segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Ganó Mujica y delira la rambla

Montevideo:

Al conocerse las proyecciones del triunfo del candidato del Frente Amplio (FA), millones de uruguayos salieron a las calles a festejar. Según las bocas de urna, Mujica obtenía el 51 por ciento de los votos contra un 44 por ciento de Lacalle.

Por Mercedes López San Miguel

Desde Montevideo, para Página/12

Una suerte de delirio rojo, blanco y azul cruzó por la capital uruguaya. En cada casa de Montevideo, con sus plazas, sus calles y sobre todo en su rambla había alegría. Por primera vez en la historia política de Uruguay llegó a la presidencia un veterano dirigente guerrillero. En una segunda vuelta que tuvo en vilo al país, el candidato del Frente Amplio (FA) José “Pepe” Mujica ganó anoche al derrotar a Luis Alberto “Cuqui” Lacalle, del Partido Nacional (Blanco). Según las proyecciones de todas las consultoras, Mujica obtenía el 51 por ciento de los votos mientras Lacalle recibía un 44 por ciento de los sufragios.

Bajo una lluvia que por momentos se hacía copiosa, la rambla se llenó de gente en los alrededores del hotel NH Columbia, convertido en el cuartel de los frenteamplistas. Apareció un Mujica emocionado, junto a su compañero de fórmula Danilo Astori y el presidente actual, Tabaré Vázquez. Primero habló Astori: “Sólo una palabra puede representar nuestro sentimiento hoy: ¡gracias!. No los vamos a defraudar”.

Cantitos: “Y ya lo ve, ya lo ve, es para el Cuqui que lo mira por TV”.

Siguió Astori. “Con esta formidable plataforma que fue el gobierno de Tabaré avanzaremos en un gobierno. Ahora los dejo con el presidente electo de la República del Uruguay.” Gritos y aplausos.

Desde el escenario, Mujica manifestó con su estilo directo el agradecimiento a los seguidores: “Compañeros, compañeros. Sabés una cosa pueblo, es el mundo al revés. En el estrado tendrías que estar vos y yo allá. Esta batalla la mantuvieron encendida ustedes. Recordemos que en una noche de alegría hay compatriotas que tienen tristeza. Ni vencidos ni vencedores, apenas elegimos un gobierno. Vaya mi reconocimiento a los hombres que representaron al Partido Nacional y Colorado” (silbidos).

Y siguió: “Si tú tienes alegría no ofendas a los otros que optaron distinto. Se los pide y se los ruega un viejo luchador que te precisa. Gracias Tabaré, porque hemos ganau por la obra de este gobierno, por la continuidad de este gobierno”.

Después habló sobre la región, un candidato cuyo discurso ha apuntado a la integración: “Los hermanos, los de América latina, los que representan las esperanzas frustradas, los hermanos argentinos, chilenos, venezolanos, todos nos han llamado para darnos un abrazo”. Y tocándose el pecho mostró un gesto conciliador. “Mi reconocimiento a Lacalle, a Larrañaga, mi reconocimiento y si mi lengua fue demasiado lejos pido perdón por la ofensa. Mañana andaremos juntos. Ya conversaremos tratando de lograr una unidad para el futuro.” Más silbidos.

Mujica, visiblemente conmovido, concluyó: “No es hora para discursos programáticos. Estás mojado, me estoy mojando. Viva la alegría, viva el compromiso. Recuerda, pasará el tiempo y es tiempo de compromiso. Lo permanente sos vos. El poder está en el corazón de las grandes masas, me costó una vida aprenderlo. Gracias y hasta siempre. Te quiero decir nos vamos a equivocar y no les vamos a dar la espalda a los problemas”.

El electo presidente no sólo obtuvo la mayoría parlamentaria el 25 de octubre, ayer su liderazgo fue legitimado con holgura al superar el 50 por ciento de los votos. Según la consultora Factum, Mujica obtenía el 51,7 por ciento de los sufragios y Lacalle el 44 por ciento. Para la consultora Equipos Mori el frenteamplista recibía el 51,9 por ciento y su rival el 44,4 por ciento de los votos.

“Soy del Pepe, del Frente yo soy”, gritaba un chico en la rambla con una bandera roja del MPP acompañado de un grupo de amigos. “¡Vamos el Frente, vamos!. Viva el Frente, Viva”, cantaron a coro.

Una mujer con su hija miraba con los ojos brillantes. A Elva Rama, de 56 años, le pasó en un instante su historia como una película en cámara rápida.

“A Mujica lo voté porque lo veo comprometido. En el ’75 viví en Argentina, yo militaba en la izquierda, en el Partido por la Victoria del Pueblo. Luego volví y estuve presa en Orletti. Me inventaron causas penales. Pasé años en prisión.”

Fuegos artificiales. Bocinazos. Nubes cargadas de agua sobre la ciudad.

En otra parte de Montevideo, en la sede de los blancos, el primero que habló de la oposición fue Jorge Larrañaga, compañero de fórmula de Lacalle. Fue escueto: “El país está dividido casi prácticamente en mitades. Como integrantes del Partido Nacional agradecemos a los compañeros en todo el país. Usó la frase de Perón: ‘Desensillar hasta que aclare’”. Minutos después apareció Lacalle con cara de funebrero ante sus seguidores. “Hoy han visto el retrato auténtico de la soberanía nacional. El presidente de la República, Tabaré Vázquez, nos ha llamado. El doctor al saludarnos ha robustecido su calidad de presidente, como lo será José Mujica a partir de marzo. Pesada carga para cualquiera de nosotros, tenemos que aceptarlo.” Pidió que se mejoren los problemas que a su parecer son la salud y la inseguridad, entre otros. “Esta es la novena elección que participo, las más veces sin éxito. También recibimos la caricia de la opinión pública.” Se bajó el telón blanco.

De mañana, en la feria ubicada entre la 18 de Julio y Tristán Narvaja comenzaba a percibirse en el ambiente que sería un día especial. Un linyera pasó cantando: “Vamo, Pepe, Pepe el Uruguay”. Sonaban bocinas, pasaban autos con banderitas del FA. Se veían algunos turistas comprando ajenos al clima electoral y la amenaza de lluvia.

Comida para perro, cachorros, flores, víboras, ¡sí, se vendían víboras pitón y californianas!, libros usados, patos, gallos, verduras, panes, discos de vinilo, conejos, stickers, licuadoras, espejos para baño. Exceptuando artesanías, se encontraba de todo. “Acá pasa algo, gana Mujica”, dijo Adolfo, que vendía yerbas y hierbas. Al lado de su puesto se vendían banderas del Frente Amplio a 50 pesos (10 pesos argentinos). A unos metros, Darío Cidán estaba acomodando los mates en el stand. “Voy a votar a Mujica porque me parece mejor que Lacalle. Tuvimos un gobierno excelente en el tema de la salud y los impuestos.”

Un señor mayor dijo bajito que ya votó. “Voté a Pepe. Soy de izquierda desde hace mil años.” Hugo Alonso, de 64 años, continuó: “Soy del Frente Amplio desde que se fundó, el 5 de febrero de 1971. Mujica tiene sensibilidad por los pobres, no pone por encima sus intereses personales, yo creo que va a hacer un buen gobierno. Y hay más posibilidades de acceder a él, uno va a patearle las canillas y el Pepe atiende.”

En eso el tránsito en la feria se aceleró, sobre todo porque el cielo estaba muy nublado y se podía oler la lluvia. Una señora pasó vestida con un suéter rojo, una remera blanca y un pantalón azul, porque se vistió para la ocasión. Claudia Palavecino dijo para empezar: “Los blancos no son blancos, son rosados, ¿sabés tú por qué? Porque están con los colorados. Ese, el hijo del dictador (en alusión a Pedro Bordaberry), no esperó ni un día para apoyar a Lacalle. Dicen en mi barrio, barrio Sur ‘a la canallada rosada dele de frente’” y se rió. Palavecino no olvidó su sur y al atender su celular dijo bromeando: “Hola, Pepe”. Dos muchachos que llevaban bolsas se mostraban animados. Uno de ellos tenía cubierta la espalda con la bandera tricolor. Marcelo León, de 35 años, dijo que junto a su hermano Wilson viajaron desde el interior del país, de Río Branco. “La izquierda piensa por el de abajo, quiere alimentar las cabecitas. Ya ganamos”. Se fue con una sonrisa esperanzada. Después vendrían el festejo y el diluvio.

mercelopez@pagina12.com.ar

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Igreja Católica escondeu abuso de menores na Irlanda


Um relatório divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério da Justiça da Irlanda acusa autoridades da Igreja Católica do país de acobertarem casos de abusos de crianças cometidos por sacerdotes entre os anos de 1975 e 2004.

O documento traz os resultados de investigações sobre como autoridades irlandesas e da Igreja lidaram com denúncias de abuso sexual contra 320 menores cometidas por 46 padres da arquidiocese de Dublin, 11 dos quais já foram condenados.

Nesta “amostra representativa” investigada, as denúncias de abusos contra meninos representam quase o dobro das denúncias cujas vítimas são meninas.

Segundo o relatório, ao lidar com estes casos, as autoridades eclesiásticas priorizaram a proteção da reputação da Igreja e não a proteção das vítimas.

“A preocupação principal da arquidiocese de Dublin ao lidar com os casos de abuso sexual de crianças, pelo menos até meados dos anos 1990, era a manutenção do segredo, a busca de se evitar o escândalo, a proteção da reputação da Igreja e de seus bens”, diz o documento.

Abusos

Para os autores da investigação, os líderes da arquidiocese estavam mais preocupados em evitar que os casos fossem a público do que em impedir que os responsáveis pelos crimes cometessem novos abusos.

Assim, no lugar de serem denunciados à polícia, os sacerdotes acusados costumavam ser transferidos de paróquias.

De acordo com o relatório, a arquidiocese “fez de tudo para evitar a aplicação da legislação” nestes casos. Além disso, quatro arcebispos, três dos quais já morreram, são acusados de não entregar informações sobre os suspeitos às autoridades.

O documento afirma ainda que as autoridades irlandesas facilitaram o acobertamento dos casos ao permitir que a Igreja operasse acima da lei.

Segundo os autores, foram registrados casos em que policiais reportaram denúncias de abusos contra padres às autoridades da Igreja no lugar de investigarem as acusações.

“Vergonha”

O ministro da Justiça da Irlanda, Dermot Ahern, cuja pasta foi responsável pelo relatório, afirmou que as informações contidas no documento são “um escândalo de grande escala” que mostram “que o bem-estar das crianças não valia nada”.

