizou a maior capitalização da história e se prepara para explorar o Pré-Sal, passou da capacidade de produção diária de 181 mil barris de petróleo em 1980 para 2 milhões de barris atualmente.
Nem só de petróleo
A refinaria de São José dos Campos é a mais nova da Petrobras, inaugurada em 1980. Atualmente, há outras quatro em construção. A unidade, que responde a 14% da produção de derivados de petróleo no Brasil, foi modernizada e hoje fornece diesel mais limpo, com redução das partículas de enxofre, segundo os padrões europeus.
Questionado sobre os investimentos em energia limpa, Gabrielli respondeu à Deutsche Welle: "Nós temos hoje, claramente, a maior perspectiva de crescimento de produção de petróleo, mas também somos, entre as petroleiras, uma das maiores na área na produção de biodiesel e etanol".
O presidente da Petrobras disse não ser correta a afirmação de que a Petrobras é uma empresa que só trabalha com petróleo, como frisado pela imprensa internacional. Segundo Gabrielli, há parcerias em andamento com o setor eólico no nordeste do Brasil. Mas ele não esconde o orgulho ao lembrar que foi o petróleo que colocou a empresa brasileira no topo do cenário internacional.
Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer
Deutsche Welle

OS TESTÍCULOS DO PADRE GAÚCHO


 
Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis, para Terra
A Polícia Civil de Santa Catarina investiga a mutilação de um padre de 61 anos ocorrida no final tarde deste domingo em uma casa de praia em Balneário Arroio do Silva, na região sul do estado. O religioso teve os testículos arrancados e permanece internado em um hospital de Araranguá.

De acordo com as informações do delegado responsável pelas investigações, Jorge Girardi, o padre Roque Gabriel, de Lageado (RS), saiu correndo de uma casa de praia no final da tarde, totalmente ensanguentado.

Ele alega ter sido vítima de um assalto praticado um casal encapuzado.

Na casa de praia, pertencente a um amigo do religioso, foram encontrados produtos para curativos médicos. Os testículos, de acordo com o padre, teriam sido jogados no vaso sanitário da casa.

Gabriel diz que os criminosos o teriam mutilado pelo fato de se posicionar contrariamente à homossexualidade.
 ...
A participação do suposto casal, hipótese não confirmada por testemunhas, está sendo averiguada. A possibilidade de automutilação não foi descartada pelos policiais.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A mídia brasileira foi reduzida a panfleto

Nunca foi tanto. Dá pra ver pelas capas das semanais:

Blue Bus

para a liberdade e luta


me enterrem com os trotskistas
na cova comum dos idealistas
onde jazem aqueles
que o poder não corrompeu
me enterrem com meu coração
na beira do rio
onde o joelho ferido
tocou a pedra da paixão

paulo leminski

Folhetos sujos partem do comando da campanha de Serra

A Polícia Federal apreendeu ontem, por determinação da Justiça Eleitoral, cerca de 1 milhão de panfletos que pregam voto contra o PT devido à posição favorável à descriminalização do aborto.
Vaca indo para o brejo.
 
A gráfica que imprimia os jornais pertence à irmã do coordenador de infraestrutura da campanha de José Serra (PSDB), Sérgio Kobayashi. Arlety Satiko Kobayashi é dona de 50% da Editora Gráfica Pana Ltda, localizada no Cambuci, na capital paulista. A empresária também é filiada ao PSDB desde março de 1991, segundo registro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).
 
O ministro do TSE Henrique Neves concedeu liminar para a apreensão dos panfletos atendendo a representação do PT para apuração de crime de difamação. O partido também pede investigação sobre quem pagou a impressão do material.
 
Sérgio Kobayashi atribuiu ontem a uma coincidência o fato de a gráfica Pana ter sua irmã como sócia. A assessoria da campanha de Serra negou qualquer relação entre o candidato e a produção dos panfletos, nem por meio de encomenda, financiamento ou indicação de gráfica.
 
Responsável pelo contato com a gráfica, Kelmon Luís de Souza afirmou que encomendou 20 milhões de panfletos em nome da diocese e que o dinheiro para a impressão veio de "doações pesadas de quatro ou cinco fiéis".
 
