sexta-feira, 31 de julho de 2009

DIREITA GOLPISTA MOSTRA OS CANINOS


Bernardo declara guerra à "molecada"

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou nesta quinta-feira, em entrevista à Agência Estado, que são de "má-fé" as avaliações de alguns consultores, aos quais ele se referiu como "molecada", de que há um quadro de incertezas no mercado sobre a condução da política fiscal.

"Os especuladores criaram este quadro de incerteza em 2002 para prejudicar o presidente Lula e não conseguiram, mas o país foi muito prejudicado. Não podemos deixar que isso aconteça", reagiu.

Em 2002, ano de eleição presidencial, movimentos contrários ao então candidato Luiz Inácio Lula da Silva propagavam a notícia de que ele mudaria a política econômica. Esses boatos levaram a uma crise econômica que deixou o país sem financiamento externo e com o risco Brasil acima de 2 mil pontos.

"Essa é uma forma muito ruim de ganhar dinheiro", criticou o ministro, referindo-se às análises de algumas consultorias que afirmam que o quadro de incertezas aumentou com o resultado ruim das contas públicas em junho. "Não há quadro de incertezas. O Brasil tem uma previsibilidade muito grande para as empresas que querem investir. Acho lamentável que essa molecada fique divulgando estas informações."

MONITOR MERCANTIL

Nota do Blog: Esta postagem foi inspirada no Hora do Povo.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

El sexo es peor que Marx


Hablar de sexo espanta a monseñor

Página/12

Un manual elaborado por expertos de los ministerios de Educación y Salud de la Nación dio pie a un exaltado “mensaje” del arzobispo de La Plata, Héctor Aguer, quien puso si no el grito al menos el texto en el cielo, ante lo que consideró de “inspiración neomarxista”. Aún más: el Material de Formación de Formadores en Educación Sexual y Prevención del VIH/sida –que fue avalado por organismos internacionales– resulta “reduccionista” y “constructivista” para monseñor. Consultado por este diario, el flamante ministro de Educación nacional, Alberto Sileoni, advirtió que no era su intención polemizar: “El que critica Aguer es un documento que se desprende de una ley, la 26.150, de Salud Sexual Integral. Y para este ministerio la ley no es una opinión, sino una disposición normativa que da la sociedad y hay que cumplir”.

“Reduccionista”, porque la idea de la sexualidad no contempla el bien integral de la persona ni menciona el amor. “Constructivista”, porque no reconoce la existencia de una naturaleza de la persona, ni la de sus actos. Finalmente, “neomarxista”, porque interpreta la sexualidad según la dialéctica del poder. Esas son las principales falencias que Aguer achacó al Material en un comunicado dado a conocer el mismo día en que asumían las nuevas autoridades del Ministerio de Educación, comenzando por su titular, Alberto Sileoni, aun cuando la piedra (o quizá habría que decir el cuadernillo) del escándalo date de 2007, haya tenido circulación restringida en una zona del país y tuviera como destinatarios, pura y exclusivamente, a adultos formadores de otros adultos.

Aguer también encontró que la recopilación de materiales, en la cual “la ideología de género se expresa (...) con el máximo rigor”, tiene un “designio profundo”: la “‘desconstrucción’ (sic) de una concepción de la sexualidad de acuerdo con el orden natural y con la tradición cristiana”. Se trata, en suma, de un texto ateo, con espíritu coercitivo, que atropella la libertad de conciencia, la de enseñar y también la de aprender. “Resulta una especie de religión secular, ajena a la tradición nacional y a los sentimientos cristianos de la mayoría de nuestro pueblo.”

“La de monseñor es una posición conocida en ese sentido”, señaló el ministro Sileoni a este diario. “Sin ánimo de polemizar –continuó–, simplemente decimos que no creemos que sea neomarxista y ateo. No es un material que alienta la genitalidad exclusivamente. Nosotros somos el Ministerio de Educación y sostenemos la enseñanza de valores. Entre los valores que para nosotros son muy importantes está el amor, el respeto al otro, el respeto a la interioridad de las personas, a sus ideas. Y lo reitero: el ministerio se limita a cumplir con una ley nacional.”