Ele prometeu levar à Justiça os responsáveis pelos abusos, não importando quando tempo tenha se passado desde os crimes.

Após a divulgação do relatório, o atual arcebispo de Dublin, Diarmuid Martin, afirmou que “nenhum pedido de desculpas seria suficiente” e afirmou sentir “vergonha e tristeza com o que ocorreu”.

A publicação do documento acontece seis meses depois da publicação do chamado relatório Ryan, que continha denúncias de abusos físicos e psicológicos contra quase duas mil pessoas em instituições católicas na Irlanda.

BBC

Cemitério tinha túmulos ''suspeitos''


O deputado federal Paulo Maluf ordenou, quando era prefeito da capital paulista, a construção do cemitério de Perus. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o local tinha quadras específicas para receber corpos de "terroristas". Documentos entregues à Justiça apontam que o projeto original do cemitério previa um crematório. A prefeitura teria desistido após a empresa contratada ter estranhado não haver previsão de local para orações.

Segundo as ações do MPF, o governo municipal chegou a fazer sugestões para mudar a legislação e dispensar a autorização da família para cremações, o que possibilitaria que indigentes fossem cremados.

As denúncias salientam a participação de agentes do Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Deops), órgão estadual de repressão que teve como chefe o senador Romeu Tuma. Segundo o MPF, documentos comprovam interrogatórios "sob tortura" na instituição e demonstram que Tuma tinha conhecimento das várias mortes ocorridas sob a tutela de policiais do Deops, mas não as comunicou aos familiares dos mortos. "Depois de 39 anos, abordar de forma leviana um assunto dessa natureza é, no mínimo, uma acusação ridícula", disse Maluf, em nota. A assessoria de Tuma disse que o senador ainda não recebeu informações sobre a denúncia.

Correio do Povo

SEXO EXPLÍCITO NA ASSEMBLÉIA DO RS *


A falência política e moral do Rio Grande do Sul

Este texto é dedicado ao senador Pedro Simon.

O espetáculo deprimente e constrangedor exibido hoje na Assembléia Legislativa, por ocasião da “sabatina” ao deputado Marco Peixoto (PP), indicado para assumir uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado, é mais um capítulo da novela que escancara a falência moral que assola o Rio Grande do Sul. Flagrado em conversas suspeitíssimas, nas investigações que apuram o desvio de milhões de reais dos cofres públicos, Peixoto foi para a sabatina com a certeza da impunidade. Certeza esta assegurada pela cumplicidade de seus colegas da base do governo Yeda Crusius (PSDB).

A indicação de Peixoto foi aprovada por 9 votos a 2. Votaram a favor os seguintes deputados:

Alexandre Postal (PMDB), Sandro Boka (PMDB), Adroaldo Loureiro (PDT), Silvana Covatti (PP), Pedro Pereira (PSDB), Pedro Westphalen (PP), Kalil Sehbe (PDT), Jorge Gobbi (PSDB) e Iradir Pietrosky (PTB).

Votaram contra os deputados Daniel Bordignon e Adão Villaverde, do PT.

Possivelmente, na noite desta quinta, o deputado Marco Peixoto e seus pares estejam festejando o grande feito. Foi um grande feito afinal. O deputado foi aprovado na sabatina mesmo sem saber responder perguntas relativas ao seu futuro trabalho no TCE. Foi aprovado também sem explicar aos seus colegas o significado de algumas enigmáticas expressões que empregou nas conversas com acusados de envolvimento na fraude do Detran.

Quem é o campeão, deputado? Silêncio.

Qual foi o livro que o sr. ganhou? Silêncio

E os cadernos? Qual foi o destino deles? Silêncio.

O silêncio eloqüente do futuro conselheiro anda de mãos dadas com o desprezo a alguns de seus deveres centrais como representante do povo. Como o dever da transparência, para citar apenas um. Mas o deputado Peixoto e seus pares, obviamente, não estão preocupados com isso. Afinal muito pouca gente acompanhou ao vivo o que ocorreu hoje na Assembléia. Talvez fosse outro o comportamento se os meios de comunicação de maior audiência no Estado transmitissem a sabatina ao vivo por rádio e TV. Mas isso, aparentemente, não é de interesse público.

E assim vamos. Mais uma façanha que serve de modelo a toda terra e que será devidamente diluída no caldo de esquecimento e relativismo moral que fincou raízes na Província de São Pedro.

O deputado Peixoto, é importante dizer, é apenas um medíocre coadjuvante nesta novela. Só faz o que faz porque conta com o apoio, a cumplicidade e a omissão das chamadas elites econômicas deste Estado. Nas últimas semanas, foram divulgados números sobre a decadência econômica do RS. Ouvidos, dirigentes de entidades como a Farsul e a Fiergs falaram sobre isso como se não tivessem nenhuma responsabilidade sobre a situação. No caso da Farsul, foi ainda mais grotesco. O eterno presidente da entidade (ditador, diriam alguns em outro cenário), Carlos Sperotto reagiu indignado a alguns números da Embrapa, dando conta de problemas no campo gaúcho. Contou com o apoio também indignado do jornalista que o entrevistava, Lasier Martins, segundo quem os números tinham mexido com os brios gaúchos. Pelo andar da carruagem, a única coisa que não mexe com os brios dessa brava gente é a falta de vergonha na cara.

Copiado do RS URGENTE.

* Deputados fodendo com a paciência das gaúchas e gaúchos.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

EUA podem ficar isolados com decisão sobre Honduras


Por Natuza Nery e Raymond Colitt

BRASÍLIA (Reuters) - Os Estados Unidos correm o risco de ficar isolados politicamente se realmente reconhecerem a legitimidade das eleições em Honduras do próximo domingo, disse à Reuters o assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República.

Marco Aurélio Garcia afirmou que um contingente expressivo de nações latino-americanas ficariam contra esse eventual posicionamento de Washington. A declaração segue a lógica do que disse o presidente deposto em 28 de junho, Manuel Zelaya, para quem o apoio dos EUA ao resultado das urnas dividiria as Américas.

"Acho que os Estados Unidos se isolarão e consideramos que isso é muito ruim para os Estados Unidos e sua relação com a América Latina", previu.

"Países muito importantes --a maior parte em termos de população e peso político-- não vão reconhecer (o resultado)."

A arena para a divisão poderia ser a própria Organização dos Estados Americanos (OEA).

"Acho que a OEA vai colocar isso (na pauta) e já ouvi de alguns setores, países membros, que Honduras pode ser excluída (do órgão)", revelou.

Garcia havia afirmado na véspera que a política do presidente Barack Obama para a região, após quase um ano de expectativas elevadas, possuía um "certo sabor de decepção" e "frustração".

Segundo ele, suas palavras não tiveram intenção de "fustigar" o país "amigo".

Nesta tarde, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, negou tensão entre as duas nações e considerou "normal" haver diferenças.

A América Latina não esconde seu ressentimento com o papel desempenhado pela Casa Branca durante os anos da Guerra Fria, em que patrocinou por vezes a instalação de regimes militares em detrimento da democracia.

"Essa eleição tem as impressões digitais de um golpe de Estado", sustentou Garcia.

"Se aceitarmos, estamos encorajando outros países a adotar a mesma solução."

DIÁLOGO

Apesar dos sinais de animosidade, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva "não tem uma estratégia de enfrentamento com os Estados Unidos".

Para mostrar que eventuais posições conflitantes passam longe de uma crise bilateral, Marco Aurélio Garcia relatou a "fluida" conversa telefônica que teve nesta quarta com o assessor da Casa Branca para Segurança Nacional, Jim Jones, a quem manifestou "suas preocupações" sobre Honduras.

O general Jones, principal assessor de Obama no assunto, teria "se "comprometido" a reportar o conteúdo da conversa "a seus colegas".

Garcia rebateu com ênfase críticas à política externa de Lula e endereçou sua insatisfação a Peter Hakim, presidente do Inter-American Dialogue, que acusou o país de "posar de rebelde" e adotar um postura de não-alinhamento a Washington.

Enquanto se espera as eleições de 29 novembro, Manuel Zelaya continua hospedado na embaixada brasileira em Tegucigalpa. Ele pediu abrigo no último setembro, após retornar secretamente a Honduras, e jogou o Brasil no centro da crise institucional de seu país.

Compre JÁ!


Jornal JÁ, edição extra de novembro/2009, pode ser adquirido nos seguintes endereços, em Porto Alegre:

CENTRO
Banca do Julio – Mercado Público
Banca do Leandro – Largo Glênio Peres
Banca das Apostilas – Borges de Medeiros c/ Sete de Setembro
Banca do Clovão – Borges de Medeiros, 915, c/ Fernando Machado
Banca do Paulo – Andrade Neves c/ Borges de Medeiros
Banca da Alfândega – Praça da Alfândega, Andradas c/ Caldas Jr.
Miscelânia Sáskia – Fernando Machado, 806 (ao lado de um supermercado)

BOM FIM/SANTANA
Palavraria – Vasco da Gama, 165 (tele-pedido pelo 3268 4260)
Tabacaria Braz – Venâncio Aires, 1137, em frente ao HPS
Banca Folhetim – Jacinto Gomes c/ Venâncio Aires
Locadora Mondo Vídeo – Jerônimo de Ornellas, 531, c/ Santa Therezinha
Mercado Zerbes – Jacinto Gomes, 463

INDEPENDÊNCIA
Av Independência, em frente a 375, perto do Colégio Rosário

MOINHOS DE VENTO
Revista & Chocolate – Padre Chagas, 330

Telefone da Editora JÁ: (51) 3330 7272

visite DIÁRIO GAUCHE

DIMENSÕES


FHC estrela documentário comemorativo

Uma semana depois de o presidente do PT, Ricardo Berzoini, sugerir que o PSDB fizesse um filme sobre Fernando Henrique Cardoso em vez de reclamar do longa-metragem "Lula, o Filho do Brasil", FHC foi a estrela do DVD "Retrato de Grupo", de Henri Arraes Gervaiseau, sobre a geração de intelectuais que criou o Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). As imagens foram exibidas em São Paulo nos 40 anos do Cebrap.

Correio do Povo

NOTA DO BLOG: Provavelmente o "Retrato de Grupo" será assistido por milhões de intelectuais.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Reduzir consumo de carne melhora saúde das pessoas e do planeta



Por Kate Kelland

LONDRES (Reuters Life!) - Reduzir o consumo e a produção de carne em 30 por cento ajudaria a reduzir as emissões de carbono na atmosfera e a melhorar a saúde das pessoas, afirmaram cientistas na quarta-feira.

