DANCINHA

sábado, 28 de julho de 2012

Dinheiro por nada

Fonte dessa imagem AQUI.

Paul Krugman

Há anos, pessoas supostamente sérias vêm lançando alertas sombrios sobre as consequências de grandes deficit orçamentários - deficit que resultam primordialmente da crise econômica corrente. Em maio de 2009, Niall Ferguson, de Harvard, declarou que "o maremoto da emissão de dívidas" causaria disparada nas taxas de juros norte-americanas. Em março de 2011, Erskine Bowles, co-presidente da malfadada comissão do deficit criada pelo presidente Barack Obama, alertou que a menos que houvesse ação rápida contra o deficit, "os mercados nos devastarão", provavelmente em menos de dois anos. E assim por diante.

Bem, creio que ainda restem alguns meses no prazo de Bowles. Mas algo de estranho aconteceu no caminho para a crise fiscal que tantos previram: os custos de captação dos Estados Unidos caíram ao seu nível mais baixo na História. E isso não acontece só nos Estados Unidos. A esta altura, todos os países avançados capazes de captar recursos em moeda própria vêm obtendo empréstimos a custo muito baixo.

O fato de que os deficit não tenham produzido a alta prevista nas taxas de juros está nos dizendo algo de importante sobre a natureza de nossos problemas econômicos (e a sabedoria, ou falta de, daqueles que se apontaram como protetores de nossas virtudes fiscais). Antes que eu trate desse assunto, porém, vamos discutir os custos de captação baixíssimos - tão baixos que, em certos casos, os investidores na verdade estão pagando aos governos pelo depósito de seu dinheiro.

Em termos gerais, isso vem acontecendo com "títulos protegidos contra a inflação" - papéis cujo pagamento futuro está vinculado ao índice de preços ao consumidor, e portanto fazem com que o investidor não precise temer erosão de seu capital pela inflação. Mesmo com essa proteção, os investidores costumavam exigir pagamento substancialmente mais alto. Antes da crise, as notas de 10 anos norte-americanas protegidas por correção monetária pagavam cerca de 2% anuais de juros. Recentemente, porém, a taxa desses títulos vem sendo de 0,6% negativo. Os investidores estão dispostos a pagar mais por esses papéis do que o total corrigido pela inflação que virão a receber quando o governo liquidar o principal e os juros.

Ou seja, na prática os investidores estão oferecendo dinheiro de graça aos governos pelos próximos 10 anos; na realidade, estão dispostos a pagar uma taxa modesta aos governos para que protejam seu dinheiro.

As pessoas que têm interesse velado em promover o medo de uma crise fiscal fizeram diversas tentativas para explicar por que a crise não se concretizou. Uma das preferidas é a alegação de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) vem mantendo os juros artificialmente baixos ao adquirir títulos do governo. Mas essa teoria foi submetida a teste na metade do ano passado, quando o Fed suspendeu temporariamente suas compras de títulos públicos. Muita gente -incluindo Bill Gross, do grande fundo de investimento em títulos Pimco- previa uma disparada nos juros. Nada aconteceu.

Oh, e não prestem atenção aos alertas de que um dia desses nos transformaremos na Grécia. Países como a Grécia ou a Espanha estão sofrendo as consequências da decisão irresponsável de trocar suas moedas nacionais pelo euro, que os torna vulneráveis de uma maneira que não se aplica de modo algum aos Estados Unidos.

Assim, o que está acontecendo? A principal resposta é que isso é o que transcorre quando você passa por um "choque de redução de dívidas", quando todo mundo corre para tentar reduzir seu endividamento ao mesmo tempo. O uso domiciliar de crédito despencou, as empresas acumularam reservas de caixa porque não há motivo para expandir produção na ausência de vendas, e o resultado é que os investidores estão prontos mas não têm o que fazer com seu dinheiro. Por isso, estão comprando títulos do governo mesmo que os retornos sejam muito baixos, dada a falta de alternativas. Além disso, ao oferecer dinheiro por juros tão baixos, estão na prática implorando para que os governos emitam mais títulos de dívida.

E os governos deveriam atender a esses pedidos, em lugar de se sentirem obcecados quanto ao deficit em curto prazo.

Ressalva obrigatória: sim, temos um problema orçamentário de longo prazo, e deveríamos começar a resolvê-lo agora, principalmente pela contenção dos custos da saúde. Mas é uma loucura demitir professores e cancelar projetos de infraestrutura em um momento no qual os investidores estão oferecendo dinheiro a juro zero ou negativo.

Não é nem mesmo preciso oferecer o argumento keynesiano quanto à criação de empregos para perceber o fato. A única coisa necessária é perceber que, quando o dinheiro está barato, é um bom momento para investir. E tanto educação quanto infraestrutura representam investimento no futuro dos Estados Unidos; terminaremos por pagar um preço alto, e completamente desnecessário, pelos danos que estamos causando aos dois setores agora.

Isso posto, o argumento keynesiano também é fato. A experiência dos últimos anos - acima de tudo, o espetacular fracasso das políticas de austeridade na Europa - foi demonstração dramática do ponto básico de Keynes: em uma economia deprimida, cortar gastos causa ainda mais depressão.

Portanto, é hora de ignorar os supostos sábios que sequestraram o debate sobre política econômica e atribuem ao deficit o papel central na discussão. Eles estão errados sobre absolutamente tudo - e agora até mesmo os mercados financeiros nos dizem que deveríamos nos concentrar no crescimento e criação de empregos.
Tradução de Paulo Migliacci
 
Paul Krugman é prêmio Nobel de Economia (2008) e professor na Universidade Princeton (EUA). Um dos mais renomados economistas da atualidade, é autor ou editor de 20 livros e tem mais de 200 artigos científicos publicados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário