DANCINHA

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Estado de sítio em plena praia de Itacaré

ITACARÉ:

Casal Sarkozy irrita brasileiros

Se a presença da comitiva do presidente francês, Nicolas Sarkozy, é um bom negócio para o resort da praia de Itacaré, no sul do estado brasileiro da Bahia, onde ocupa onze chalets a um preço por pessoa equivalente a quase mil euros ao dia, para alguns habitantes é um desastre. Pescadores, pequenos comerciantes que vivem da venda a turistas e guias e outros profissionais estão bastante irritados com o ilustre visitante, pois o fortíssimo esquema de segurança que o cerca tem impedido o seu trabalho.

Rosenilton Pinto Freitas, um dos poucos que se atreveu a protestar publicamente, é um bom exemplo do prejuízo que a estada do presidente francês, sua mulher, Carla Bruni, e restante comitiva têm causado. Pequeno pescador, o seu barco, tal como o de todos os colegas de profissão, foi proibido de navegar na área habitual. Uma fragata da Marinha brasileira ancorada frente à praia de Itacaré, onde os Sarkozy passam férias, não foi muito gentil ao mandá-los para bem longe.

Barcos com turistas, que costumavam fazer passeios bem perto do areal, também não podem aproximar-se, para garantir a privacidade do casal. Até os outros hóspedes do luxuoso resort tiveram os seus movimentos restringidos. Quando os Sarkozy correm, descansam na praia ou fazem um passeio, toda a área é cercada por seguranças franceses e polícias brasileiros, que impedem as pessoas de se aproximarem, até mesmo de tirarem fotografias ao famoso casal.

Por toda a região, a vida das pessoas foi afectada. Homens da Polícia Federal, da Polícia Militar, da Polícia Civil (Judiciária) e militares fortemente armados cercaram toda a cidade e praias vizinhas, dificultando e, em muitos casos, impedindo o acesso de quem reside na região ou a escolheu para passar férias.

Domingos G. Serrinha para Correio da Manhã

Um comentário:

  1. Nossa, mas sobraram tantas outras praias pra frequentar... e é só durante uns dias. Depois volta tudo ao normal.

    ResponderExcluir