Pesquisadores britânicos e australianos descobriram que melhorar a eficiência, aumentar a captura de carbono e reduzir a dependência de combustíveis fósseis na agricultura não será suficiente para cumprir as metas de redução na emissão de CO2.

Mas combinar essas medidas com uma redução de 30 por cento no rebanho dos principais países produtores de carne e um corte similar no consumo de carne levaria a "benefícios substanciais à saúde da população" e à diminuição das emissões de gases-estufa, afirmaram.

O estudo descobriu que na Grã-Bretanha um consumo 30 por cento menor de gordura saturada de fonte animal por adultos reduziria o número de mortes prematuras decorrentes de doença cardíaca em cerca de 17 por cento - o equivalente a 18 mil mortes prematuras evitadas em um ano.

Em São Paulo, isso significaria até mil mortes prematuras evitadas em um ano.

De acordo com a agência das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, 18 por cento de todas as emissões de gases-estufa são oriundas da produção de carne e os especialistas afirmam que a demanda crescente pelo produto, principalmente nos países com economias em ascensão, poderia elevar o rebanho mundial em 85 por cento até 2030.

Os cientistas afirmam que é necessária uma ação global para maximizar os benefícios das reduções na produção e no consumo de carne e que as vantagens ambientais "podem se aplicar apenas nos países que atualmente têm altos níveis de produção".

O estudo foi publicado na revista médica The Lancet como parte de uma série sobre mudanças climáticas e saúde às vésperas da conferência sobre o clima em Copenhague, marcada para o mês que vem.

Em um segundo estudo, cientistas britânicos descobriram que andar mais a pé e de bicicleta, e a existência de menos carros, teria um impacto muito maior sobre a saúde do que veículos de baixa emissão nos países ricos e de renda mediana.

Andrew Haines, diretor da London School of Hygiene and Tropical Medicine, disse que os delegados em Copenhague precisavam "compreender os impactos potenciais dos seus planos sobre a saúde".

NOTA DO BLOG: Ao diminuir o consumo de carne de gado, colateralmente você estará colaborando para a diminuição de um predador que é uma verdadeira praga, o "gigolô de vacas".

ALTO NIVEL DE PICARETAGEM

Mudanças climáticas: Ajuda prometida a países pobres 'não foi paga'


Oito anos depois do compromisso assumido pelas nações industrializadas de transferir mais de 1 bilhão de dólares aos países pobres para que pudessem lidar com as consequências das mudanças climáticas, é impossível saber quanto do dinheiro já foi realmente pago, segundo uma investigação conduzida pela BBC.

Na Declaração de Bonn, de 2001, um grupo de 20 países desenvolvidos – os então membros da União Europeia, o Canadá, a Nova Zelândia, a Noruega e a Suíça - concordou em dar US$ 410 milhões por ano para as nações em desenvolvimento até 2008 – um total de US$ 1,6 bilhões. Para isso, foram criados fundos especiais na Organização das Nações Unidas (ONU).

A investigação do Serviço Mundial da BBC indica, no entanto, que não é possível confirmar se o dinheiro prometido foi realmente pago. Segundo os resultados, apenas US$ 260 milhões foram depositados nos fundos da ONU criados especialmente para esse fim.

“Houve promessas que não se materializaram. Há uma questão de confiança”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon em entrevista à BBC.

Compromisso

Os governos que assinaram a Declaração de Bonn garantem que nunca tiveram a intenção de depositar todo o dinheiro nos fundos da ONU e alegam que o acordo previa que o dinheiro poderia ser gasto em acordos “bilaterais e multilaterais”.

Artur Runge-Metzger, o principal negociador da União Europeia para as mudanças climáticas, defende que o bloco cumpriu o compromisso previsto no acordo.

“Podemos dizer que cumprimos a promessa. O financiamento para as mudanças climáticas aumentou consideravelmente”, disse.

Apesar disso, Runge-Metzger admite que não pode fornecer dados que comprovem o pagamento do montante através desses meios bilaterais e multilaterais contemplados na Declaração.

“As vezes é muito difícil estabelecer que parte foi usada para financiar a luta contra as mudanças climáticas”, disse o negociador.

Richard Myungi, representante dos países em desenvolvimento nas negociações sobre as mudanças climáticas disse à BBC que os representantes se sentem “frustrados e traídos”.

Boni Biagini, responsável pelos fundos da ONU, também acredita que mais dinheiro deveria ter sido depositado.

“Esses números não batem com os US$ 410 milhões por ano. Se tivesse, nós estaríamos lidando com bilhões de dólares agora”, afirmou.

Confusão

Marc Pallemaerts, responsávela pela redação da Declaração de Bonn de 2001, quando era chefe de gabinete para a Presidência belga do bloco, admite que alguns países em desenvolvimento podem ter sido levados a acreditar que o dinheiro prometido seria apenas depositado nos fundos da ONU.

“Alguns países podem ter sido realmente enganados, enquanto outros sabiam que a ambiguidade era deliberada”, afirmou.

A Declaração de Bonn está envolvida em confusão e levou a uma falta de confiança entre países desenvolvidos e em desenvolvimento.

O secretário-geral da ONU disse que, ao contrário do que foi feito em Bonn, qualquer acordo de financiamento que venha a ser assinado na próxima Conferência sobre Mudanças Climáticas, em Copenhague, em dezembro, deve ser claro.

“Todo esse acordo e negociação devem ser baseados em confiança”, disse Ban.

Segundo ele, qualquer novo acordo deve ser “verificável, notificável e capaz de ser medido”.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Comedia de errores del ejército británico en Irak


Suena estremecedor, propio de aficionados, además de peligroso: durante los preparativos para la guerra de Irak y en la lucha de los soldados británicos contra el régimen de Saddam Hussein se sucedió una increíble serie de errores y contratiempos. Los aparatos de radio quedaban inutilizados por el calor, se carecía de equipamiento adecuado y de munición y para colmo se envió un container con esquíes al desierto abrasador. Al menos así lo detallan cientos de documentos confidenciales a los que tuvo acceso el diario conservador británico Daily Telegraph. Según los documentos, el entonces gobierno del premier laborista Tony Blair no tenía en claro cuáles serían los próximos pasos tras la caída de Hussein.

Importantes oficiales británicos sentían que recibían poca información de sus aliados norteamericanos, los catalogaban como “marcianos” con los que era imposible dialogar y al mismo tiempo intentaban eludir las órdenes de superiores del ejército de EE.UU. La información se basa supuestamente en informes de militares de los ministerios de Exteriores y Defensa.

A partir de hoy, una comisión multipartidaria interrogará a testigos sobre el papel que el Reino Unido tuvo en el controvertido conflicto bélico del año 2003. En la intervención, que duró seis años, murieron 179 soldados británicos.

Crítica de la Argentina

PSDB vai ''esconder'' FHC na eleição de 2010


A cúpula do PSDB nacional vai "esconder" o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na campanha presidencial de 2010. Assim como ocorreu na última eleição municipal, em que candidatos tucanos como o prefeito de Curitiba, Beto Richa, dispensaram a participação de FHC no programa eleitoral de televisão, dirigentes do PSDB e do Dem dizem que ele não é candidato e que o PT não vai transformá-lo em personagem nesta eleição.

Correio do Povo

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Avaliação positiva do governo Lula sobe em novembro

OLHO SEMI-ARREGALADO DE TUCANO:

BRASÍLIA (Reuters) - A avaliação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu em novembro como reflexo do desempenho econômico do país, avalia pesquisa Sensus encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgada nesta segunda-feira.

O desempenho positivo do governo cresceu para 70 por cento em novembro, ante 65,4 por cento em setembro, enquanto a avaliação negativa passou para 6,2 por cento, em comparação com os 7,2 por cento anteriores.

"Mais uma vez, a economia foi o carro-chefe", disse a jornalistas Clesio Andrade, presidente da CNT, citando aumento da renda e da geração de empregos.

Para 22,7 por cento dos entrevistados, o governo é regular, ante 26,6 por cento da sondagem anterior.

Apesar de ter sido realizada após o apagão da noite de 10 de novembro, o instituto Sensus não incluiu esta pergunta na sondagem.

Um total de 73,4 por cento dos entrevistados se mostra otimista com o ano de 2010, apostando que será melhor do que este --mais de dez pontos percentuais acima do índice de dezembro de 2008, quando atingiu 65,4 por cento.

A pesquisa CNT/Sensus foi realizada entre os dias 16 e 20 de novembro com 2.000 entrevistados em 136 municípios. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

(Reportagem de Natuza Nery; Edição de Carmen Munari e Denise Luna)

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

DEUS TEM DUAS MÃOS


La segunda mano de Dios

Por Eduardo Febbro

Desde París, para Página/12

Diego Maradona ha dejado de estar solo. Otro hombre lo acompaña en ese Olimpo de los Dioses que, alguna vez, empujaron el destino del fútbol con las manos. Thierry Henry, el delantero del Barça y de la selección francesa de fútbol, le abrió a Francia el inmerecido acceso a la fase final de la Copa del Mundo 2010 con la ayuda de sus Dos Manos. En la línea del arco, cuando Francia perdía 1-0 ante Irlanda, Henry controló la pelota con las dos manos y ejecutó un pase que retomó Wiliam Gallas para marcar el gol de la clasificación. Faltó, después, la redención de la afrenta, un segundo gol, esa genialidad de Maradona en cuartos de final contra Inglaterra que restauró el honor de la victoria. Quedó, en el medio, un crujiente volcán de oprobio que va mucho más allá del gesto de Henry, de su confesión posterior y de esa imagen patética de Thierry Henry cuando, una vez finalizado el partido, se sienta en el césped junto al defensor irlandés Richard Dunne para consolarlo y admitir que había manejado la pelota con la mano. El oprobio viene de la dirigencia del fútbol mundial, la FIFA y la UEFA, tan celosas de la disciplina y las sanciones cuando se trata de países del sur y tan ciega, silenciosa y cómplice cuando los concernidos son las grandes democracias occidentales.

Maradona fue sancionado el domingo por la FIFA por las palabras insolentes que dijo luego de la clasificación argentina para el Mundial. También lo condenaron antes los medios nacionales, que lo trataron de grosero. Condena por demás paradójica e hipócrita en un país donde la provocación es una marca de la identidad y del encanto y el uso de palabras fuertes un arte que pocos idiomas manejan con tanta destreza e irónica frecuencia.

Pero la mano de Henry es la de un Dios del Norte y no merece, por consiguiente, ninguna intervención de las instancias internacionales. “Hay mano pero no soy el árbitro”, dijo Henry. La FIFA y la UEFA hicieron caso omiso de las imágenes, de las protestas y de los pedidos oficiales por parte de Irlanda para que el partido volviera a jugarse. Ni siquiera se pidió una convocatoria formal del jugador. El incidente pasó al terreno de la política luego de que el ministro de Justicia de Irlanda, Dermot Ahrne, y el primer ministro irlandés, Brian Cowen, apoyaran la demanda de la federación irlandesa de fútbol para que el encuentro volviera a jugarse. El primer ministro francés, François Fillon, salió al paso para decir que “no le corresponde al gobierno francés ni al irlandés inmiscuirse en el funcionamiento de la FIFA”. Esta, sin embargo, se cosió los labios. En cambio, sí abrió un procedimiento disciplinario contra Egipto –país del sur– por los incidentes que se produjeron antes y después del partido contra Argelia.

Los Dioses del norte están protegidos por el manto del olvido y el perdón de la FIFA. Si la mano hubiese sido de un marfileño, un guatemalteco, un argentino o un ruso se puede apostar porque ya estarían todos presos, incendiados, tratados con la más estricta ética del racismo y la diferencia étnica que tanto sobresale en los labios de los ignominiosos comentarios deportivos de la televisión francesa.

Thierry Henry ha sido honesto después de la batalla. El jugador ha encontrado un sistema deportivo y político que lo defiende. Valga de ejemplo una cita de un artículo publicado ayer en Libération por el ex mediocampista francés Vikash Dhorasoo: “El fútbol es un deporte y el deporte no está acá para ser justo. No siempre gana el mejor, y menos aún el más ético”.

Venda avulsa de jornalões brasileiros cai a índices surpreendentes


Fala-se muito na crise das publicações impressas, como jornais e revistas, mas quando se analisa os dados reais percebe-se que a situação é muito mais grave do que imaginamos e que a busca por novos modelos de negócios é ainda mais urgente do que se previa.

Quando você descobre que a Folha de S.Paulo, considerada um dos três mais influentes jornais do país, vendeu em média 21.849 exemplares diários em bancas em todo o território nacional entre janeiro e setembro de 2009, é possível constatar a abissal queda de circulação na chamada grande imprensa brasileira. Em outubro de 1996, a venda avulsa de uma edição dominical da Folha chegava a 489 mil exemplares.

Segundo o Instituto Verificador de Circulação (IVC) a Folha é o vigésimo quarto jornal em venda avulsa na lista dos 97 jornais auditados pelo instituto, atrás do Estado de S.Paulo, em 19o lugar e O Globo, em 15o lugar. Somados os três mais influentes jornais brasileiros têm uma venda avulsa de quase 96 mil exemplares diários, o que corresponde a magros 4,45% dos 2.153.891 jornais vendidos diariamente em banca nos primeiros nove meses de 2009.

São números muito pequenos comparados ao prestígio dos três jornalões, responsáveis por boa parte da agenda pública nacional. Globo, Folha e Estado compensam sua baixa venda avulsa com um considerável número de assinantes, o que configura a seguinte situação: os três jornais dependem mais do que nunca das classes A e B, que são maioria absoluta entre os assinantes, já que a população de menor renda é a principal cliente nas compras avulsas em bancas.

Esta constatação não é nova, mas ela aponta um dilema crucial: as classes A e B são aquelas onde a penetração informativa da internet é mais intensa. Nesta conjuntura, o futuro de O Globo, Estado e Folha depende umbilicalmente das classes média e alta, o que levou a uma disputa acirrada para saber qual deles interpreta melhor a ideologia destes segmentos sociais.

O atual perfil da imprensa brasileira mostra que os três grandes jornais nacionais agarram-se à classe média para manter assinantes e influenciar na agenda política do país, mesmo com tiragens reduzidíssimas, correspondentes a menos de 5% da média da venda avulsa nacional.

Nos últimos nove meses houve uma pequena recuperação nos índices de venda avulsa do Globo, Estado e Folha em 2009. O IVC registrou um crescimento de 5,5 % em relação aos quatro últimos meses do ano passado. É um aumento bem acima da média dos 97 jornais auditados pelo IVC, cuja venda avulsa diária total subiu insignificantes 0,27% no mesmo período. Mas a recuperação tem que ser vista num contexto de patamares muito baixos e que não garantem a rentabilidade futura dos jornais.

Em compensação os jornais locais e populares ocupam um espaço cada vez maior na mídia nacional. Dos dez jornais com maior venda avulsa, segundo dados do IVC, nove são claramente populares, voltados para as classes C e D. Destes, dois são de Minas Gerais, um do Rio Grande do Sul, cinco do Rio e dois de São Paulo. Somados eles chegam a uma venda avulsa diária média de 1.401.054 exemplares, ou seja 64,5% de todos os jornais auditados entre janeiro e setembro do ano passado.

O jornal Super Notícia, de Belo Horizonte, vende em bancas, em média, 290.047 exemplares (13,47% de todos os jornais auditados pelo IVC) - o que corresponde a cerca de 13,2 vezes a circulação avulsa da Folha de S.Paulo, em todo o país. Números que indicam uma clara tendência do mercado da venda avulsa de jornais no sentido das publicações populares, regionais, com apelo sensacionalista.

Isto também significa que os grandes jornais, tradicionais vitrines da agenda nacional, dependem, hoje, mais do prestígio herdado do passado do que do fluxo de caixa. A sua principal matéria prima, a notícia, perdeu valor de mercado em favor da opinião. Um prestígio que ainda alimenta uma receita publicitária compensadora, principalmente no setor imobiliário, de supermercados e revendas de automóveis, mas cujos dias também estão contados porque a migração destes segmentos para a internet é cada vez maior.

O conglomerado Globo aposta cada vez mais nos jornais populares regionais e segmentados - como o Extra, no Rio. Talvez busque inspiração no caso do Lance!, um jornal esportivo que vende, na média diária, 124 mil exemplares em bancas e jornaleiros. No sul, o grupo RBS aposta no Diário Gaúcho, o terceiro em vendas avulsas no ranking nacional do IVC e 8,4 vezes maior do que a do carro chefe do conglomerado, o jornal Zero Hora.

Observatório de Imprensa

Visite BLUE BUS.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Holandês doador de esperma tem 59 filhos

Vista de Maastricht, cidade onde vive o doador:

Um holandês de 40 anos tem 59 filhos, estando neste momento mais seis mulheres a espera de filhos seus, que é um dos doadores de esperma mais procurados (e bem-sucedidos) da Europa.

«Não faço isso para quebrar recordes. Faço de coração, em benefício de famílias que querem filhos para se sentirem completas», disse Ed Houben.

Houben iniciou o seu segundo ofício há cinco anos, após a morte do seu irmão. «Ele não teve tempo de dar um filho à minha cunhada e sei o quanto isso significava para eles», diz. Na época, começou a fazer doações às clínicas de fertilização in vitro, mas rapidamente alcançou sua cota máxima (na Holanda, é de 25 doações) e precisou de parar.

Publicar anúncios pela Internet foi a maneira que encontrou de continuar a doar. Do seu site, além de fotos e perfil, constam testes que comprovam a sua boa saúde, como os de HIV e gonorreia.

A sua primeira doação via anúncio pela Internet foi para um casal de lésbicas belgas. «Dava preferência para casais de mulheres homossexuais porque elas são discriminadas pelas clínicas de fertilização», conta.

Hoje, ele ajuda todos os tipos de casais, além de mães solteiras. A sua única preocupação é que eles possam dar uma vida estruturada à criança.

Diz ainda que não cobra pelo esperma. «É um acto de amor e, para me manter, tenho um emprego, como toda a gente», afirma, sem revelar a profissão, a pedido da empresa onde trabalha.

Houben conta que costumava viajar para fazer as doações. Hoje, devido à grande procura, já não sai mais de Maastricht, cidade a 220 quilómetros de Amsterdão.

Ele pede aos interessados que se hospedem perto de sua casa e vai até o hotel, de onde volta com o material num recipiente esterilizado.

Para manter o elevado índice de fertilidade, diz que nunca usa jeans ou calça apertada, não toma banho quente ou faz sauna, nunca bebe e toma ácido fólico com regularidade.

No ano passado, deu uma festa em que reuniu 16 dos seus filhos. «Alguns pais apresentaram-me às crianças como o pai verdadeiro, mas elas só olhavam para mim e continuavam a brincar», diz. Houben diz que gosta de saber como vão as crianças, mas não tem qualquer sentimento de paternidade.

O homem, que mora com a mãe, diz que pensa em ter filhos quando tiver uma mulher, mas por enquanto não tem namorada. «Sou muito tímido», refere.

DIÁRIO DIGITAL

OBRIGADO, GUILHERME, PELA DICA.

Com avanços tecnológicos, lixo eletrônico vai se acumulando


Agência FAPESP – Há mais de dez anos tem crescido enormemente o uso de dispositivos eletrônicos portáteis, como computadores, telefones celulares e tocadores de música (primeiramente CD e, depois, arquivos digitais). Um dos resultados, que a princípio não parecia preocupante, é o acúmulo de lixo.

Eletrônicos hoje representam o tipo de resíduo sólido que mais cresce na maioria dos países, mesmo nos em desenvolvimento. Um dos grandes problemas de tal lixo está nas baterias, que contêm substâncias tóxicas e com grande potencial de agredir o ambiente.

Em artigo publicado na edição de 30/10 da revista Science, pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, comentam o problema e a ausência de políticas adequadas de reciclagem.

“O pequeno tamanho, a curta vida útil e os altos custos de reciclagem de tais produtos implicam que eles sejam comumente descartados sem muita preocupação com os impactos adversos disso para o ambiente e para a saúde pública”, apontam os autores.

Eles destacam que tais impactos ocorrem não apenas na hora de descartar os equipamentos eletrônicos, mas durante todo o ciclo de vida dos produtos, desde a fabricação ou mesmo antes, com a mineração dos metais pesados usados nas baterias.

“Isso cria riscos de toxicidade consideráveis em todo o mundo. Por exemplo, a concentração média de chumbo no sangue de crianças que vivem em Guiyu, na China, destino conhecido de lixo eletrônico, é de 15,2 microgramas por decilitro”, contam.

Segundo eles, não há nível seguro estabelecido para exposição ao chumbo, mas recomenda-se ação imediata para níveis acima de 15,2 microgramas por decilitro de sangue.

Os pesquisadores estimam que cada residência nos Estados Unidos guarde, em média, pelo menos quatro itens de lixo eletrônico pequenos (com 4,5 quilos ou menos) e entre dois e três itens grandes (com mais de 4,5 quilos). Isso representaria 747 milhões de itens, com peso superior a 1,36 milhão de toneladas.

O artigo aponta que, apesar do tamanho do problema, 67% da população no país não conhece as restrições e políticas voltadas para o descarte de lixo eletrônico. Além disso, segundo os autores, os Estados Unidos não contam com políticas públicas e fiscalização adequadas para a reciclagem e eliminação de substâncias danosas dos produtos eletrônicos.

Os pesquisadores pedem que os governos dos Estados Unidos e de outros países coloquem em prática medidas urgentes para lidar com os equipamentos eletrônicos descartados. Também destacam a necessidade de se buscar alternativas para os componentes que causem menos impactos à saúde humana e ao ambiente.

O artigo The electronics revolution: from e-wonderland to e-wasteland, de Oladele Ogunseitan e outros, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.

Texto de Naiara Bertão, para ECO PLANET.

Earth Song

ESTE CLIPE FOI CENSURADO NOS EUA QUANDO DE SEU LANÇAMENTO:

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Volar con viento brasileño de cola


En el marco de la visita presidencial a Brasilia, se firmará el acuerdo para la provisión de veinte aeronaves de la empresa aeronáutica Embraer. Un contrato por valor de 700 millones de dólares. La primera nave arribará en ocho meses.

Por Cledis Candelaresi

Escoltada por el secretario de Transporte, Juan Pablo Schiavi, Cristina Fernández de Kirchner formalizará el acuerdo para comprar veinte aviones Embraer que irán a nutrir la flota de Austral. El convenio, uno de los varios que se firmarán en la visita oficial a Brasilia que comenzó anoche, fue habilitado por una cláusula específica del Presupuesto Nacional para el año próximo, que permite expresamente al Estado tomar deuda para la compra de aeronaves. Sin ese permiso explícito, el contrato con la fábrica brasileña por un monto aproximado de 700 millones de dólares hubiese corrido serio riesgo de abortar.

Desde el gobierno local, la compra de veinte aviones brasileños E190 que se destinarán a vuelos de cabotaje se defiende como una operación muy ventajosa, fundamentalmente porque en su mayor parte se costeará con financiamiento del Banco Nacional de Desarrollo del Brasil. El Bndes aportará el equivalente al 85 por ciento de la operación, a una tasa que aún no está cerrada, pero que se definirá entre algunas alternativas que presentó esa entidad financiera y que se consideran ventajosas.

Leia mais em Página/12

E QUANTO AOS BRASILEIROS?


UBS entrega "peixes grandes" ao fisco dos EUA

Não só milionários, mas também clientes norte-americanos do UBS que "esconderam" fortunas superiores a 250 mil francos entre 2001 e 2008 poderão ser denunciados ao fisco dos Estados Unidos.

A Secretaria Federal de Justiça da Suíça analisa os primeiros 900 casos e pretende dar ainda esta semana luz verde para a entrega dos dados de 400 supostos sonegadores.

Devido a um acordo extrajudicial fechado entre o UBS e a Justiça dos EUA em 19 de agosto passado, deverão ser fornecidos os dados de 4450 contas do maior banco suíço à autoridade fiscal norte-americana IRS (Internal Revenue Service) até 31 de agosto de 2009.

Segundo detalhes do acordo divulgados na terça-feira (17/11), a ajuda administrativa suíça aos EUA refere-se a titulares de contas suspeitos de sonegação ou graves fraudes fiscais. A maioria é "peixe grande".

De acordo com informações da Secretaria Federal de Justiça e da Receita Federal, 4200 casos referem-se a norte-americanos que entre 2001 e 2008 tenham escondido uma fortuna mais de um milhão de francos em contas não declaradas e obtido com isso um lucro de no mínimo 100 mil francos em três anos.

A segunda categoria – 250 casos – diz respeito a clientes norte-americanos que, independentemente de seu país de residência, tenham tido contas inscritas numa "sociedade offshore" e possuído uma fortuna de 250 mil francos no mesmo período, informou a agência de notícias SDA.

O anexo ao acordo UBS-EUA classifica de "construções enganosas" as contas em "sociedades offshore" que escondem o nome real dos titulares. O documento revela uma série de truques usados pelo UBS e outros bancos para que seus clientes pudessem burlar o fisco norte-americano nos últimos anos.

Até agora, o UBS enviou os dados de 900 clientes à Administração Federal de Impostos da Suíça para análise. A autoridade já deu seu parecer conclusivo em 400 casos, que podem ser contestados num prazo de 30 dias diante do Tribunal Administrativo Federal.
Dimensões do caso

A ajuda administrativa solicitada pelos EUA para obter dados de clientes do UBS tem dimensões inéditas. As autoridades suíças informaram que, no passado, recebiam uma média de três pedidos de ajuda internacional por ano em matéria fiscal.

O responsável pelo caso UBS na Administração Federal de Impostos, Hans-Jörg Müllhaupt, disse que 40 pessoas trabalham na "organização do projeto", entre elas, cerca de dez da empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers. Uma outra empresa de auditoria, a KPMG, controla em nome da administração federal o cumprimento do acordo junto ao UBS.

A pedido dos EUA, a Suíça manteve em sigilo durante três meses (até terça-feira) os critérios exatos para a entrega dos dados de clientes do UBS. Isso, segundo as autoridades fiscais norte-americanas contribuiu para que 14.700 contribuintes dos EUA com contas em 70 Estados tivessem se autodenunciado ao fisco.

O embaixador dos EUA em Berna declarou há poucos dias que cerca de 9 mil sonegadores com contas na Suíça tinham se autodenunciado. Ainda não se sabe quantos deles pertencem ao grupo dos 4450 referidos no acordo UBS-EUA.

As autoridades suíças estimam que o número de clientes do UBS atingidos pelo pedido de ajuda administrativa dos EUA é pequeno. Müllhaupt disse à imprensa em Berna que se pode contar nos dedos das duas mãos os clientes do maior banco suíço que até agora aprovaram a entrega de seus dados à receita norte-americana.

swissinfo.ch com agências

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Lula: metade do dinheiro gasto com crise pode erradicar fome


Por Silvia Aloisi e Daniel Flynn

ROMA (Reuters) - A ONU deu início nesta segunda-feira à cúpula alimentar anunciando que a adoção de um novo tratado climático global no mês que vem em Copenhague é essencial para combater a fome. Na abertura, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou recursos para o combate à fome e disse que com a metade do que foi gasto na crise global seria possível erradicar a fome.

Autoridades se reúnem em Roma até quarta-feira para discutir questões alimentares, embora ativistas já estejam qualificando o evento como mais uma oportunidade perdida.

O ceticismo se agravou no fim de semana, quando o presidente dos EUA, Barack Obama, e outros líderes mundiais disseram que a definição do novo tratado climático deve ficar para 2010 ou depois.

"A fome é a mais terrível arma de destruição em massa existente no nosso planeta. Na verdade, ela não mata soldados, ela não mata exércitos. Ela mata, sobretudo, crianças inocentes que morrem antes de completar um ano de idade", disse Lula ao discursar na abertura do evento.

Lula defendeu ainda um maior envolvimento da comunidade internacional no combate à fome.

"O combate à fome continua praticamente à margem da ação coletiva dos governos. É como se a fome fosse invisível. Muitos parecem ter perdido a capacidade de se indignar com um sofrimento tão longe de sua realidade", disse.

Para ele, com a metade dos recursos injetados para conter a crise financeira internacional seria possível combater a fome.

"Frente à ameaça de um colapso financeiro internacional, causado pela especulação irresponsável e pela omissão dos Estados na regulação e na fiscalização do sistema, os líderes mundiais não hesitaram em gastar centenas e centenas de bilhões de dólares para salvar os bancos falidos. Com menos da metade desses recursos, seria possível erradicar a fome em todo o mundo", afirmou.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, disse que "não pode haver segurança alimentar sem segurança climática".

"No mês que vem em Copenhague precisamos de um acordo abrangente, que forneça um firme fundamento para um tratado de cumprimento compulsório a respeito da mudança climática."

A FAO (órgão da ONU para agricultura e alimentação) prevê uma redução de 20 a 40 por cento na produtividade agrícola potencial da África, da Ásia e da América Latina se as temperaturas do planeta subirem mais de 2 graus.

Pela primeira vez o número de famintos no mundo passa de 1 bilhão, e a FAO convocou a cúpula na esperança de que os governos mundiais elevem de 5 para 17 por cento a parcela da ajuda humanitária atualmente destinada à agricultura.

Isso representaria um aumento de 7,9 para 44 bilhões de dólares --ainda assim, bem aquém do subsídio de 365 bilhões de dólares por ano dado a agricultores dos países ricos.

Mas um esboço da declaração final a ser adotada na segunda-feira inclui apenas uma promessa genérica de mais ajuda, sem prazos nem metas.

A promessa de eliminar a desnutrição até 2025 também foi retirada da proposta, que agora cita apenas um empenho em resolver o problema "o quanto antes".

O aumento nos preços dos alimentos como arroz e trigo no ano passado causou conflitos em mais de 60 países.

As nações ricas importadoras se apressaram para comprar as safras estrangeiras, levando a fome e a falta de comida à agenda política --mas também despertando temores de um novo colonialismo nos países pobres.

"Devemos combater esse novo feudalismo, devemos colocar um ponto final nessa tomada de terras dos países africanos", disse o líder da Líbia, Muammar Kaddafi.

Honduras: el imperio contraataca


Por Atilio A. Boron*, para Página/12

La crisis hondureña finalmente se resolvió “por el lado malo”: la consolidación del régimen golpista y la institucionalización de las ilegítimas elecciones que tendrán lugar el próximo 29 de noviembre. Ya la Casa Blanca ha declarado que sus resultados serán admitidos como válidos lográndose así la normalización de la vida democrática y poniendo fin al “interinato” de Micheletti, eufemismo con el que desde un principio Washington caracterizó al golpe de Estado. Este desenlace tiene un significado que excede con creces la política hondureña: marca el regreso de Estados Unidos a su tradicional política de apoyo a los golpes militares y a los regímenes autoritarios afines con los intereses imperiales.

