DANCINHA

sexta-feira, 30 de julho de 2010

(Extrema) Direita em Crise na Itália

Sarkozy and Berlusconi in bath tub:

Partido de Berlusconi implode, e Itália vive crise política

Por Philip Pullella

ROMA (Reuters) - A Itália acordou na sexta-feira mergulhada em uma crise política, depois do dramático rompimento do primeiro-ministro Silvio Berlusconi com o seu mais importante aliado de centro-direita, o que pode levar à realização de eleições antecipadas.

Numa tensa sequência de acontecimentos que atingiu seu auge na quinta-feira à noite, Berlusconi acusou Gianfranco Fini, o poderoso presidente da Câmara dos Deputados, de ser um traidor e conspirador, e de tentar provocar uma "morte lenta" do Povo da Liberdade (PDL), o partido de ambos.

Os dois políticos já vinham demonstrando uma aberta animosidade nos últimos meses, culminando com um duro documento da direção partidária censurando Fini por suas ações e declarações, e acusando-o de não mais representar os ideais do partido que ajudou a criar.

Berlusconi disse que o rompimento não afetará a estabilidade do seu governo, embora acredite-se que Fini controle os votos de mais de 50 parlamentares.

"Não há risco", disse o primeiro-ministro em entrevista coletiva na noite de quinta-feira. "Temos maioria."

Mas, dependendo do número de parlamentares que seguirem Fini na formação de uma nova bancada, Berlusconi pode perder maioria em uma das Casas do Parlamento, ou vê-la reduzida a uma margem perigosa.

A coalizão formada pelo PDL e o partido Liga Norte tinha, antes do racha, 344 deputados, incluindo 14 deputados de pequenos partidos, que decidem seus votos caso a caso. Para ter maioria, um governo precisa de 316 deputados.

Sem o apoio de Fini, Berlusconi pode se ver refém dos pequenos partidos e da Liga Norte, o que já causou a queda do seu primeiro governo, em 1994.

Mas a situação causada pela implosão do partido governista é inédita, e não há diretrizes constitucionais sobre o que deve acontecer agora. Vários analistas disseram na sexta-feira que Berlusconi estaria conformado com a convocação de eleições, por acreditar que o seu partido se sairá melhor sem Fini.

Berlusconi afirmou que caberá aos parlamentares decidirem se Fini deve ou não permanecer como presidente da Câmara.

Fini disse que não pretende renunciar à presidência da Câmara, que lhe dá enorme poder para definir a pauta parlamentar.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Desenhos gigantes em plantações de arroz


Em Inakadate, uma vila localizada no sul do Japão, cerca de 8000 pessoas juntam-se todos os anos para criar incríveis desenhos nas plantações locais de arroz.

Para atingirem esse feito, os agricultores fazem um planeamento minucioso da imagem que vão criar para que tudo fique perfeito.

Durante a execução do desenho são utilizadas várias espécies de arroz com diversas colorações para ilustrar os campos.

Veja as fotos AQUI e AQUI.

Quién alimenta al mundo


REBELIÓN

Presentamos tres fragmentos de uno de los más recientes documentos de investigación del Grupo ETC, con atisbos y cifras del universo de personas, colectivos, comunidades, grupos, que reivindican el cultivo de sus propios alimentos [en su sentido más vasto] en todo el mundo y que son muchos más de los que suponemos. Campo y ciudad. Cultivo, recolección, animales de corral, pastoreo, caza y pesca. Este retrato contradice a una industria alimentaria que presume tener las soluciones para el hambre en el mundo.

La cadena alimentaria industrial

El modelo agroindustrial habla de una “cadena” alimentaria, con Monsanto en un extremo y Wal-Mart en el otro: una cadena sucesiva de empresas agroindustriales, fabricantes de insumos (semillas, fertilizantes, pesticidas, maquinaria) vinculadas con intermediarios, procesadores de alimentos y comerciantes al menudeo.

El 96% de toda la investigación agrícola y sobre alimentos ocurre en los países industrializados y el 80% de esa investigación se ocupa del procesamiento y distribución de alimentos. En la segunda mitad del siglo pasado, la cadena alimentaria industrial se consolidó tanto que cada eslabón —de la semilla a la sopa— lo domina un puñado de multinacionales que trabaja con una lista de bienes de consumo cada vez más restringida y que tiene a la humanidad en peligro de desnutrición o sobrepeso.

La cadena alimentaria industrial se enfoca en menos de 100 variedades de cinco especies de ganado. Los fitomejoradores corporativos trabajan con 150 cultivos pero se enfocan en apenas una docena. De las 80.000 variedades comerciales de plantas que hay en el mercado, casi la mitad son de ornato. Lo que resta de nuestras mermadas reservas de peces viene de sólo 336 especies, que son dos terceras partes de las especies acuáticas que consumimos. Al perderse biodiversidad, el contenido nutricional de muchos de nuestros granos y hortalizas ha caído entre el 5 y el 40%, de modo que hoy tenemos que comer más calorías para obtener los mismos nutrientes que antes.

Ante el caos climático, la cadena alimentaria industrial nos impone un régimen de patentes que favorece la uniformidad por encima de la diversidad y refuerza un modelo tecnológico al que le cuesta más tiempo y dinero obtener una variedad diseñada en laboratorio que lograr cientos de variedades convencionales. En resumen, las empresas no saben quiénes padecen hambre, dónde se encuentran o qué necesitan.

El Banco Mundial y muchas agencias de desarrollo bilateral creen en la falacia de que el desarrollo agrícola puede escoger a voluntad qué eslabones de la cadena prefiere aprovechar. Esta visión es ingenua. La razón por la que empresas como Monsanto, DuPont y Syngenta (que controlan la mitad de la oferta comercial de semillas patentadas y más o menos el mismo porcentaje del mercado mundial de pesticidas) se concentran en engendrar cultivos como el maíz, la soya, el trigo y ahora el arroz es porque las grandes compañías procesadoras de alimentos, como Nestlé, Unilever, Kraft y ConAgra pueden manipular sus baratos carbohidratos como relleno (estos cuatro cultivos constituyen dos tercios del aporte calórico para los consumidores estadounidenses) y convertirlos en miles de productos alimentarios (y no alimentarios) que “dan volumen” a mercancías más caras. A su vez, las empresas procesadoras buscan, por todos lo medios posibles, cumplir las exigencias de las grandes empresas de comercio al menudeo, como Wal-Mart, Tesco, Carrefour y Metro, las cuales demandan productos baratos, uniformes y predecibles en sus estantes y no dudan un instante en intervenir en otros eslabones de la cadena alimentaria para dictar el modo en que deben producirse los alimentos (y elegir que agricultores serán aceptados)

Por medio de una cultura corporativa y mercados compartidos, algunos de los eslabones de la cadena alimentaria han desarrollado fuertes vínculos informales: por ejemplo, Syngenta mantiene una estrecha relación con Archer Daniels Midland; Monsanto con Cargill y DuPont con Bunge (1). El modelo industrial es una cadena cargada de grilletes. Comprar en alguno de los segmentos implica comprar en todos los segmentos del modelo.