Originalmente, el Material (en rigor, un compendio de materiales de orígenes diversos, desde instituciones internacionales hasta especialistas de Argentina y el extranjero, pasando por documentos emitidos por la OMS y organismos estatales) tenía como destino auxiliar y facilitar herramientas a formadores de docentes del Noroeste del país. Fue producido y enviado en 2007, y cumple con los lineamientos curriculares que el propio Ministerio de Educación emitió tras la construcción de consensos del Consejo Federal de Educación. “¿Por qué hacemos esto?”, se preguntó Sileoni en diálogo con Página/12 al referirse a la participación que la Ley de Educación Sexual asignó al Ministerio de Educación, y explicó: “En primer lugar, para trabajar en la prevención de enfermedades de transmisión sexual. En segundo, para tratar de trabajar, desde la escuela, en contra del embarazo temprano, que en la zona a la que fueron destinados los materiales en 2007 es del 25 por ciento. Y tercero, porque la información también disminuye la incidencia del abuso infantil. Esas son nuestras peleas, y por eso no queremos entrar en otras discusiones que distraen”.

Por su parte, la capacitadora, docente y asesora de instituciones educativas Marta Weiss, quien trabajó en la compilación del Material, señaló que “es preciso tomar distancia y no caer en la misma trampa”. “En realidad –agregó–, reduccionista es el comunicado, porque la ley nacional instala tres ejes alrededor de los cuales se nuclea todo lo demás: la integralidad de la sexualidad humana, la perspectiva de derechos humanos y el cuidado de la salud. De todas maneras, la reacción de Aguer me sorprende, porque yo misma he sido llamada por escuelas católicas, a través del ministerio, para que explicara los alcances y la implementación de la Ley de Educación Sexual, en su momento. Claro que la Iglesia no es una institución monolítica, y Aguer representa sólo uno de sus sectores.” Algo de sorpresa, reconoció Mirta Marina, coordinadora del Programa Nacional de Educación Sexual Integral, despertó el exabrupto de monseñor: “Sabemos que hacer cumplir la ley es un desafío y sigue habiendo resistencias, pero esperábamos discutir por lo que estamos haciendo hoy, no por un material del que no renegamos pero que pertenece a otra etapa.”

Gripe suína (2)


José Saramago

Continuemos. No ano passado, uma comissão convocada pelo Pew Research Center publicou um relatório sobre a “produção animal em granjas industriais, onde se chamava a atenção para o grave perigo de que a contínua circulação de vírus, característica das enormes varas ou rebanhos, aumentasse as possibilidades de aparecimento de novos vírus por processos de mutação ou de recombinação que poderiam gerar vírus mais eficientes na transmissão entre humanos”. A comissão alertou também para o facto de que o uso promíscuo de antibióticos nas fábricas porcinas – mais barato que em ambientes humanos – estava proporcionando o auge de infecções estafilocócicas resistentes, ao mesmo tempo que as descargas residuais geravam manifestações de escherichia coli e de pfiesteria (o protozoário que matou milhares de peixes nos estuários da Carolina do Norte e contagiou dezenas de pescadores).

Qualquer melhoria na ecologia deste novo agente patogénico teria que enfrentar-se ao monstruoso poder dos grandes conglomerados empresariais avícolas e ganadeiros, como Smithfield Farms (suíno e vacum) e Tyson (frangos). A comissão falou de uma obstrução sistemática das suas investigações por parte das grandes empresas, incluídas umas nada recatadas ameaças de suprimir o financiamento dos investigadores que cooperaram com a comissão. Trata-se de uma indústria muito globalizada e com influências políticas. Assim como o gigante avícola Charoen Pokphand, radicado em Bangkok, foi capaz de desbaratar as investigações sobre o seu papel na propagação da gripe aviária no Sudeste asiático, o mais provável é que a epidemiologia forense do surto da gripe suína esbarre contra a pétrea muralha da indústria do porco. Isso não quer dizer que não venha a encontrar-se nunca um dedo acusador: já corre na imprensa mexicana o rumor de um epicentro da gripe situado numa gigantesca filial de Smithfield no estado de Veracruz. Mas o mais importante é o bosque, não as árvores: a fracassada estratégia antipandémica da Organização Mundial de Saúde, o progressivo deterioramento da saúde pública mundial, a mordaça aplicada pelas grandes transnacionais farmacêuticas a medicamentos vitais e a catástrofe planetária que é uma produção pecuária industralizada e ecologicamente sem discernimento.