Ante esta lamentable involución de la política exterior norteamericana muchos observadores sostienen que la victoria de los golpistas pone de manifiesto la declinación de la hegemonía estadounidense. Corolario de esta constatación es la inocentización de Obama porque, supuestamente, pese a sus esfuerzos no pudo resolver la crisis de modo congruente con la institucionalidad democrática. ¿Hasta qué punto es correcta esta interpretación?

Hay dos cuestiones que deben ser examinadas: por un lado, la progresiva pérdida de capacidad hegemónica de Estados Unidos en la región. Por el otro, las iniciativas concretas tomadas por la Casa Blanca en el marco de la crisis hondureña. En relación con la primera es preciso reconocer que si bien la superpotencia se enfrenta a una disminución de su capacidad de dominación y control sobre el sistema internacional, así como su gravitación económica global, no es menos cierto que esta tendencia no se traslada mecánicamente a América latina y el Caribe. No sería temeraria sino mucho más próxima a la verdad la hipótesis que dijera que ante un debilitamiento relativo del imperio en la arena mundial, éste se aferra con más fuerza a “su patio trasero” y su estratégico entorno de seguridad territorial. De ahí que su declinación global no necesariamente signifique un deterioro equivalente de su capacidad para controlar su tradicional “zona de influencia”. Es indudable que el predominio que Estados Unidos tenía antes en la región se ha debilitado; pero sería un gravísimo error creer que ha desaparecido.

Aclarado este primer punto, ¿actuó Obama con todas sus fuerzas para resolver en un sentido democrático la crisis hondureña? Definitivamente no. Sus iniciativas fueron titubeantes y con el correr del tiempo los halcones que aún manejan los resortes fundamentales del estado norteamericano impusieron su línea. Es cierto: la Casa Blanca no pudo imponer otra política en Honduras pero quien sí lo hizo fue Estados Unidos como potencia imperial, como expresión de un sistema de dominación interno e internacional. Para comprender esto es preciso distinguir entre el “gobierno permanente” de ese país, ese nefasto entramado de grandes oligopolios, lobbies, fuerzas armadas, políticos profesionales y grandes medios de comunicación que, como dijera Gore Vidal, mantiene secuestrada a la sociedad norteamericana y, por otra parte, el “gobierno aparente”, simbolizado en la figura del presidente. Pero el progresivo vaciamiento de la democracia estadounidense en el último medio siglo recortó los márgenes de autonomía de la presidencia para promover (en el hipotético caso de que quisiera) una política contraria a los intereses de la clase domnante.

La hipótesis de la declinación hegemónica queda inobjetablemente refutada por la reciente firma del tratado de cooperación militar entre Estados Unidos y Colombia que, como lo recordara el Comandante Fidel Castro, despoja al país sudamericano de atributos esenciales de la soberanía nacional. Si algo demuestra esta iniciativa es la formidable capacidad de presión, dominación y control que, pese a su supuesto debilitamiento, aún conserva el imperio. Es esa misma capacidad la que le permitió desplazar rápidamente de la escena negociadora en Tegucigalpa al secretario general de la OEA para sustituirlo con un viejo peón de la política estadounidense, Oscar Arias. O la que lo lleva a sostener contra viento y marea el criminal bloqueo a Cuba, pese a que en la Asamblea General de la ONU esa política fue condenada por 187 de los 192 países que la integran. O la que le permite prestar oídos sordos al reclamo universal de indultar a los cinco luchadores antiterroristas cubanos sometidos a inhumanas condiciones de detención en Estados Unidos gracias a una escandalosa burla al debido proceso. O mantener una infame prisión, violatoria de todos los derechos humanos, en la Base Naval de Guantánamo. Si Obama hubiera demostrado esta misma determinación para exigir la inmediata restitución de Zelaya en la presidencia otra habría sido la historia. Y tenía instrumentos a mano para hacerlo: podría haber decretado el transitorio bloqueo de las remesas de los inmigrantes hondureños residentes en Estados Unidos; o instruido a las empresas norteamericanas radicadas en Honduras que preparasen planes para su eventual evacuación; o congelado los fondos de los políticos del régimen y de la oligarquía depositados en bancos norteamericanos; o embargar sus fastuosas propiedades en la Florida. Son gestos para nada inéditos; casi todos ellos fueron utilizados por George W. Bush para frustrar la segura victoria de Schafik Handal, candidato del Frente Farabundo Martí de Liberación Nacional, en las elecciones del 2004 en El Salvador. ¿Por qué no se intentó algo similar en esta ocasión? Respuesta: porque la política del “gobierno permanente” de Estados Unidos, de su establishment, dispuso otra cosa y el inquilino de la Casa Blanca se inclinó ante esa decisión. Conclusión: no es que Estados Unidos no pudo modificar el resultado de la crisis hondureña sino que, más allá de las opiniones de Obama, la clase dominante norteamericana –o sea, el famoso complejo militar-industrial– convalidó sin reservas al golpismo aun a sabiendas de las funestas implicaciones que esta decisión tendría para la paz y la estabilidad política de ese país centroamericano y para el futuro de la región. No se trató de una cuestión de incapacidad sino de una elección estratégica concebida para reordenar manu militari el tumultuoso patio trasero del imperio en Centroamérica y, también, para lanzar una ominosa señal de advertencia a los gobiernos de izquierda y progresistas de la región.

*Politólogo.

domingo, 15 de novembro de 2009

Lula e Sarkozy pedem avanços contra aquecimento global


PARIS (Reuters) - Os líderes da França e do Brasil juntaram forças neste sábado para pressionar os Estados Unidos e a China a fazerem concessões significativas no encontro sobre mudanças climáticas no mês que vem em Copenhague.

Em documento conjunto, os presidentes Nicolas Sarkozy e Luiz Inácio Lula da Silva pediram que até 2050 os países industrializados reduzam as emissões de gases causadores do efeito estufa em pelo menos 80 por cento ante os níveis da década de 1990.

Eles pediram que os países emergentes procurem formas de crescimento com baixa emissão de carbono, com ajuda financeira dos países ricos, e que tomem medidas para reduzir o ritmo no qual crescem as emissões até 2050.

Dizendo que o documento assinado com Sarkozy é "mais que uma declaração de intenções, é uma bíblia climática", Lula disse a jornalistas que os Estados Unidos e a China precisam mostrar mais coragem em aceitar compromissos em Copenhague.

"Não tenho dúvidas de que nossos amigos norte-americanos e chineses aceitarão suas responsabilidades", afirmou Sarkozy em entrevista coletiva conjunta.

Logo antes do encontro em Paris, o Brasil comprometeu-se a reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa entre 36,1 e 38,9 por cento, principalmente através do controle do desmatamento da região amazônica.

Os dois presidentes tentarão angariar mais apoio para a iniciativa antes do encontro de Copenhague.

RESPONSABILIDADES

O presidente dos EUA, Barack Obama, e o líder chinês Hu Jintao, cujos países são os maiores emissores de gases causadores do efeito estufa, devem encontrar-se na semana que vem para buscar um ponto comum na questão das mudanças climáticas.

Mas, à medida que se aproxima o prazo final para o encontro sobre mudanças climáticas em Copenhague, Sarkozy e Lula disseram que os líderes da China e dos EUA não podem fazer as decisões entre eles a portas fechadas.

"Não podemos permitir que os presidentes Obama e Hu Jintao celebrem um acordo que só leva em conta as realidades econômicas de seus dois países", destacou Lula.

Ele disse também que ligaria para Obama para discutir a iniciativa franco-brasileira como parte de uma ofensiva diplomática na qual ele e Sarkozy tentarão angariar apoio antes da conferência em Copenhague, que acontece do dia 7 ao dia 18 de dezembro.

Já Sarkozy disse que não aceitaria um acordo "mínimo" em Copenhague e que insistiria em conseguir compromissos firmes dos maiores emissores de gases causadores do efeito estufa do mundo.

"Vocês conhecem a amizade que a França tem com os Estados Unidos e a confiança que tenho no presidente Obama, mas a economia que mais emite carbono no mundo tem de enfrentar suas responsabilidades", disse ele.

Aproximadamente 190 países vão encontrar-se em Copenhague, mas as negociações até agora avançaram pouco por causa de desavenças entre países ricos e pobres. Por isso, diminuíram as esperanças de que uma plataforma com valor legal seja criada para evitar os níveis perigosos de aquecimento global dos quais cientistas dizem que podem causar o aumento do nível do mar, mais secas, ondas de calor e enchentes.

Sarkozy, que discutirá a iniciativa com a chanceler alemã, Angela Merkel, na quinta-feira, disse que espera viajar ao Brasil e à África para promover suas ideias sobre o assunto.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

"Há algo de suicida na atitude do presidente palestino"

A arte de Bansky no vergonhoso muro construído por Israel:

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, sucessor de Yasser Arafat, afirma que não vai disputar um segundo mandato e diz que inclusive está disposto a renunciar.

Trata-se de um lance de pôquer frente ao marasmo político em que se encontram as negociações, julga Pascal de Crousaz, especialista do conflito israelo-palestino.

O ministro francês das Relações Exteriores disse que irá tentar dissuadir Mahmoud Abbas da decisão de não concorrer às eleições presidenciais, previstas para 24 de janeiro de 2010. Como a situação se degenerou a esse ponto?

swissinfo.ch: Por que Mahmoud Abbas anunciou na semana passada que renunciaria a disputar um novo mandato à frente da Autoridade Palestina?

Pascal de Crousaz: Ele não tem mais nada para propor e, sobretudo, não tem mais esperança a oferecer a seu povo. Ele passa a impressão de estar em um impasse.

Os palestinos veem os territórios no qual poderiam estabelecer um Estado encolher cada vez mais, à medida em que a colonização israelense avança. Eles compreenderam há bastante tempo que não há nada a esperar, além das belas declarações do governo Bush. E quando Obama foi eleito, com um programa para o Oriente Médio que parecia promissor, os palestinos voltaram a ter um pouco de esperança, a começar por Mahmoud Abbas.

Eles aguardavam esse plano de paz americano para a primavera, depois para junho, quando o presidente Obama se dirigiu aos muçulmanos no Cairo e depois ainda durante a Assembleia-Geral da ONU, mas nada aconteceu. Como se o presidente Obama, vendo as dificuldades internas com seu programa para a Saúde, quisesse evitar conflito com os defensores de Israel nos Estados Unidos.

