DANCINHA

domingo, 3 de fevereiro de 2013

A VIDA DOS NOSSOS FILHOS

Fonte desta imagem AQUI.

Por Roberto Gonçalves de Lima*

Nós criamos nossos filhos com medo. Os ensinamos a viver a partir do medo. Medo de atravessar a rua e ser atropelado em cima da faixa de segurança, de se dirigir a um policial pedindo ajuda e acabar levando um tiro, de sofrer um acidente e não obter o socorro adequado do plano de saúde que pagamos religiosamente há vinte anos, de morrer asfixiado em uma boate superlotada para dar uma noite de lucro maior aos seus donos irresponsáveis.


Pais preocupados da classe média passam madrugadas levando e trazendo seus filhos de festas, casas de amigos, casas noturnas, com medo que sejam colhidos pela morte num acidente de trânsito, numa overdose, ou num assalto. Pais que não têm carro simplesmente não encontram alternativa outra que não seja vibrar com muita força todas as células do próprio corpo em orações infindáveis, até que ouçam o barulho da chave na porta de casa.

Mas por que estamos vivendo assim? Em nome de que?

O que a tragédia de Santa Maria mostra é a face mais podre, mas inexplicável do capitalismo, pois em função de algum lucro a mais, empreendedores de todos os tipos de negócio são capazes de menosprezar as mínimas condições de segurança, o que significa que são capazes de menosprezar a vida sem o menor pudor, desde que isso assegure mais dinheiro.

Quando deixamos de considerar o dinheiro como um meio de ganhar a vida, e passamos a considerar a vida um meio de ganhar dinheiro, sobretudo a vida dos outros, é que algo operou em nós uma inversão perversa que só pode levar, necessariamente, à implosão do sentido de sociedade, de civilização e de humanidade.

O que presenciamos diariamente é a busca desenfreada do lucro nos jogando em uma arena de feras desesperadas lutando pela sobrevivência, e é isso que chamamos hoje em dia de Cidade. Mas por que mesmo estamos fazendo isso?

A agenda do Capital, executada com disciplina pelos meios de comunicação, faz com que nós, os socialistas, passemos o tempo todo tentando justificar a necessidade de um Estado regulador e de mecanismos de controle social a partir dos possíveis resultados econômicos positivos que isso traria. Está errado, ao menos está manco, incompleto.

Deveríamos perder mais tempo mostrando para a sociedade que sua participação e fiscalização efetiva sobre os processos e instituições mais relevantes, como parte constitutiva de um Estado regulador, pode e deve ser o instrumento adequado para a valorização da vida, ou mais, pode e deve ser parte de uma estratégia maior para recuperar a vida como centro gerador de sentido, tanto nas ações do governo como do mercado, o que inclui os donos de boate, e que essa é a grande proposta da esquerda para esse planeta: trazer a vida para o centro organizador da vida.

Há uma agenda abandonada pela esquerda, que só pontua de quando em vez em grandes eventos como a Rio+20, ou quando uma tragédia traz à tona a necessidade de debater os parâmetros pelos quais orientamos nosso comportamento em sociedade.

Precisamos retomar essa agenda e mostrar que nunca haverá solução efetiva para tragédias como a de Santa Maria, enquanto a ganância e o lucro estiverem definindo e justificando os nossos padrões de comportamento, que não haverá perspectiva de deixarmos de criar nossos filhos pelo medo, enquanto o respeito à vida, não só a humana, não for o sentido definidor do Direito, da Política, da Economia, da Educação, da Arte e de tudo mais que produzimos para tornar melhor a vida dos nossos filhos.

*Roberto Gonçalves de Lima é dramaturgo e gestor cultural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário