DANCINHA

sábado, 5 de novembro de 2011

Asteroide vai passar raspando pela Terra na terça-feira

Fonte da imagem AQUI.

Por Irene Klotz

(Reuters) - Um enorme asteroide passará na terça-feira bem perto da Terra, a uma distância inferior à da Lua, dando aos cientistas uma rara oportunidade de estudar esse tipo de corpo celeste sem precisar gastar tempo e dinheiro lançando sondas, segundo astrônomos.

O asteroide 2005 YU 55 chegará às 21h28 de terça-feira (hora de Brasília) a meros 323,5 mil quilômetros do nosso planeta, aproximadamente.

"É a primeira vez desde 1976 que um objeto desse tamanho passa tão perto da Terra. Isso nos dá uma grande e rara chance de estudar um objeto próximo da Terra como esse", disse o astrônomo Scott Fisher, da Fundação Nacional de Ciências dos EUA, durante conversa com jornalistas pela Internet na sexta-feira.

A rocha cósmica tem cerca de 400 metros de diâmetro, e sua órbita e posição são bem conhecidas, acrescentou o pesquisador Don Yeomans, do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena (Califórnia). Segundo ele, não há chance de colisão do asteroide com a Terra ou a Lua.

Milhares de astrônomos profissionais e amadores irão acompanhar com seus telescópios a passagem do YU 55, que será visível apenas no Hemisfério Norte. Mas ele estará apagado demais para ser visto a olho nu, e rápido demais para ser acompanhado pelo Telescópio Espacial Hubble.

Os cientistas suspeitam que há milênios o YU 55 esteja visitando a Terra, mas, devido à atração gravitacional dos planetas, que ocasionalmente altera sua rota, é impossível dizer com certeza há quanto tempo o asteroide percorre a sua órbita atual.

Modelos computacionais para os próximos cem anos indicam que não há risco de colisão com a Terra ou seu satélite nesse período, disse Yeomans.

Estudos anteriores mostram que o asteroide, mais preto que carvão, se enquadra entre os asteroides da classe C, possivelmente composto de materiais à base de carbono e algumas rochas de silicato.

Mais informações sobre sua composição e estrutura devem ser fornecidas por imagens de radares e estudos químicos da sua luz quando da passagem rente à Terra.

"Li que seremos capazes de ver detalhes até um tamanho de cerca de 15 pés (4,5 metros) na superfície do asteroide", disse Fisher.

A Nasa trabalha atualmente em uma missão para recolher em 2020 amostras de um asteroide conhecido como 1999 RQ36, e para enviar uma tripulação a outro asteroide em meados da próxima década.

O Japão também pretende lançar em 2018 uma missão para recolher amostras de um asteroide.

Nenhum comentário:

Postar um comentário