Aconteceu também a mudança de posição da secretária de Estado, Hillary Clinton – mesmo se ela tentou depois relativizar – mas, de maneira geral, ela abandonou as exigências americanas de parar a colonização para retomar as negociações de paz. Os palestinos sentiram-se completamente abandonados. E Mahmoud Abbas ficou em uma situação insustentável frente a seu povo para negociar com um governo israelense que, de maneira evidente, apesar de um discurso que parece dar uma esperança de paz, não faz as concessões necessárias.

Além disso, Mahmoud Abbas foi levado a relativizar o relatório das Nações Unidas (Goldstone) sobre a guerra em Gaza. Ademais, todo o processo de paz parece bloqueado. Então ele usa a arma do fraco, deixando de ser o interlocutor moderado que a chancelarias ocidentais apreciam, mas que é incapaz de atender às expectativas mínimas de seu povo. Há algo de suicida na atitude de Mahmoud Abbas. É uma espécie de apelo ao socorro pelo abandono.

swissinfo.ch: Ou seja, o anúncio de Mahmoud Abbas não é uma jogada de pôquer?

P.d.C.: Talvez haja uma parte de jogada. Ele já fez isso e, no mundo árabe, é muito frequente líderes tentarem um lance de pôquer, ameaçando renunciar. Gamal Abdel Nasser (Egito), por exemplo, durante a guerra dos seis dias. Mas também é possível que ela se sinta cansado diante de um processo de paz que aparentemente não leva a nada.

A curto prazo, o tempo é favorável a Israel através da colonização e da construção do muro, sem que os palestinos tenham meio de mudar as coisas. A longo prazo, no entanto, a demografia é favorável aos palestinos.

Entre os próximos de Mahmoud Abbas, alguns dizem que frente aos israelenses totalmente refratários às concessões necessárias para a solução de dois Estados defendida pela comunidade internacional, só resta abandonar. Ficar dentro do "Grande" Israel, exigir a igualdade e o direito de voto. Por trás dessa ideia há a esperança de que o peso dos palestinos vai aumentar. E que, se o direito de voto para os palestinos é instaurado rapidamente, o Estado israelense deixará de ser judeu. Em caso de recusa do ocupante, os palestinos poderiam então "desmascarar" Israel e acusar o país de praticar o apartheid.

swissinfo.ch: Que consequência teria a saída Abbas sobre o que resta do processo de paz?

P.d.C.: Ou ele ganhaa sua aposta e a comunidade internacional decide avançar, ou seja, impulsiona as ideias que existem há anos com a criação de dois Estados nas fronteiras de 1967. As soluções existem desde a Iniciativa de Genebra, desde o plano Clinton. Elas poderiam ser atualizadas pela administração Obama e ser apresentadas como a única solução viável para a comunidade internacional.

Haveria o apoio imediato da União Europeia, da Rússia, do Conselho de Segurança da ONU e, muito provavelmente, da Liga Árabe. Para isso, a administração Obama deve aceitar correr um risco político. Mahmoud Abbas é a favor. Agora, se ele não conseguir isso e realmente partir, teremos um pouco mais de caos e de impasse nos territórios palestinos.

swissinfo.ch: Isso seria o fim da Autoridade Palestina ou outros líderes surgiriam?

P.d.C.: Existem líderes como Mohamed Darlan ou Jibril Rajoub, que têm boas relações com os países ocidentais e, às vezes, até com Israel. Essas pessoas estariam sem dúvida interessadas em exercer o poder e a ocupar o lugar de Mahmoud Abbas. Fala-se também de Marwan Barghouti, preso em Israel. E é claro que também tem o Hamas.

Nessa situação, o Hamas pode afirmar que sua tese era correta. Ele sempre disse que negociar com Israel não leva a lugar nenhum. Quando Mahmoud Abbas anunciou que saía, quando ele diz, como outro dia em Hebron, que não sabe o que vale Israel, indiretamente ele afirma que a negociação com Israel não leva a lugar algum. É o triunfo das teses do Hamas.

Pierre-François Besson, swissinfo.ch
(Adaptação: Claudinê Gonçalves)

Brasil ‘decola’


A ascensão econômica do Brasil é o tema da capa, de um editorial e de um especial de 14 páginas da edição desta semana da revista britânica The Economist, divulgada nesta quinta-feira.

Intitulado Brazil Takes Off (“O Brasil Decola”, em tradução literal), o editorial afirma que o país parece ter feito sua entrada no cenário mundial, marcada simbolicamente pela escolha do Rio como sede olímpica em 2016.

A revista diz que, se em 2003 a inclusão do Brasil no grupo de emergentes Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) surpreendeu muitos, hoje ela se mostrou acertada, já que o país vem apresentando um desempenho econômico invejável.

A Economist afirma também que o Brasil chega a superar outros Bric. “Ao contrário da China, é uma democracia, ao contrário da Índia, não possui insurgentes, conflitos étnicos, religiosos ou vizinhos hostis. Ao contrário da Rússia, exporta mais que petróleo e armas e trata investidores estrangeiros com respeito.”

Apagão

O editorial da Economist ressalva também que o país tem problemas que não devem ser subestimados, da corrupção à falta de investimentos na educação e infraestrutura “evidenciados pelo apagão desta semana”.

No especial de 14 páginas, oito reportagens analisam as razões do sucesso econômico brasileiro e seus potenciais riscos.

Separadamente, a revista traz um perfil da ministra Dilma Rousseff e afirma que seu desafio na campanha eleitoral do ano que vem é se mostrar próxima o suficiente de Lula para beneficiar-se de sua influência, mas distante o bastante para mostrar que tem personalidade própria.

A revista traz ainda uma reportagem sobre o caso da universitária Geyse Arruda, expulsa da Uniban e depois readmitida. Para a revista, o episódio mostra que no Brasil a tolerância convive desconfortavelmente com o recato exagerado.

BBC

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Equador e Bolívia são casos de sucesso em meio à crise global


The Guardian – Londres, via Correio Internacional, via Carta Maior

De acordo com a sabedoria convencional transmitida diariamente na imprensa econômica, os países em desenvolvimento deveriam se desdobrar para agradar as corporações multinacionais, seguir a política macroeconômica neoliberal e fazer o máximo para atingir um grau de investimento elevado e, assim, atrair capital estrangeiro.

Adivinhem qual país das Américas deve atingir o crescimento econômico mais rápido nesse ano? A Bolívia. O primeiro presidente indígena do país, Evo Morales, foi eleito em 2005 e assumiu o cargo em janeiro de 2006. Bolívia, o país mais pobre da América do Sul, seguiu os acordos com o FMI [Fundo Monetário Internacional] por 20 anos consecutivos e sua renda per-capita ao final desde período era mais baixa do que 27 anos antes.

Evo descartou o FMI apenas três meses depois de assumir a presidência e então nacionalizou a indústria de hidrocarbonetos (especialmente gás natural). Não é preciso dizer que isso não agradou a comunidade corporativa internacional. Também foi mal vista a decisão do país de se retirar do painel de arbitragem internacional do Banco Mundial em maio de 2007, cujas decisões tinham tendência a favorecer as corporações internacionais em detrimento dos governos.

A nacionalização e os crescentes lucros advindos dos royalties dos hidrocarbonetos, no entanto, têm rendido ao governo boliviano bilhões de dólares em receita adicional (o PIB total da Bolívia é de apenas 16,6 bilhões de dólares, para uma população de 10 milhões de habitantes). Essas rendas têm sido úteis para a promoção do desenvolvimento pelo governo, e especialmente para manter o crescimento durante a crise. O investimento público cresceu de 6,3% do PIB em 2005 para 10,5% em 2009.

O crescimento da Bolívia em meio à crise mundial é ainda mais notável, já que o país foi atingido em cheio pela queda de seus preços dos produtos de exportação mais importantes – gás natural e minerais – e também por uma perda de espaço no mercado estadunidense. A administração Bush cortou as preferências comerciais da Bolívia, que eram concedidas dentro do Pacto Andino de Promoção do Comércio e Erradicação das Drogas [ATPDA, na sigla em inglês], supostamente para punir a Bolívia por sua insuficiente cooperação na “guerra contra as drogas”.

Na realidade, foi muito mais complicado: a Bolívia expulsou o embaixador estadunidense por causa de evidências do apoio dado pelo governo estadunidense à oposição ao governo de Morales; a revogação do ATPDA aconteceu logo em seguida. De qualquer maneira, a administração Obama ainda não mudou com relação à política da administração Bush para a Bolívia. Mas a Bolívia já provou que pode se virar muito bem sem a cooperação de Washington.

O presidente de esquerda do Equador, Rafael Correa, é um economista que, muito antes de ser eleito em dezembro de 2006, entendeu e escreveu a respeito das limitações do dogma econômico neoliberal. Ele tomou posse em 2007 e estabeleceu um tribunal internacional para examinar a legitimidade da dívida do país. Em novembro de 2008 a comissão constatou que parte da dívida não foi legalmente contratada, e em dezembro Correa anunciou que o governo não pagaria cerca de 3,2 bilhões de dólares da sua dívida internacional.

Ele foi tiranizado na imprensa econômica, mas a operação foi bem sucedida. O Equador cancelou um terço da sua dívida externa declarando moratória e reembolsando os credores a uma taxa de 35 centavos por dólar. A avaliação para o crédito internacional do país continua baixa, mas não mais do que antes da eleição de Correa, e até subiu um pouco depois que a operação foi completada.

O governo de Correa também causou a fúria dos investidores estrangeiros ao renegociar seus acordos com empresas estrangeiras de petróleo para captar uma parte maior dos lucros com a alta dos preços do petróleo. E Correa resistiu à pressão feita pela petrolífera Chevron e seus poderosos aliados em Washington para retirar seu apoio a um processo contra a empresa por supostamente poluir águas subterrâneas, com danos que poderiam exceder 27 bilhões de dólares.

Como o Equador está se saindo? O crescimento tem atingido saudáveis 4,5% durante os dois primeiros anos da presidência de Correa. E o governo tem garantido a redistribuição da renda: gastos com saúde em relação ao PIB dobraram e gastos sociais em geral têm sido expandidos consideravelmente de 4,5% para 8,3% do PIB em dois anos. Isso inclui a duplicação do programa de transferência de renda às famílias pobres, um aumento de 474 milhões de dólares em despesas de habitação, e outros programas para famílias de baixa renda.

O Equador foi atingido fortemente por uma queda de 77% no preço das suas exportações de petróleo de junho de 2008 até fevereiro de 2009, assim como pelo declínio das remessas de capital provenientes do exterior. Apesar disso, o país superou as adversidades muito bem. Outras políticas heterodoxas, juntamente com a moratória da dívida externa, têm ajudado o Equador a estimular sua economia sem esgotar suas reservas.