El tejido campesino de producción de alimentos

Sin embargo el sistema alimentario dominante, durante la mayor parte de la historia y aún para la mayoría de la humanidad actual no es una cadena, es un complejo tejido de relaciones. Los alimentos se mueven en este tejido: los campesinos también son consumidores que intercambian entre sí; los consumidores urbanos también son cultivadores de alimentos propios que cultivan e intercambian sus productos; los campesinos también son, a menudo, pescadores, recolectores o sembradores de forrajes y sus tierras existen dentro de un ecosistema de múltiples funciones.

El 85% de los alimentos que se producen se consume en la misma región ecológica o por lo menos dentro de las fronteras nacionales. Y la mayor parte se cultiva fuera del alcance de la cadena de las multinacionales.
La mayor parte de esta comida se cultiva a partir de variedades campesinas, sin utilizar los fertilizantes químicos que promueve la cadena industrial. Los campesinos crían 40 especies de ganado y casi ocho mil variedades. Los campesinos crían cinco mil de los cultivos domesticados y han aportado más de 1,9 millones de variedades vegetales a las existencias genéticas del planeta. Los pescadores campesinos recogen y protegen más de 15.000 especies de agua dulce. El trabajo de campesinos y pastores en mantener la fertilidad del suelo tiene un valor 18 veces superior al valor de los fertilizantes sintéticos que proveen las siete corporaciones más grandes del mundo en el ramo.

Los campesinos no hacen consorcios, pero están organizados. Existen 1.500 millones de campesinos en 380 millones de fincas, ranchos, chacras, parcelas; 800 millones más cultivan en las ciudades; 410 millones recolectan la cosecha oculta de nuestros bosques y sabanas; hay 190 millones de pastores y bastante más de 100 millones de campesinos pescadores. Por lo menos 370 millones de ellos pertenecen a pueblos indígenas. Juntos, esos campesinos son casi la mitad de la población mundial y cultivan al menos el 70% de los alimentos del planeta. Mejor que nadie, ellos alimentan a quienes sufren hambre. En 2050, para alimentarnos, necesitamos de ellos y de toda su diversidad.

Gráfica 1

70%: Los campesinos alimentan al menos al 70% de la población mundial

50% Porcentaje mundial de los alimentos producidos por campesinos

30% Porcentaje mundial de los alimentos que provienen de la cadena alimentaria industrial

12,5% Porcentaje mundial de los alimentos que proviene de la caza y recolección

7,5% Porcentaje de los alimentos que producen campesinos habitantes de ciudades

Los productores de alimentos a pequeña escala son aquellos hombres y mujeres que cultivan y cosechan alimentos y también frutos de los árboles, lo mismo que ganado, pescado y muchos otros organismos acuáticos. Entre ellos se incluye a los pequeños propietarios campesinos, a los granjeros y ganaderos familiares, a los pastores sedentarios o nómadas, a los pescadores artesanales y a los campesinos y jornaleros sin tierra, a los jardineros y hortelanos, a los pobladores de bosques, a los campesinos indígenas, a los cazadores y recolectores, así como a todos los usufructuarios a pequeña escala de los recursos naturales para producir alimentos. —Michel Pimbert (2).

Campesinos: la cuenta en detalle

Mientras que los especialistas en estadística piensan en términos de una población de más o menos 1.500 millones de agricultores en pequeño (campesinos), la cifra más realista se aproxima al doble, si se considera plenamente a quienes cuidan hortalizas y crían animales en las urbes, a los pastores nómadas, a los pescadores y a la gente que cuida los bosques del mundo. Quienes tienen huertos en las ciudades con frecuencia se desplazan entre el campo y la ciudad y los pescadores también siembran. He aquí un cálculo diferente.

Agricultores

De los 450 millones de establecimientos agrícolas, 382 millones (85%) tienen una extensión de 2 hectáreas o menos y las estadísticas se refieren a sus poseedores como pequeños propietarios o campesinos (3). Casi 380 millones de estas fincas agrícolas están ubicadas en el Sur global, y al menos 1.500 millones de personas (cuatro por finca) viven en ellas (4). Es significativo que 370 millones (5) son campesinos indígenas en, por lo menos, 92 millones de pequeñas fincas o rancherías. En total, es probable que los campesinos posean bastante más de la mitad de las tierras de cultivo del mundo. De los 1.560 millones de hectáreas globales de tierras arables para cultivos estacionales o permanentes (muchos países clasifican como “campesinos” a quienes poseen 5 hectáreas o menos de tierra), los campesinos poseerían cerca de 764 millones de hectáreas y no menos de 225 millones de hectáreas estarían en manos de grandes agricultores (6). Los agricultores medianos estarían en posesión de 571 millones de hectáreas (con un promedio de 36,8 hectáreas cada uno) (7). Algunos investigadores incorporan las “fincas” campesinas con una extensión inferior a 0,1 hectáreas por persona. La inclusión de estos campesinos casi sin tierra a los cálculos de la productividad distorsiona fuertemente la productividad real de las unidades campesinas.

Pastores

Cerca de 640 millones de campesinos crían animales, más unos 190 millones de pastores nómadas crían ganado para su propio consumo y el de los mercados locales (8). Como los pastores están en continuo movimiento y de manera rutinaria atraviesan fronteras nacionales, rara vez se les incluye en los cálculos sobre la seguridad alimentaria.

Pescadores

Existen en el mundo entre 30 y 35 millones de pescadores, pero probablemente más de 100 millones de campesinos están involucrados en actividades pesqueras, en el procesamiento y en la distribución de un volumen que asciende a cerca de la mitad del pescado capturado en el mundo para el consumo humano directo (unos 30 millones de toneladas métricas) (9). Estas cifras, sin embargo, sólo hablan de la producción campesina para el mercado y no de las actividades de pesca y acuicultura realizadas por los pueblos indígenas, los campesinos rurales y urbanos fuera del mercado. En total, 2.900 millones de personas obtienen el 15% o más de sus proteínas de especies marinas o de agua dulce. En los países más pobres, el 18,5% de las proteínas son provistas por pescadores artesanales a pequeña escala o de autosubsistencia (10). A diferencia de la mayoría de las empresas industriales de pesca y de los barcos-fábrica que surcan los océanos en busca de especies para fabricar alimento animal, los pescadores artesanales se concentran sobre todo en pescado para el consumo humano.

Gente que cuida huertos urbanos

Antes de la actual crisis alimentaria, se estimaba que unos 800 millones de personas estaban involucradas en la agricultura urbana. De éstas, 200 millones producen alimentos primordialmente para los mercados locales y logran dar empleo permanente a cerca de 150 millones de miembros de sus familias. En promedio, las ciudades del mundo producen casi un tercio de su propio consumo alimentario (11). En tiempos de altos precios de los alimentos, las actividades de agricultura urbana y periurbana, así como de la cría de animales en traspatios, se incrementa significativamente.

Cazadores y recolectores

No es posible cuantificar la proporción del abasto alimentario proveniente de los bosques, las orillas de los caminos y carreteras y otras tierras “marginales”. Lo que sí sabemos es que al menos 410 millones de personas viven en (o junto a) zonas boscosas y de ellas obtienen muchos de sus alimentos y formas de vida. En total, 1.600 millones de personas obtienen una parte de sus alimentos y otros materiales necesarios para la vida de los bosques del mundo (12).

Notas:

(1) Ana de Ita, del Centro de Estudios para el Cambio en el Campo Mexicano (ceccam), se encuentra entre quienes señalan la necesidad de vigilar las relaciones entre los actores y sectores dominantes dentro de la cadena alimenticia corporativa.

(2) Michel Pimbert, Towards Food Sovereignty: Reclaiming Autonomous Food Systems, IIED, 2008.

(3) Joachim von Braun, International Food Policy Research Institute, “High and Rising Food Prices”, presentación ante la Agencia USAID, Washington, DC, 11 de abril de 2008. http://www.ifpri.org/presentations/20080411jvbfoodprices.pdf

(4) Ver van der Ploeg, Jan Douwe, The New Peasantries —Struggles for Autonomy and Sustainability in an Era of Empire and Globalisation, Earthscan, 2008. “En todo el mundo hay ahora cerca de 1 200 millones de campesinos (Ecologiste, 2004; Charvet, 2005). ‘Los hogares de pequeñas fincas constituyen casi dos quintas partes [1.300 millones de personas] de la humanidad’ (Weis, 2007:25). En 1996, el Informe sobre la Situación del Mundo en Relación con los Recursos Genéticos Vegetales de la FAO estimó que cerca de 1.400 millones de personas dependían de la conservación de sus semillas”. Ver Oxfam Briefing Paper 129, “Investing in Poor Farmers Pays”, (2009). Oxfam calcula que 1.700 millones de pobres viven en fincas pequeñas en países de ingresos bajos y medios y constituyen cerca de dos terceras partes de todos los agricultores en dichos países.

(5) IFAD, abril de 2009, “IFAD Policy on Engagement With Indigenous Peoples”, Borrador de Política para Aprobación, Consejo Ejecutivo, 97 Sesión, Roma, 14-15 de septiembre de 2009. EB 2009/97/R.3/Rev.1

(6) Esto no significa que los campesinos tengan más tierra en total. La concentración de la tierra es brutal y se requiere a nivel mundial de una reforma agraria profunda. Los 225 millones de hectáreas de los grandes agricultores están en muy pocas manos. Sería el caso también de los “agricultores medianos”.

(7) Extrapolación de datos de von Braun. Ver Uwe Hoering, Who Feeds the World?, mayo de 2008, Servicio para el Desarrollo Eclesial, Asociación de las Iglesias Protestantes en Alemania (EED)– Evangelischer Entwicklungsdienst, pp. 8-9; “…las fincas pequeñas representan un 80% de las tierras agrícolas. Trabajando en pequeños campos, en condiciones difíciles y con medios escasos, estas unidades pequeñas contribuyen con cerca de la mitad de la comida que alimenta al mundo…”.

(8) Helena Paul, Almuth Ernsting, Stella Semino, Susanne Gura y Antje Lorch, Agriculture and climate change: Real problems, false solutions, A Preliminary report by Econexus, Biofuelwatch, Grupo de Reflexion Rural y NOAH-Friends of the Earth Dinamarca, septiembre de 2009. www.econexus.info.

(9) Yumiko Kura et al., “Fishing for Answers: Making Sense of the Global Fish Crisis”, Washington, DC, World Resources Institute, 2004, p. 37.

(10) FAO, Borrador de “Biotechnology applications in fisheries and aquaculture in developing countries”. “La pesca y la acuacultura aportaron cerca de 110 millones de toneladas de pescado para fines alimentarios en 2006, proveyendo así a más de 2 900 millones de personas con al menos un 15% de su ingesta protéica individual”. “…en los países de más bajos ingresos y déficit alimentario… la contribución del pescado a la ingesta protéica animal por persona fue significativa (18,5%) y es probablemente mayor a la que indican las estadísticas oficiales, en virtud del subregistro de la contribución de la pesca y la acuacultura de muy pequeña escala y de autosubsistencia”.

(11) WorldWatch Institute, State of the World 2007-Our Urban Future, 2007

(12) 1.600 millones de personas dependen fuertemente de los bosques. Según el Banco Mundial, 60 millones de personas viven en los bosques tropicales y selvas de América Latina, el sudeste de Asia, y África occidental y, por supuesto, dependen de la conservación de los bosques para sobrevivir; 350 millones de personas viven en o cerca de densos bosques y dependen de ellos para su subsistencia o como fuente de ingresos y 1.200 millones de personas en los países subdesarrollados utilizan los árboles en sus casas para generar alimento e ingresos monetarios”.

www.ecoportal.net

La edición es responsabilidad de Biodiversidad. http://www.grain.org/biodiversidad/

El documento íntegro, traducido por Octavio Rosas Landa, puede consultarse en http://www.etcgroup.org

quarta-feira, 21 de julho de 2010

El nuevo rock and roll


Cultivar hortalizas, el nuevo rock and roll

RAFA RAMOS, La Vanguardia

La tribuna sur de Viacarage Road, el campo de fútbol del Watford, da sombra a centenares de pequeñas parcelas donde los habitantes de esta ciudad dormitorio de la capital cultivan sus propias frutas y hortalizas orgánicas. En tiempos de recesión –incluso algunos hablan ya de depresión- se vuelven a poner de moda los placeres más sencillos y baratos, y nada tan terrenal como la agricultura.

La muy inglesa tradición de que los urbanitas alquilen pequeños lotes de tierra se remonta a la época victoriana, como una estrategia paternalista de los aristócratas para mantener contentas y entretenidas a las clases trabajadoras, y alejarlas de los excesos del pub en la medida de lo posible. El propio término que se utiliza –allotment- implica algo otorgado desde arriba como un favor o beneficio de la magnánima autoridad.

"Los beneficios de cultivar aunque sólo sea un pequeño trozo de tierra no son tan sólo nutritivos o económicos, sino también culturales y psicológicos, una especie de alimento del alma de una manera primitiva y peculiar, típicamente británica", dice Ben Macintyre. Está demostrado históricamente que la demanda de este tipo de parcelas, que lo mismo se encuentran entre bloques de apartamentos que al lado de un aparcamiento o un campo de fútbol, aumenta en tiempos de crisis. Durante la segunda guerra mundial, haciendo caso a la recomendación de Winston Churchill de que el país tenía que ser lo más autosuficiente posible para hacer frente a la amenaza nazi, el número de lotes alcanzó el millón y medio.

Los rigores e incertidumbres de la recesión son poca cosa en comparación con los de la guerra, pero han resucitado el entusiasmo por el contacto íntimo con la tierra, el ritual de plantar las alcachofas y regar los tomates, la rutina de pasar por el huertecillo una vez al día -o a la semana- para arrancar las malas hierbas. "Da una sensación de autonomía y libertad, de que en el peor de los casos uno puede ingeniárselas para sobrevivir con sus propias frutas y verduras", explica Anne Millar, que paga menos de un euro a la semana por uno de los lotes de Vicarage Road, entre el estadio y el típico barrio inglés de modestas casas adosadas.

El dinero que cuesta el alquiler de las parcelas es meramente simbólico, lo difícil es conseguirlas, sobre cuando la demanda es grande como ahora (hay más de cien mil personas en lista de espera). El "National Trust" (una organización benéfica dedicada a la preservación de los espacios naturales y edificios de interés, que es el principal propietario privado de tierra en el Reino Unido), acaba de anunciar la constitución de mil nuevos lotes repartidos en cuarenta localidades Inglaterra, Gales e Irlanda del Norte. Los interesados se registran en una base de datos online que les informa cuáles son los terrenos más próximos a su lugar de residencia.

El millón y medio de parcelas que había después de la segunda guerra mundial fue disminuyendo durante las décadas siguientes de la mano del bienestar y la prosperidad, hasta quedar reducidas a las actuales trescientas mil. A finales de los noventa, cuando cultivar las propias verduras era visto como una excentricidad en pleno boom de los alimentos exóticos procedentes de cualquier lugar del mundo, doscientos mil lotes vacantes por los que nadie se interesaba ni aunque fuesen gratis fueron vendidos por los ayuntamientos, los Ferrocarriles Nacionales (British Rail) y la Iglesia de Inglaterra para la construcción de pisos subvencionados.

"Los hábitos e intereses de la gente están cambiando con la recesión –señala Fiona Reynolds, del "National Trust"-, la crisis del materialismo se traduce en un apego por la familia, la tierra y el cultivo de los propios alimentos, y no sólo para ahorrar dinero". Además de la creación de nuevas parcelas, la organización ha lanzado una campaña a fin de reclutar un "ejército de voluntarios" que ayuden al mantenimiento de sus jardines, visitados por catorce millones de personas al año.

Los allotments o parcelas están vallados, se miden en rods (una medida antigua que equivale a unos cinco metros y medio), y es común que tengan una caseta construida de macera barata en la que guardar el pico, la pala, las tijeras de podar, las semillas y los abonos. Aunque se trata de una institución muy vinculada al clasismo típico de la sociedad británica -los pequeños lotes del populacho lindando con la fabulosa finca del Señor local-, existen conceptos parecidos en Francia (los jardins familiaux), Dinamarca (kolonihave) o Alemania (schrebergarten). Albert Einstein alquiló a principios de los años veinte un jardincillo en Berlín-Spandau al que se refería como su "castillo", pero pronto se cansó y se dedicó a los números en vez de las lechugas.

Cultivar la tierra, aunque sea como hobby y de manera simbólica, se ha vuelto cool, un grito de individualismo en la vorágine de una crisis financiera que nadie parece capaz de controlar, ni los banqueros ni los políticos. "Es la expresión de valores más simples y puros –dice Matthew Wilson, que se dedica a la planificación de jardines-, del placer de regar el huerto en vez de salir a cenar a un restaurante de lujo. Es el nuevo rock and roll".

Oposição defende na campanha ações que antes criticava

Visite Hupper, o Sátiro:

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta terça-feira a oposição por defender no período eleitoral bandeiras que antes criticava, como a igualdade racial, de gênero e o combate à pobreza.

Lula disse que seu governo tem "um pensamento diferente" e uma forma distinta de agir, "enquanto tem gente neste país que não se contenta com os privilégios que tem e gostaria de impedir qualquer benefício real para os mais pobres".

Para ele, a oposição usou nos últimos anos como argumento a defesa da contenção dos gastos públicos para condenar as políticas do governo para a área social.

"Agora, às vésperas das eleições, ninguém mais contesta as prioridades antes criticadas. Nem sempre foi assim, e a sociedade enxerga essa distância entre o que se dizia antes e o que se declara agora", discursou o presidente durante solenidade de sanção do Estatuto da Igualdade Racial e do projeto de lei que cria a Universidade Federal de Integração Luso-Afro-Brasileira (Unilab).

Lula lembrou, por exemplo, que seu governo recebeu críticas e até "chegou a ser desdenhada pelos de sempre" quando decidiu criar um ministério para promover a igualdade racial no país.

"Em nome da economia de gastos públicos, o que se manifestava era... o preconceito do elitismo e da intolerância que ainda existia no nosso querido país."

(Reportagem de Fernando Exman)

terça-feira, 20 de julho de 2010

CORVOS


Os corvos olímpicos

Tem gente que não gosta do Brasil. “O problema do Brasil é que já foi descoberto por estrangeiros”, dizia um parlamentar da ditadura, pilhado pelo Febeapá do Stanislaw Ponte Preta. O avô de um coordenador da campanha do candidato tucano-demista, Juracy Magalhães, primeiro Ministro de Relações Exteriores da ditadura, disse: “O que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”. Collor gostava de denegrir a indústria brasileira, FHC de dizer que os brasileiros são “preguiçosos”.

No dia em que se decidia a sede das Olimpíadas de 2016, nenhum jornal brasileiro dava destaque ao tema, certamente já tinham seus editoriais prontos para alegar que o governo tinha gasto muito dinheiro para fazer dossiês, promover viagens e que não tinha sido parada para a Chicago de Obama ou para Madri ou Tóquio. No dia seguinte, tinham cadernos especiais dizendo que o Brasil tinha ganho – sem destaques para o desempenho do Lula – e que eram a favor desde o começo.

Tendo perdido essa parada, os corvos não cansam de abastecer os inimigos externos do Brasil sobre o Campeonato Mundial de Futebol de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Se somam cotidianamente à campanha das entidades internacionais, cujos burocratas tem a função de atazanar os países da periferia do sistema de que seriam incapazes de promover eventos globais como esses. Fizeram isso o tempo todo com a Grécia e as Olimpíadas ali foram um sucesso. Criaram um clima de que o Campeonato Mundial de Futebol na África do Sul seria um desastre e tudo correu muito bem. Agora se volta, como corvos, para o Brasil. Serão 4 ou 6 anos de atazanamento. Depois de nos livrar-nos das missões do FMI, agora teremos os burocratas da FIFA e do COI “controlando” as obras.

Contam com a imprensa quinta coluna brasileira e suas denúncias preventivas sobre má utilização dos recursos, corrupção, atrasos, elefantes brancos que seriam construídos e não utilizados e até mesmo sua repentina preocupação com a miséria brasileira, que deveria primeiro ser superada, para só depois podermos organizar atividades dessa importância. A Federação Inglesa de Futebol já afirmou que está disponível para organizar o Campeonato de 2014, caso confirmassem as previsões agoureiras dos corvos de plantão por aqui.

Incomoda aos corvos, a auto-estima brasileira, como incomodava a alegria dos africanos durante a Copa. Incomoda que um presidente nordestino, torcedor de futebol, tenha passado pra trás seu ídolo querido, o presidente dos EUA e sua elegante senhora, que chegaram no ultimo momento ao local da decisão das Olimpíadas, acreditando que com seu charme e sua prepotência, levariam para sua cidade os Jogos.

Perderam eles lá e os corvos aqui. Perderão nas eleições deste ano e o Brasil organizará, como disse Lula, os jogos mais inesquecíveis da história do esporte, com um povo alegre e solidário.

Emir Sader

Quanto vai custar o desastre de petróleo no Golfo do México?

Contraste: pássaro branco sobrevoa o mar poluído da costa:

A BP está gastando milhões na limpeza de águas e praias e em campanhas de marketing e concordou com a criação de um fundo de 20 bilhões de dólares para ressarcir prejuízos. Se a conta vai parar por aí, ninguém sabe.

Foi uma declaração delicada a que o presidente da BP América, Lamar McKay, deu em maio passado diante de uma comissão do Congresso dos Estados Unidos: "A BP pagará todos os trabalhos de limpeza que se mostrarem necessários. E iremos, também, honrar todos os pedidos de compensação legítimos."

Nem McKay nem ninguém sabe o quanto isso de fato vai custar. Mesmo que não flua mais uma gota de petróleo no mar do Golfo do México, a região já está contaminada e todas as tentativas de atenuar os impactos causados custarão caro.

Turismo e pesca

Cerca de 940 quilômetros de praia estão contaminados com petróleo na costa leste dos Estados Unidos e inúmeros parques nacionais estão ameaçados pela mancha negra.

O setor de turismo está em pânico. Balneários como Pensacola, na Flórida, estão veiculando anúncios em horário nobre da televisão para atrair os turistas. A mensagem: aqui ainda é agradável e bonito. O detalhe: grande parte da publicidade é paga pela BP.

E cerca de 35% das águas marítimas dos Estados Unidos continuam interditadas para a pesca. Muitos pescadores perderam seus empregos, alguns necessitam de amparo psicológico. As autoridades da Louisiana enviaram cartas à BP. Querem 10 milhões de dólares para o tratamento dos pescadores. A petroleira fala apenas que está tendo um "bom diálogo" com as autoridades. Até agora, não pagou nada a elas.

Vinte bilhões são suficientes?

A BP afirma já ter desembolsado mais de 3,5 bilhões de dólares. A soma inclui o que foi gasto nas tentativas de fechar o buraco, na limpeza das águas e praias e no ressarcimento da população.

Por pressão da Casa Branca, a petroleira britânica foi obrigada a concordar com a criação de um fundo de 20 bilhões de dólares para compensar prejuízos alheios. Soa como se fosse muito dinheiro, mas a BP esticou esse valor por um período de quatro anos. Especialistas vêem nesse fundo uma tentativa da empresa de obter uma melhor posição de barganha, com o intuito de evitar caros processos judiciais.

Se 20 bilhões de dólares serão suficientes, ou se o valor será ainda maior, ninguém sabe. O que todos sabem é o que o governo dos Estados Unidos exige: "A BP terá de pagar pelos danos por ela causados. Ela não terá de responder apenas pelos custos ambientais e trabalhos de limpeza. Ela também terá de ressarcir as pessoas", afirmou o presidente Barack Obama na sexta-feira passada.

Falência indesejada

Além do fundo para o ressarcimento de prejuízos, a BP está gastando com os trabalhos de limpeza e com uma milionária campanha de marketing nos Estados Unidos. A situação pode ficar ainda pior para a empresa se entrar em vigor uma nova lei, que permitiria ao governo dos Estados Unidos cobrar 27 dólares por litro de petróleo derramado no mar.

Mas, apesar de todo descrédito, de toda fúria e de todos os pedidos de reparos financeiros, uma coisa é certa: quase ninguém quer que a BP desembolse tanto dinheiro e que isso leve a sua falência. Se isso acontecesse, o fundo de ressarcimento estaria ameaçado.

E muitos temem, também, que a BP abandone o Golfo do México e vá extrair petróleo em outros continentes. Isso significaria o fim de muitos postos de trabalho nos estados do golfo. E os prejuízos com a mancha de óleo seriam ainda maiores.

Autor: Benjamin Hammer (as)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Deutsche Welle

segunda-feira, 19 de julho de 2010

DANIEL PAZ & RUDY



Página/12

DISTORÇÃO


Até o marxismo se encaixa perfeitamente nas tvs de alta definição - é só espichar um pouquinho.

Leia o artigo de Alvaro Magalhães/Giba Assis Brasil no Blog da Casa de Cinema.

União Europeia pede abertura da fronteira de Gaza


Israel deve fazer além de relaxar o bloqueio à Faixa de Gaza mas abrir as fronteiras do território palestino, disse neste domingo a ministra das Relações Exteriores da União Europeia, Catherine Ashton.

"A posição da União Europeia é muito clara: queremos as pessoas tenham liberdade de movimento e que tenham a liberdade de ver mercadorias não apenas entrando em Gaza, mas também sendo exportadas do território", disse ela em sua segunda visita em seis meses.

Ashton é a mais alta autoridade ocidental a visitar Gaza desde o início do bloqueio, em 2007, após o grupo Hamas ter assumido o controle do território.

"Esta será a posição que discutiremos com o governo israelense além de nos certificarmos de que estamos pressionando corretamente a comunidade internacional", completou.

Leia AQUI a íntegra.

FRASES


"Todo mundo sabe que o PT é ligado às Farc, ligado ao narcotráfico, ligado ao que há de pior. Não tenho dúvida nenhuma disso".

Deputado Indio da Costa (DEM-RJ, candidato a vice-presidente na chapa de José Serra (PSDB), sinalizando qual, para ele, deve ser o nível da Campanha Eleitoral.

sábado, 17 de julho de 2010

VATICANO DITA A MODA


Escândalo de pedofilia leva a primeira bispa luterana a renunciar

AFP

HAMBURGO — A alemã Maria Jepsen, de 65 anos, a primeira bispa luterana do mundo em 1992, anunciou nesta sexta-feira sua renúncia, em meio ao escândalo de pedofilia que abala diversas Igrejas.

Maria Jepsen, arcebispa de Hamburgo (norte), era criticada pela lentidão e brandura com que reagiu diante das acusações de agressões sexuais contra jovens de ambos os sexos e das quais seria culpado um pastor de Ahrensburg (Schleswig-Holstein, norte).

"Minha credibilidade está colocada em dúvida", declaró Jepsen en una coletiva de imprensa convocada em Hamburgo.

"Portanto, não estou em condições de propagar a Boa Palavra, como me comprometi diante de Deus e ante a paróquia durante minha ordenação e nomeação como bispa", acrescentou.

FRASES


"Que me acusem do que quiser. Deus me diz uma coisa e eu vou obedecer com todo rigor, mesmo que custe meu posto, e mesmo que me custe a vida, porque primeiro está o que Deus me diz".

Marta Covella, juíza de paz argentina da cidade de General Pico, juíza de paz afirmando que jamais realizará o casamento de casais homossexuais, um dia depois de o Senado aprovar uma lei que autoriza essas uniões.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

IGREJA CATÓLICA CAUSA CÂNCER EM CRIANÇAS


Especialistas italianos concluíram que existe uma “conexão significativa” entre a exposição à radiação emitida por transmissores da Rádio Vaticano e uma maior incidência de câncer entre crianças que moram próximo às antenas, nos arredores de Roma.

Após cinco anos de uma investigação ordenada pela Justiça, especialistas do mais prestigioso centro de pesquisas sobre câncer da Itália concluíram que uma alta incidência de tumores e de leucemia entre crianças de cidades e vilarejos próximos a Roma têm relação com a radiação eletromagnética emitida por 60 transmissores da rádio localizados na região.

A investigação confirmaria outros dois estudos realizados desde 2001 e que concluíram que os campos magnéticos no entorno dos transmissores da Rádio Vaticano seriam mais altos do que os limites permitidos e que haveria uma relação entre isso e a incidência de câncer.

Veja a íntegra na BBC.

terça-feira, 13 de julho de 2010

FRASES


“Há apenas um modo de um Poodle Micro Toy matar um Rottweiller: engasgado”.

Desembargador Tasso Caubi Delabary, a respeito de alegação em juízo de que Poodles teriam atacado um Rottweiller e este agiu em legítima defesa matando um e ferindo outro.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

QUEM ACERTARÁ, O POLVO OU O PERIQUITO?

Polvo oráculo prevê que Espanha vencerá Copa do Mundo:



Periquito de Cingapura prevê que Holanda vencerá Copa do Mundo:



BBC

A lei da selva


...
Os ruralistas são campeões do fato consumado. Primeiro, estrategicamente, desobedecem a lei. Depois, trabalham para que ela seja alterada. E ainda se queixam do MST e pedem segurança jurídica. Esse novo Código Florestal, defendido pelo relator do projeto, o parlamentar ruralista Aldo Rebelo, se aprovado, será um extraordinário retrocesso. Tem muito água para rolar antes de isso acontecer: aprovação pelo plenário da Câmara, Senado e sanção do presidente. Por enquanto, é uma manobra eleitoral, politicagem pura e assustadora. A legislação atual precisa ser melhorada? Certamente. A proposta aprovada pela tal Comissão Especial traz melhorias? Pouquíssimas. A malandragem é muito grande.
...

Artigo de Juremir Machado da Silva publicado no Correio do Povo em 09 de julho de 2010.
Leia o texto completo AQUI.

"Brasil poderá decidir este ano seu futuro na primeira metade do século"


Como diretor do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e secretário-executivo da ONG Clacso (Conselho Latino-americano de Ciências Sociais), sediado em Buenos Aires, o sociólogo Emir Sader esteve em Berlim a convite da Fundação Friedrich Ebert, participando de uma mesa-redonda sobre as eleições presidenciais no Brasil. Em entrevista à Deutsche Welle, Sader fez uma análise da campanha eleitoral e do governo Lula.

Leia AQUI.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Aumentam críticas à OMS por gestão da gripe suína


Em 11 de junho de 2009, a Organização Mundial de Saúde (OMS), sediada em Genebra, declarava a pandemia mundial de gripe A(H1N1), conhecida inicialmente como gripe suína.

"O mundo encontra-se diante do início de uma gripe pandêmica." Essas palavras, pronunciadas há um ano pela diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Margaret Chan, eram alarmistas. Ao mesmo, o nível de alerta foi elevado ao máximo (6) pela OMS, pela primeira vez nos últimos 41 anos.

Um ano depois do que poderia ter sido, segundo alguns especialistas, uma gripe ainda mais mortal do que a gripe espanhola de 1918, que causou 18.156 mortes em todo o mundo. Para comparar, a gripe sazonal provoca, em média, 250 mil a 500 mil mortes por ano.

Nas últimas semanas, a atuação da OMS vem sendo muito criticada. Uma enquete publicada pelo British Medical Journal revelou as relações entre certos membros da comissão de especialistas da OMS e a indústria farmacêutica. A Comissão de Saúde da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa publicou em junho um relatório, submetido ao plenário em 24 de junho, criticando a falta de transparência da OMS.

Na entrevista a seguir, a senadora suíça Liliane Maury Pasquier, membro da Comissão de Saúde do Conselho da Europa, fala sobre o assunto.

swissinfo.ch: Quando da apresentação se seu relatório, o relator Paul Flynn declarou que a pandemia "jamais ocorreu realmente." O que permitiu chegar a essa conclusão?

Liliane Maury Pasquier: Nós não afirmamos que a pandemia nunca existiu, mas que se a definição não tivesse sido modificada, não haveria declaração de pandemia. As definições precedentes incluíam sempre a noção de gravidade. Desde maio de 2009, depois do surgimento dos primeiros casos no México, a OMS modificou a definição, confundindo a noção de pandemia.

A OMS constesta e afirma que jamais modificou a definição de pandemia. Portanto, ao ler as respostas fornecidas, parece que não falamos a mesma língua. Tanto na definição de 1999 como na de 2005, essa noção de gravidade está presente.

Questionar as causas dessa mudança não é irrelevante, sabendo que é precisamente a elevação para o nível 6 que dispara o alerta pandêmico, ou seja, a mudança de prioridade na política de saúde pública da indústria farmacêutica para a produção de vacinas.

A dúvida também é alimentada pelo fato de que não se conhece a identidade dos membros do comitê de especialistas da OMS. Acrescenta-se ainda que a organização tinha conhecimento da gravidade relativa do vírus.

swissinfo.ch:
Poderíamos dizer que é precisamente graças às medidas preconizadas pela OMS e adotadas por muitos países que a pandemia pode ser evitada? E que um ano atrás havia dúvidas científicas?

L.M.P.: É evidente que os vírus gripais têm um forte potencial de mutação e devem ser alvo de muita vigilância. Mas também é evidente que as medidas tomadas pela OMS não tiveram papel nenhum nesse sentido.

Quando se examina as políticas adotadas por diversos governos, constata-se que alguns países fizeram uma campanha de vacinação em grande escala, enquanto outros tiveram uma taxa de vacinação muito baixa. No entanto, os resultados foram praticamente idênticos nos dois casos.

swissinfo.ch: A senhora acha necessário redefinir o princípio de precaução que justificou essas medidas excepcionais?

L.M.P.: Não se pode reagir da mesma maneira quando se trata de uma infecção grave ou não. Muitos especialistas defendem vacinar em grande escala e pronto. Mas muitos países não podem fazer isso, principalmente a logo prazo. Portanto, é preciso fixar prioridades.

Em termos de saúde pública, adotar esse tipo de estratégia significa investir somas importantes para lutar contra uma infecção precisa. Isso significa ainda que certos recursos não podem ser consagrados ao combate a outras doenças.

swissinfo.ch: Especialistas da OMS ligados à indústria farmacêutica, falta de transparência, medicamentos antivirais de origem duvidosa e efeitos secundários pouco conhecidos. Lendo o relatório do Conselho da Europa e a enquete do British Medical Jornal, têm-se a impressão que essa gripe foi sobretudo uma magnífica operação de marketing da indústria farmacêutica. Qual é a opinião da senhora?

L.M.P.: As respostas fornecidas pela OMS infelizmente não dissiparam essas dúvidas. Percebemos um reflexo de autoproteção e de medo de eventuais consequências ulteriores. Além disso, surgiram casos suspeitos de influência exercida dentro da OMS pela indústria farmacêutica já há vários anos.

swissinfo.ch: A senhora questiona o papel de certos especialistas "independentes" e sua influência sobre as decisões tomadas. Mas como melhorar essa situação sabendo que são os mesmos especialistas são contratados para desenvolver novos medicamentos?

L.M.P.: É evidente que se dispomos de competências, temos de utilizá-las. Mas é primordial conhecer a origem das opiniões emitidas. Se tal ou tal especialista está ligado à indústria farmacêutica, essa pessoa não pode ter qualquer poder de decisão. A transparência deve ser absoluta, o que não é o caso atualmente.

swissinfo.ch: Que margem de manobra os governos e as diferentes instituições sanitárias nacionais ainda têm nesse contexto?

L.M.P.: Certamente ainda têm. Aliás, todos os Estados não reagiram da mesma maneira. Veja o exemplo da Polônia. Ela se recusou a fechar contratos para a entrega da vacinas, alegando que os contratos estipulavam claramente que as vacinas seriam distribuídas sob a responsabilidade do governo e que, em caso de complicações, o governo deveria assumir as responsabilidades. Tratava-se, portanto, de um caso exemplar de privatização dos lucros enquanto os riscos incumbiam à coletividade.

swissinfo.ch: Agora é preciso restabelecer a confiança. Quais são as recomendações da comissão de saúde que a senhora preside?

L.M.P.: A OMS tem um papel importante. Para que essa instituição funcione melhor, é preciso que haja confiança. É por essa razão que considero necessário publicar a lista de membros dos grupos de especialistas, seus interesses e evitar que erros se repitam. Os Estados-membros também são responsáveis e podem certamente ditar condições, sem ameaçar um centavo de contribuição dada à organização, evidentemente.

Eu acho ainda que é necessário redefinir a noção de pandemia e prever planos de ação segundo a gravidade da situação. Ao nível dos Estados, é importante que o setor de pesquisa e de especialistas sejam realmente independentes. Mas, evidentemente, tudo isso tem um custo.

Daniele Mariani, swissinfo.ch
(Adaptação: Claudinê Gonçalves)

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Rejeição por produtores faz Bayer adiar planos de lançar arroz transgênico no Brasil


Empresa alemã, que vende no Brasil soja e milho geneticamente modificados, desiste temporariamente de obter licença para arroz transgênico. Brasileiros não querem ser os primeiros do mundo a oferecer esse tipo de grão.

A reunião da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), que debateu aprovações comerciais de novos produtos geneticamente modificados no mercado brasileiro em 23 de junho último, era para ter sido sem surpresas.

Mas não foi: a aprovação dada como "certa" do arroz LibertyLink (semente tolerante ao herbicida glufosinato de amônio), da Bayer, não chegou sequer a ser discutida pelos membros da comissão. Por iniciativa da própria empresa alemã, o processo foi retirado temporariamente da pauta de decisões técnicas.

A Bayer, que já comercializa no Brasil sementes transgênicas de algodão, milho e soja, divulgou uma nota no mesmo dia, justificando que é preciso ampliar o diálogo com os principais integrantes da cadeia de produção de arroz no Brasil.

"O objetivo do diálogo será tratar das medidas necessárias para trazer ao mercado a tecnologia LibertyLink para a cultura do arroz. Esta decisão está em linha com nossa abordagem responsável no lançamento de produtos e representa nosso compromisso com as necessidades dos nossos clientes", diz a nota.

Mas Marijane Lisboa, pesquisadora brasileira e participante de uma rede de cientistas que acompanha o debate de transgênicos na CTNBio, conhece os bastidores da discussão: "Os produtores de arroz do Rio Grande do Sul temem que o Brasil, sendo o primeiro país a plantar arroz transgênico em escala comercial, possa sofrer uma rejeição por parte de países que são, atualmente, importadores do arroz brasileiro, particularmente a União Europeia."

Diálogo com o mercado

Questionada pela Deutsche Welle se a essa decisão estaria ligada a possíveis prejuízos comerciais que os produtores sofreriam ao exportar o arroz transgênico, a Bayer respondeu que "ficou claro que é preciso mais tempo para que todas as partes da cadeia produtiva do arroz possam compreender os passos necessários para o potencial uso de biotecnologia também na produção de arroz".

O estado do Rio Grande do Sul é o maior produtor brasileiro do grão. Pouco antes da reunião da CNTBio de 23 de junho, o setor reafirmou por escrito sua posição, que já havia sido tomada numa audiência pública da CTNBio em Brasília no ano passado. Neste documento, disponível no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, fica clara a preocupação dos produtores de colocar em risco os mercados interno e externo e comprometer a rentabilidade.