Bispos recuam
 
Os bispos que comandam a regional não quiseram falar após a apreensão dos panfletos. Cerca de 50 bispos paulistas se reuniram durante duas horas anteontem para redigir a nota que demonstra o recuo da regional. Eles avaliaram que o erro do texto de agosto, já retirado do site da regional, foi ter citado o PT e ter feito referência a Dilma.
 
"O erro que foi a apresentação de siglas partidárias. Isso não poderia ter acontecido", disse o bispo de Limeira, d. Vilson Dias de Oliveira.
 
O mar de lama se alastra com a colaboração direta dos coordenadores da campanha do candidato Serra, que não tem discurso, programas de governo e projetos para a nação, só dissimina na população sujeira e lama.


AQUI E LÁ

Deviantart:


Los ricos presionan contra Obama

Este segmento podría ejercer un impacto real en las legislativas que se realizarán en dos semanas. Los republicanos han criticado constantemente al mandatario por no apoyar a los empresarios.

Por David Usborne *
Desde Florida, para Página/12

“No sería una buena idea manejar por acá con calcomanías de Barack Obama”, explica Phil McCarthy, un antiguo titán entre los empresarios capitalistas estadounidenses. Su Mercedes, con un control remoto secreto interior, no tiene un logo demócrata a la vista. Por eso, las barreras del Club de Playa de St Johns se levantan obedientemente.

Situado el norte de la Playa Vero, en la parte atlántica de Florida, la isla de St Johns reúne a una comunidad de gente de altos recursos. Para ser honestos, de inclinación republicana. Para McCarthy, cenar cerca de la pileta convierte la noche en una velada extraña. Haciendo a un lado las convenciones de discreción en cuestiones de política que mantiene la gente bien de los Estados Unidos, accede a hablar sobre Barack Obama. Es su tarea hablar, explica McCarthy. “¿De qué me sirve mandar una carta de lectores?”, pregunta mientras sirve un plato de ostras. Les pidió a algunos de sus amigos que se sumaran a la charla sobre el presidente Obama. Jim Broadhead, un ex director ejecutivo de la compañía eléctrica de Florida y alguna vez titular de la aerolínea Delta, accedió con entusiasmo. Pero otros no, no se fiaban de un reportero británico.

Ya no es un secreto que Estados Unidos, que se prepara para elegir en dos semanas a una nueva Cámara de los Representantes y a un tercio del Senado, está plagado de conservadores que consideran a Obama un horror socialista. Pero algunos ex discípulos de Sarah Palin y del Tea Party deberían saber esto: sus opiniones no son nada comparadas con lo que piensan los conservadores ricos y bien educados.

No sería sorprendente que los poderosos estadounidenses voten en contra del partido progresista del país. Pero lo que es llamativo es que Broadhead y los de su clase estén teniendo un impacto real en esta elección y mostrándose como una resistencia frente al presidente, que ha sido constantemente criticado por los republicanos por no apoyar a los empresarios. Esta es gente que tiene acceso a los políticos y que también cuenta con el dinero para influenciarlos. Broadhead, de 74 años y que pertenece a club de playa más selecto llamado Lost Tree (Arbol perdido), admite evasivamente que ha estado aportando para las elecciones del 2 de noviembre. La enorme influencia de los ricos ha provocado reacciones furiosas entre los comentaristas izquierdistas. “La locura se ha vuelto dominante”, escribió el mes pasado Paul Krugman en The New York Times. “Cuando se trata de defender los intereses de los ricos, parece que las reglas normales del discurso civilizado (y racional) no se aplican más. Un sentido beligerante del derecho los tiene presos: es su dinero y ellos tienen el derecho de resguardarlo”, agregó.

Pero ese punto de vista no logró demasiada adhesión y es también expresión de una percepción más amplia que sostiene que esta Casa Blanca es contraria a los negocios. Cuando Obama fue este año a Wall Street a explicar su ley de reforma financiera recibió una fría recepción. Cuando la legislación se aprobó hubo quejas porque el mandatario no invitó a los jefes de Goldman Sachs y de JP Morgan a la firma. A Stephen Schwarzman, cofundador del grupo Blackstone, se lo escuchó meses atrás comparar algunas de las propuestas de reforma impositiva de Obama con la invasión de Adolf Hitler a Polonia, en 1939.

