DANCINHA

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Pequena Crônica da Pré-História do Aikido no RS



 

Tudo começou quando um amigo de Porto Alegre de origem francesa, Robert Charles Ponge, professor da UFRGS, foi cursar doutorado na USP, São Paulo.

Robert retornou de São Paulo em meados de 1988 com o grau de Doutor, ostentando uma flamante faixa amarela de Aikido, recebida em função de seus treinamentos nas dependências da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Para quem não sabe, a faixa amarela de Aikido no Brasil corresponde ao quinto kyu, que o praticante faz jus ao realizar com êxito o primeiro exame desde que inicia a prática.

Como não existia na época Aikido do Rio Grande do Sul, Robert convocou sua companheira, Nara, para servir de espécie de sparring. Os dois, porém, pareciam não estar muito contentes com esse arranjo.

Robert, então, me convidou para treinar com ele.

Nessa época eu estava na faixa dos 30 anos de idade e nunca tinha me passado pela cabeça praticar alguma arte marcial, pois possuía espírito pacifista e associava as artes marciais com violência (atualmente não sei mais se possuo espírito pacifista ou ele é que me possui). Obviamente não conhecia o Tradicional Aikido do Japão.

Não lembro bem porque, talvez por curiosidade, aceitei a oferta.

Robert me emprestou roupas adequadas, uns dois números maiores do que meu manequim na época, e realizamos dois ou três treinos rudimentares, em meados de outubro/novembro de 1988, em um Dojo localizado na Escola Superior de Educação Física, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Em um belo dia - noite no caso - ele informou que receberíamos a visita de um cidadão de origem japonesa que estava de mudança para Porto Alegre e praticava Aikido em São Paulo. Seríamos, então, três praticantes a partir do próximo ano, 1989. Nessas alturas, Nara já estava gradativamente deixando de participar dos treinamentos.

De fato, na outra semana apareceu um cidadão japonês, que já estava graduado com o Segundo Dan do Aikido, ou seja, era um "faixa preta".

Tratava-se de Roberto Maruyama, atualmente Sétimo Dan.

Treinamos um pouco nessa ocasião e então, pela primeira vez, tive contato com o verdadeiro espírito do Aikido, porque Robert e eu éramos quase que um cego conduzindo outro.

O Sr. Maruyama então voltou para São Paulo e avisou que retornaria definitivamente a Porto Alegre no início de 1989. Robert e eu ficamos de procurar outro local para treinar, pois na ESEF estávamos quase que na clandestinidade.

Em um belo dia estava eu caminhando no centro de Porto Alegre quando encontro um ex colega de caserna, do Regimento de Cavalaria localizado em Santa Rosa, nossa origem comum, onde servimos juntos por alguns meses.

Esse colega, Irone Dendena, casualmente era sócio proprietário de uma Academia na rua General Câmara, centro de Porto Alegre, a Academia Stylo. Essa Academia tinha aulas variadas, desde dança de salão, violão e box, até artes marciais de origem oriental.

Solicitei e ele gentilmente abriu um espaço para iniciarmos os treinamentos de Aikido, coincidindo com a vinda de Maruyama Sensei.

Inicialmente foram dois ou três horários semanais, bem no final das noites, porém já era alguma coisa.

 E foi mais ou menos assim que iniciou o Aikido no RS.

Após alguns meses, com crescimento meio que vegetativo do número de praticantes, uma noite se apresentou na Academia um grupo de pessoas oriundas de uma Sociedade Macrobiótica, algumas delas aparentando problemas de saúde (brincadeira), querendo treinar conosco. Foram, obviamente, muito bem recebidas.

Dentre esses estavam Vargas Sensei, atual responsável pelo Aikido no RS, e o saudoso Cesar Xavier.

Mas isso já deixa de ser pré-história.

Omar Rösler
Outono de 2015


Observação: peço desculpas aos nominados no texto, pois não solicitei permissão para citá-los. Caso alguém se sinta incomodado posso retirar o nome, sem problemas.


Informações sobre Aikido: www.aikido.com.br

3 comentários:

  1. Muito obrigado Sensei Omar, por dividir essa história com todos os praticantes( eu não conhecia)!

    Domo Arigato Gozaimashita!

    ResponderExcluir
  2. Plagiando o que o "grupo de pessoas oriundas de uma Sociedade Macrobiótica" devem saber, ou seja, o pensamento de Ohsawa Sensei que uma semente pode desenvolver 10.000 frutos, agradeço ao Roesler Sensei por ter suportado os treinamentos com o Ponge San, bem como, ter conversado com o Sr. Irone Dendena, pois isso possibilitou além do inicio efetivo do Aikido no RS, de forma indireta, a consolidação do Aikido no Estado do Paraná e atualmente seus 10 Dojos. Rodolfo Reolon

    ResponderExcluir
  3. Caro Amigo Rodolfo Reolon Sensei, obrigado pelas palavras. Parabéns pelo belo trabalho que está sendo realizado no Paraná. Foi muito bom ter reencontrado o amigo em Florianópolis! Grande Abraço!!!

    ResponderExcluir