O setor produtivo gaúcho se diz favorável ao uso de tecnologias no campo, mas ressalta que foram levados em consideração dois fatos principais para a oposição ao LibertyLink: ainda não existe consumo corrente para o arroz transgênico no mercado global e as exportações são vitais para a sustentabilidade econômica do setor produtivo nacional.

O documento diz ainda que os produtores nortearam a decisão após seguidas consultas a agentes de mercado que atuam nas exportações e importações, além do diálogo mantido com pesquisadores, estudiosos e técnicos. Ficou comprovado que a maioria dos importadores exige o certificado de arroz não transgênico.

Marijane Lisboa ressalta o ineditismo da situação: "Pela primeira vez, nós temos no Brasil setores comerciais importantes se manifestando contra. O que não aconteceu nem no caso da soja nem do caso do milho".

A pesquisadora diz ainda que a decisão contrária, no entanto, é ligada exclusivamente a fatores comerciais. "Nunca tivemos restrições de ordem ambiental, as preocupações não se dirigem a esse aspecto. Quem levanta as preocupações de ordem ambiental, de saúde etc. são os ministérios do Meio Ambiente e da Saúde, também o de Desenvolvimento Agrário. Já as decisões da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança se restringem apenas a questões genéticas."

Caso à parte

A Bayer informou que a semente LibertyLink já está aprovada na Austrália, nos Estados Unidos, na Rússia, no México, no Canadá e na Colômbia. "Mas, por sua própria decisão, a empresa não disponibilizou a tecnologia para o uso comercial em nenhum país porque busca a homologação do produto no maior número possível de países envolvidos com o comércio internacional do arroz."

Em abril último, a Justiça norte-americana decidiu que a Bayer terá que pagar 1,5 milhão de dólares a produtores do estado do Mississipi que tiveram as lavouras de arroz contaminadas pelas sementes geneticamente modificadas LibertyLink.

O arroz transgênico estava em teste nos Estados Unidos e os primeiros vestígios de que o grão teria infiltrado lavouras convencionais foram detectados em 2006. Os produtores alegaram perdas econômicas e processaram a Bayer, que em dezembro do ano passado já havia sido condenada a pagamento de multa numa primeira sentença. Há ainda outros três casos para serem julgados.

A direção alemã da empresa informou à Deutsche Welle que esse incidente não influenciou a retirada do processo junto à comissão brasileira que autoriza a comercialização, e que a Bayer sempre agiu com responsabilidade e de forma apropriada.

Mas o incidente norte-americano também ajudou os produtores do Brasil a tomar a decisão contrária à LiberyLink. Eles citam a retaliação da União Europeia e das Filipinas ao arroz dos EUA após a contaminação da produção com arroz transgênico.

"Mesmo assim, o produto foi exportado para um país da Europa, e por causa deste negócio os EUA perderam todo seu mercado, fato que provocou milhões de dólares de prejuízos nos mercados interno e externo. Prejuízo que os americanos tentam recuperar até os dias de hoje, gastando fortunas para controlar e garantir a produção livre de transgênico em todas as etapas do processo produtivo e industrial", diz o documento elaborado pelo presidente da Câmara Nacional do Arroz, Francisco Schardong.

Os brasileiros citam o alinhamento dos países do Mercosul, que também são exportadores e protegem a produção para que esta permaneça livre de transgênicos.

O mercado de arroz

A previsão para a safra brasileira de 2009/2010 é de 11,3 milhões de toneladas. O país deve ainda importar 950 mil toneladas e vender para o mercado externo 300 mil toneladas. Desde a criação do Mercosul, em 1991, os produtores brasileiros passaram a sofrer o impacto provocado pela importação de arroz dos países do bloco, que produzem menos, mas cujo produto chega mais barato ao mercado brasileiro.

Atualmente, a produção brasileira corresponde a apenas 1,8% da produção mundial – a China é a maior produtora do mundo, com a fatia de 29% do total, seguida pela Índia, com 21,5%.

Dois terços do arroz consumido na União Europeia são produzidos na própria região: Itália e Espanha são as maiores produtoras, seguidas por Bulgária, França, Grécia, Hungria e Portugal que, juntos, somam 2,5 milhões de toneladas anuais. O bloco importa principalmente da Tailândia, Índia e Paquistão.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

DEUTSCHE WELLE

sábado, 3 de julho de 2010

Substância do vinho previne doença ocular


O resveratrol - uma substância encontrada no vinho tinto, na uva e no amendoim - interrompe o crescimento de vasos sanguíneos nos olhos, segundo pesquisadores da Universidade Washington em Saint Louis. A descoberta poderá ter implicações na prevenção de doenças que ocasionam cegueira, como a retinopatia diabética e a degeneração macular na velhice.

SisSaúde

Cerimônias de Divórcio


Casais fazem celebrações pomposas para dar fim ao casamento

por Redação Made in Japan

Há cerca de um ano, um homem de negócios chamado Hiroki Terai montou, em uma pequena casa de Tóquio, um espaço para que as pessoas realizassem “cerimônias de divórcio”. Desde então, 25 casais disseram “eu aceito” para o fim do matrimônio, no local.

O intuito das cerimônias, que custam em média 55 mil ienes (equivalente a 1.072 reais), é marcar o fim de um período e o começo de uma nova jornada.

Familiares e amigos comparecem às cerimônias, repletas de atos simbólicos - como a quebra de uma aliança pelo casal, com um martelo. As celebrações, no entanto, são amigáveis, com direito a brindes e votos de felicidade.

Mais de 251 mil casais se separaram no Japão em 2008, um cenário associado à recessão econômica no arquipélago.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

FRASES


“Tudo o que posso dizer é: sinto muito. Me vejo como um simples pedófilo asqueroso que me aproveitei da situação e usei meu poder para abusar de jovens”.

John Sidney Denham, padre católico australiano, ao declarar-se culpado de assédio a crianças.

Leia mais AQUI.

FRASES


“Ontem (anteontem), foi apresentado nosso Índio para a vice-presidência, um homem jovem, preparado, com experiência, que vai crescer muito e ter muito responsabilidade (...) Tem uma namorada e, me disse por telefone, ‘não tenho amantes’. Eu até disse, também não precisa exagerar. O que tem que ser é uma coisa discreta.”

Candidato José Serra, para uma platéia de "ruralistas"

Comentário do Blog: Pelo menos a campanha de Serra não terá somente caciques, conforme já vinham comentando por aí.

FRASES


"De degrau em degrau, vamos descendo até o grunhido."

(Saramago sobre o Twitter)