A moeda do Equador é o dólar estadunidense, o que descarta a possibilidade de políticas cambiais e monetárias para esforços contra-cíclicos numa recessão – uma deficiência relevante. Em vez disso, o Equador foi capaz de fazer acordos com a China para um pagamento adiantado de 1 bilhão de dólares por petróleo e mais 1 bilhão de empréstimo.

O governo também começou a exigir dos bancos equatorianos que repatriassem algumas de suas reservas mantidas no exterior, esperando trazer de volta 1,2 bilhões e tem começado a repatriar 2,5 bilhões das reservas estrangeiras do banco central para financiar outro grande pacote de estímulo econômico.

O crescimento do Equador provavelmente será de 1% esse ano, o que é muito bom em relação à maior parte de seu hemisfério. O México, por exemplo, no outro lado do espectro, tem projetado um declínio de 7,5% no seu PIB em 2009.

A maior parte dos relatórios e até análises quase-acadêmicas da Bolívia e do Equador dizem que eles são vítimas de governos populistas, socialistas e “anti-americanos” – alinhados com a Venezuela de Hugo Chávez e Cuba, é claro – e estão no caminho da ruína. É claro que ambos os países ainda têm muitos desafios pela frente, dos quais o mais importante será a implementação de estratégias econômicas que diversifiquem e desenvolvam suas economias no longo prazo. Mas eles começaram bem, dedicando à ordem econômica e política externa convencionais – na Europa e nos Estados Unidos – o respeito que ela merece.

Mark Weisbrot

Tradução: Raquel Tebaldi

Curso que ensina masturbação para jovens causa polêmica na Espanha

CARTAZ DA CAMPANHA:

Anelise Infante
De Madri para a BBC Brasil

Um novo curso escolar que ensina masturbação a jovens de 14 aos 17 anos está provocando polêmica entre pais e educadores na Espanha.

O curso faz parte de um programa introduzido pelas Secretarias de Educação e Juventude da província de Extremadura, e intitulado “O prazer está em suas mãos”. Ele pretende acabar com mitos para que os adolescentes entendam a sexualidade de forma natural.

As aulas sobre sexo serão facultativas nas escolas de segundo grau da província de Extremadura (oeste do país) a partir de novembro. Os conteúdos vão de anatomia e fisiologia sexual masculina e feminina até técnicas de masturbação e uso de objetos eróticos.

Para a secretária de Juventude de Extremadura, Laura Garrido, o novo curso “não deveria escandalizar a ninguém, principalmente porque todos nós fomos adolescentes algum dia e todos nós temos sexualidade”.

Consciente das críticas de grupos de pais de alunos e veículos de comunicação conservadores, que classificaram a atividade escolar de imoral e irresponsável, a secretária disse à BBC Brasil que “resumir tudo em uma polêmica sobre como sentir prazer é uma barbaridade”.

“O programa tem muitos mais aspectos, como hábitos saudáveis, auto-estima, afetividade, identidade de gênero, doenças de transmissão sexual... e esperamos derrubar muitos mitos negativos sobre a masturbação, é óbvio”.

Dúvidas

A Secretaria de Educação de Extremadura elaborou 1.200 livros em formato revista com exemplos de dúvidas habituais de adolescentes sobre o tema e as respectivas respostas de educadores e sexólogos.

O material didático das aulas inclui mapas da anatomia humana, explicações sobre tipos de brinquedos eróticos, endereços úteis e até um baralho que coloca os jogadores em exemplos de situações de risco como uma ereção prolongada ou uma infecção genital, para que saibam como resolver os problemas.

Os slogans do curso escolar - “O prazer está em suas mãos” e “Prazer quando e onde você quiser” - foram aprovados pelo Instituto da Mulher de Extremadura (ONG que reúne associações feministas locais), porque consideram as aulas necessárias para que os jovens entendam que o sexo não é apenas um ato físico.

“Se esse curso conseguir que os nossos filhos se desenvolvam através de uma sexualidade saudável, será mais fácil evitar condutas discriminatórias e agressivas em suas relações”, disse à BBC Brasil a diretora geral do Instituto da Mulher, Maria José Pulido.

“É importante que pais e educadores possam tratar a sexualidade como um comportamento, uma expressão afetiva e de saúde também”.

Fórum na internet

Mas nem todos os pais de alunos estão de acordo. A Associação de Pais Católicos de Extremadura formou um grupo de protesto chamado “Cidadania para a Educação” e ameaça levar o governo regional aos tribunais.

O grupo abriu um fórum de debate na internet e enviou uma carta ao governador local reclamando do novo curso escolar.

“Exigimos ser informados previamente da natureza, do conteúdo e da orientação de toda atividade que tenha alguma implicação de caráter moral, porque somos os primeiros e principais educadores de nossos filhos”, diz a carta.

A presidente da associação, Margarita Cabrer, disse à BBC Brasil que ainda não recebeu resposta do governo e que o grupo de pais estuda vias legais para processar o Estado se o curso continuar até o fim do ano letivo (junho de 2010).

“O problema não é o ensino de masturbação. Não me preocupa que meus filhos se masturbem. O que me preocupa é que um adulto, cujos hábitos e valores morais eu desconheço, seja quem ensine os meus filhos a fazê-lo”, afirmou.

Cabrer disse também que espera uma intervenção imediata do Juizado de Menores de Extremadura, porque acha que o curso pode infringir o código penal nos artigos sobre corrupção de menores.

A assessoria de imprensa do Juizado de Menores de Extremadura não quis fazer comentários sobre o assunto à BBC Brasil.

WALMART


Denise Nunes, para Correio do Povo

PORTO ALEGRE, QUINTA-FEIRA, 12 DE NOVEMBRO DE 2009

Agas

A Agas recorrerá à Assembleia para reverter a desigualdade fiscal que beneficia o Walmart, em virtude de uma ação judicial perdida pelo governo, que não encaminhou a documentação necessária em recurso que questionava créditos gerados na substituição tributária. Segundo o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo, este direito já garantiu à Walmart cerca de R$ 100 milhões.

Nota do Blog: Como assim, NÃO ENCAMINHOU A DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA? Quem seria o responsável por encaminhar essa documentação?

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Una guerra perdida


Por Immanuel Wallerstein *

La guerra en Afganistán es una guerra en la que tanto Estados Unidos como Obama perderán sin importar lo que hagan ahora los Estados Unidos o el presidente Obama. El país y su presidente están en una situación de trabazón total.

Consideren la situación básica. El gobierno afgano en Kabul no tiene legitimidad alguna para la mayoría de la población. Tampoco tiene un ejército digno de su nombre. No tiene tampoco una base financiera. No hay casi seguridad militar ni personal por ninguna parte. Se enfrenta con la oposición de una guerrilla, los talibán, que controlan la mitad del país y que de un modo constante se han fortalecido desde que el gobierno talibán fuera derrocado en 2001 por una invasión extranjera (en gran medida estadounidense). The New York Times informa que los talibán “conducen una sofisticada red financiera para pagar sus operaciones insurgentes”, algo que los funcionarios estadounidenses intentan, infructuosamente, cortar.

Hace poco, el presidente Hamid Karzai fue reelegido en una votación manifiestamente falsificada. El gobierno estadounidense aceptó tragarse esto porque Karzai es el único político importante que es pashtún, el grupo étnico que es la base del apoyo los talibán. Por lo tanto es el único que puede tener la esperanza de llegar a algún arreglo político con algunos o todos los talibán. Estados Unidos tuvo que pasar la vergüenza pública de reconocer el fraude electoral y recibió presiones para ponerle presión a Karzai para que aceptara unas elecciones extemporáneas de segunda vuelta. Al final no hubo segunda vuelta.

El principal aliado político de Estados Unidos en la región, Pakistán, está claramente coludido con los talibán, en gran parte para garantizar su propia supervivencia interna. El comandante militar estadounidense, el general Stanley McChrystal, insiste en que necesita de inmediato 40 mil efectivos más o será demasiado tarde para ganar la guerra en Afganistán. Parece poco probable que obtenga la cifra completa de esta tropa, o con la celeridad suficiente, para cumplir con el plazo implícito. Hay muchas figuras militares que dudan de que tenga razón en argumentar que con sus 40 mil efectivos más, si le llegaran de inmediato, pudiera hacer una diferencia.

No es muy arriesgado sugerir que Estados Unidos tendrá que retirarse de Afganistán en algún momento. Quién llegará al poder en Afganistán en ese momento, es una cuestión demasiado abierta. Puede muy bien haber una guerra civil prolongada.

Al interior de Estados Unidos, la opinión acerca de la guerra “perdida” se dividirá en extremo. Parece claro que la derecha republicana se prepara para acusar de traición entreguista a los demócratas en general y a Obama en particular. El general McChrystal puede muy bien ser su candidato a la presidencia, si no en 2012, entonces en 2016.

Obama no obtendrá crédito por nada de lo que haga. Si les brinda respaldo pleno e inmediato a las peticiones de McChrystal, será de todos modos acusado por los republicanos de haberlo hecho demasiado tarde. Al mismo tiempo habrá generado una ira profunda entre por lo menos la mitad, si no más, de quienes votaron por él en 2008.

La guerra en Afganistán se habrá convertido en la guerra de Obama. Cuando Estados Unidos “pierda” esa guerra, será Obama quien será acusado de haberla “perdido”. Aun si logra que se apruebe algún tipo de legislación de salud (lo cual es posible), y aun cuando la situación económica de Estados Unidos y del mundo mejore en los próximos años (lo cual es dudoso), la guerra en Afganistán seguirá siendo la sombra más grande y será, por sí solo, el elemento más importante para juzgar su presidencia.

¿Puede Obama revertir esta situación moviéndose dramáticamente en otra dirección, hacia un rápido acuerdo político con los talibán y hacia una retirada completa?

Aparte del hecho de que no haya evidencia pública de que con seriedad está Obama contemplando esto, no hay todavía el nivel de respaldo público en Estados Unidos como para que esto sea una opción política posible para él. Aún no cuenta con el grado de respaldo necesario dentro de su propio gobierno para un viraje dramático.

Así que Estados Unidos y Obama se tropezarán con el asunto, por uno o dos años, mientras que la situación política y militar se deteriora. Para Estados Unidos y para Obama, si sale cara pierden; si sale cruz, también pierden.

* De La Jornada de México. Especial para Página/12.