Por suerte, esta noche sólo se escucharon comparaciones por izquierda. “Creo que se sitúa en algún lado entre el socialismo y el marxismo”, reflexiona McCarthy, que también se desempeñó como profesor adjunto de Negocios en la Universidad de Columbia. “Definitivamente, no es un capitalista”, insiste. “Para su corazón, su sistema de valores es básicamente socialista”, agrega. El anfitrión después cita un artículo de la revista Forbes, que decía que Obama heredó de su padre keniano una mentalidad anticolonialista. “Odia al imperialismo y cree que la gente que hace plata es imperialista”, remarca McCarthy.

Broadhead, que ahora está jubilado, afirma que ha sido ofendido por Obama en muchos niveles. Entre esas ofensas, estuvo la devolución a la embajada británica de un busto de Winston Churchill que había estado en el Despacho Oval desde los ataques del 11 de septiembre de 2001. Y también le desagrada su tendencia a echarle la culpa a George Bush. Además, se queja porque Obama da conferencias de prensa sin la bandera de los Estados Unidos. “Los estadounidenses tienden a ser patriotas y piensan que su país es un lugar excepcional. Pero parece que Obama quiere disipar esa visión”, denuncia. Los dos amigos quieren dejar en claro una cosa: la animosidad contra Obama no es un asunto personal.

* De The Independent de Gran Bretaña. Especial para Página/12.

Homem está acabando com a vida na Terra, alerta diretor da ONU


Ewerthon Tobace
De Tóquio para a BBC Brasil

Na abertura da décima edição da Conferência das Partes sobre Biodiversidade (COP-10), o diretor do programa para meio ambiente das Nações Unidas (ONU), Achim Steiner, foi enfático ao afirmar que o homem está acabando com a vida na Terra.

“Este é o único planeta no universo em que sabemos que existe vida como a nossa e estamos destruindo as bases que a sustentam”, alertou.

O encontro começou nesta segunda-feira em Nagoya, no Japão, e termina no dia 29 de outubro. Durante estas próximas duas semanas, representantes de 193 países vão avaliar as metas de preservação ambiental assumidas para este ano e definir quais serão os próximos objetivos até 2020.

O tom pessimista pôde ser observado ainda nos discursos de outras autoridades e especialistas da área ambiental, que chegaram a afirmar que o mundo está caminhando para uma fase de extinção na mesma proporção do período em que os dinossauros desapareceram da Terra.

Para eles, a destruição da natureza tem afetado diretamente a sociedade e a economia. A ONU estima que a perda da biodiversidade custa ao mundo entre US$ 2 trilhões (R$ 3,2 trilhões) e US$ 5 trilhões (R$ 8 trilhões) por ano, principalmente nas partes mais pobres.

“(O monge budista) Teitaro Suzuki disse que ‘o problema da natureza é um problema da vida humana’. Hoje, infelizmente, a vida humana é um problema para a natureza”, disse o ministro do Meio Ambiente do Japão, Ryo Matsumoto.

“Temos de ter coragem de olhar nos olhos das nossas crianças e admitir que nós falhamos, individualmente e coletivamente, no cumprimento das metas prometidas no encontro de Johanesburgo (em 2002)”, completou o ministro.

Matsumoto lembrou ainda que a perda da biodiversidade pode chegar a um ponto irreversível se não for freada a tempo.

“Toda a vida na Terra existe graças aos benefícios da biodiversidade, na forma de terra fértil e água e ar limpos. Mas estamos agora próximos de perder o controle se não fizemos grandes esforços para conservar a biodiversidade”, disse.

Sinais de esperança

Jane Smart, chefe do programa de espécies da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), disse que, apesar do problema ser grande e complexo, existem alguns sinais de esperança.

“A boa notícia é que quando nós promovemos a conservação, ela realmente funciona; gradativamente estamos descobrindo o que fazer, e quando nós fazemos, as coisas dão muito certo”, disse a pesquisadora à BBC News.

“Precisamos fazer muito mais para conservar, como proteger áreas, particularmente o mar. Temos de salvar vastas áreas do oceano e os cardumes de peixes. Isso não significa que devemos parar de comer peixes, mas comer de uma forma sustentável”, afirmou Jane.

O Brasil também participa do encontro e vai pressionar os países ricos para obter recursos em torno de US$ 1 bilhão (R$ 1,6 bilhão) por ano para a preservação ambiental, além de exigir metas globais mais específicas contra a perda da biodiversidade.

Outro ponto defendido pela comissão brasileira é a cobrança de royalties pelo uso de recursos vegetais e animais. A ideia é que empresas que utilizam matérias-primas provenientes de nações em desenvolvimento repassem uma parte do dinheiro às comunidades locais.

Nota do Blog: Aqui no RS existe um metereologista, já à beira da senilidade, que afirma que tudo isso é bobagem, que esse negócio de degradação do planeta é coisa de esquerdistas que não tem nada mais importante para fazer. Aparentemente espera que o planeta vá durar até o fim da vida (dele).

PRÉ-SAL


domingo, 17 de outubro de 2010

FRASES


"Não se larga um líder ferido na estrada a troco de nada. Não cometam esse erro".


Frase, em tom de ameaça, proferida por Paulo Vieira de Souza, vulgo Paulo Preto, diretor de estatal paulista durante o governo Serra, acusado de desviar R$ 4 milhões da campanha eleitoral.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

GESTÃO DA INICIATIVA PRIVADA

Renúncia coletiva gera intervenção na associação de jovens empresários

Com receita em queda, entidade ficou sem condições de manter funcionários e pagar aluguel de sala

Uma crise financeira e administrativa determinou ontem que a Associação dos Jovens Empresários de Porto Alegre (AJE) sofresse intervenção. Toda a diretoria da entidade, que há 26 anos forma líderes empresariais na Capital, renunciou a seus cargos.

Leia AQUI.


Dica do Dr. Fausto.

EUA devem US$ 1,2 bilhão à ONU


NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - Os Estados Unidos devem 1,2 bilhão de dólares à Organização das Nações Unidas, mais de um quarto de todos os pagamentos em atraso dos Estados membros à ONU, disse na quinta-feira a subsecretária-geral de Gestão da entidade, Angela Kane.


Segundo ela, até quarta-feira apenas 13 dos 192 países haviam quitado suas obrigações. O valor em atraso, que no final de 2009 era de 2,2 bilhões de dólares, saltou para 4,1 bilhões.

Leia AQUI.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

NAZIS


Dilma é alvo de grupos de extrema-direita e neonazistas

O jornalista Tony Chastinet fez um levantamento minucioso sobre a origem de um dos e-mails caluniosos que circulam contra a candidata Dilma Rousseff (PT). Não precisou de dinheiro, nem de ferramentas especiais. Usou basicamente o “Google”. Gastou alguns minutos e usou a experiência de quem já investigou dezenas e dezenas de picaretas em suas reportagens investigativas. Tony Chastinet descobriu que o email partiu de gente ligada à extrema-direita e a grupos neonazistas. Gente com nome, sobrenome e endereço. O jornalista apresenta as provas.

Leia AQUI.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Gilmar Mendes é assaltado em Fortaleza


Suspeito


Dahiana Araújo, para Terra
Direto de Fortaleza
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, foi assaltado na noite de terça-feira em Fortaleza (CE). Ele foi abordado por cinco homens enquanto caminhava, sem a companhia de seus seguranças, pelo calçadão da avenida Beira-Mar, na praia do Náutico. Gilmar Mendes teve seu cordão roubado.

Essa é a segunda vez que Gilmar Mendes é abordado por assaltantes na capital cearense. Em 29 de junho de 2008, o ministro foi abordado por dois homens que tentaram levar sua joia. Na ocasião, dois seguranças evitaram o roubo, mas Gilmar chegou a sofrer arranhões.

Dessa vez, no entanto, o ministro do STF caminhava sem segurança e os assaltantes fugiram.

NAZI

 En su tiempo libre, un candidato a diputado republicano por el Tea Party, en el distrito 9 de Ohio, Estados Unidos, se pone el uniforme de la Waffen SS alemana, el brazo armado del Partido Nazi. El candidato, Rich Iott, hace eso con un grupo de amigos –neonazis como él– que se denomina “Wiking”. En el grupo, Iott se hace llamar con el seudónimo de Reinhardt Pferdmann. El Tea Party, de Iott, es el ala derechista del Partido Republicano y en él militan varios ex colaboradores de George Bush.

O novo eixo do mal

Obra de Philippe Ramette


A mídia de São Paulo é uma piada semipronta. É só dar um calor para passar do ponto. O Estado de S. Paulo brada aos quatro ventos que está sob censura judicial em favor de um filho do imperador do Maranhão, o marimbondo meio moribundo José Sarney. O Estadão tem razão em protestar. Mas, na semana passada, demitiu a psicanalista Maria Rita Kehl por um grave delito de opinião: ela publicou um artigo defendendo o Bolsa-Família. Viva a liberdade de expressão! Alguns dias antes, o mesmo Estadão, que volta e meia defende o jornalismo isento, abrira seu voto para José Serra. Achincalhado na Internet, o Estadão deu uma de Estadinho: enrolou. Kehl não teria sido demitida. Só convidada a não falar de um assunto bem pouco oportuno neste momento: política. Uau!

A conversa fiada evoluiu para algo assim: a rotatividade de colunistas é grande. Por fim, a casa caiu. Maria Rita Kehl confirmou sua demissão. O Estadão que demitiu Maria Rita é o mesmo que vive tentando assustar as velhinhas com uma suposta ameaça de ditadura, com censura à imprensa, pela esquerda brasileira, especialmente se Dilma, rotulada de "mal a evitar", for eleita. O que significa isso? Que o Estadão é um jornal reacionário, autoritário e desesperado. Teve medo que Maria Rita Kehl elegesse Dilma Rousseff com a sua imensa capacidade de formar a opinião dos leitores. O mais engraçado é ver e ouvir os serristas tentando justificar a atitude do provinciano jornalão paulista. A tese deles é muito sofisticada: ela teria passado dos limites. Uau!

A Folha de S. Paulo não quer ficar atrás. Convenceu a Justiça a bloquear um blog chamado "Falha" de S. Paulo. Torrou uma velha piada. Censurou o humor. Até parece a legislação eleitoral brasileira. Veja, Falha e Estadinho querem ter o monopólio do insulto, da ironia e da censura. Será que o Brasil jamais terá jornais nacionais? Veja, Falha e Estadinho formam o novo eixo do bem. O bem deles tem cara de mal para a maioria. São mais xiitas, fundamentalistas e radicais do que o Irã, a Al-Qaeda e o Bin Laden. Estão em cruzada contra o comunismo que não existe mais e contra o Bolsa-Família, programa que cria nos mais pobres um vício terrível: comer. O Estadão botou luto na sua capa quando morreu um dos mais nojentos ditadores da América Latina, o asqueroso Augusto Pinochet. A Falha de S. Paulo, ao final da ditadura brasileira, precisou mudar de cara para apagar o seu comprometimento com o regime.

O jornalismo vive de mitologias divertidas. Roberto Marinho, pilar da ditadura, que o ajudou a edificar a Rede Globo passando por cima das leis, foi biografado por Pedro Bial como um verdadeiro e hábil resistente ao arbítrio verde-oliva. O Estadão adora posar de censurado pelos brutamontes de 1964, instalados nas redações armados de tesoura, publicando Camões e receitas de bolo no lugar dos textos ceifados. Valeria uma receita de bolo de fubá no lugar da Maria Rita. A liberdade de expressão é total na Veja, na Falha e no Estado: basta estar com Serra em defesa do bem universal contra o mal vermelho.

Juremir Machado da Silva | juremir@correiodopovo.com.br

Correio do Povo, 13 de outubro de 2010