Como se observa, os contágios são muito mais complicados que entrar um vírus presumivelmente mortal nos pulmões de um cidadão apanhado na teia dos interesses materiais e da falta de escrúpulos das grandes empresas. Tudo está contagiando tudo. A primeira morte, há longo tempo, foi a da honradez. Mas poderá, realmente, pedir-se honradez a uma transnacional? Quem nos acode?

Gripe suína (1)


José Saramago

Não sei nada do assunto e a experiência directa de haver convivido com porcos na infância e na adolescência não me serve de nada. Aquilo era mais uma família híbrida de humanos e animais que outra coisa. Mas leio com atenção os jornais, ouço e vejo as reportagens da rádio e da televisão, e, graças a alguma leitura providencial que me tem ajudado a compreender melhor os bastidores das causas primeiras da anunciada pandemia, talvez possa trazer aqui algum dado que esclareça por sua vez o leitor. Há muito tempo que os especialistas em virologia estão convencidos de que o sistema de agricultura intensiva da China meridional foi o principal vector da mutação gripal: tanto da “deriva” estacional como do episódico “intercâmbio” genómico. Há já seis anos que a revista Science publicava um artigo importante em que mostrava que, depois de anos de estabilidade, o vírus da gripe suína da América do Norte havia dado um salto evolutivo vertiginoso. A industrialização, por grandes empresas, da produção pecuária rompeu o que até então tinha sido o monopólio natural da China na evolução da gripe. Nas últimas décadas, o sector pecuário transformou-se em algo que se parece mais à indústria petroquímica que à bucólica quinta familiar que os livros de texto na escola se comprazem em descrever…

Em 1966, por exemplo, havia nos Estados Unidos 53 milhões de suínos distribuídos por um milhão de granjas. Actualmente, 65 milhões de porcos concentram-se em 65.000 instalações. Isso significou passar das antigas pocilgas aos ciclópicos infernos fecais de hoje, nos quais, entre o esterco e sob um calor sufocante, prontos para intercambiar agente patogénicos à velocidade do raio, se amontoam dezenas de milhões de animais com mais do que debilitados sistemas imunitários.

Não será, certamente, a única causa, mas não poderá ser ignorada. Voltarei ao assunto.

O golpe em Honduras e os neoconservadores dos EUA


Os militares hondurenhos não dariam um golpe de Estado se não contassem com respaldo de alguns setores, nos Estados Unidos, que se opõem à política exterior do presidente Barack Obama, sobretudo com respeito à Venezuela, Cuba e à América Latina, e querem criar-lhe dificuldades. A análise é do cientista político Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira, em entrevista ao jornal A Tarde. Para ele, é provável que setores da CIA e do Pentágono, que se alinham com os neo-conservadores, tenham dado o sinal verde para a derrubada do presidente Manuel Zelaya.

Moniz Bandeira - A Tarde

Entrevista publicada no jornal A Tarde, de Salvador.

A Tarde: Com relação à crise em Honduras, é possível que tenha havido alguma participação dos Estados Unidos?

Moniz Bandeira – Eu não diria participação dos Estados Unidos, mas me parece certo que os militares hondurenhos não dariam um golpe de Estado se não contassem com respaldo de alguns setores, nos Estados Unidos, que se opõem à política exterior do presidente Barack Obama, sobretudo com respeito à Venezuela, Cuba e à América Latina, e querem criar-lhe dificuldades. Há fortes evidências neste sentido. Congressistas do Partido Republicano, como Mário Díaz-Balart, da representante da comunidade cubano-americana de Miami, e Mike Pence, também um conservador extremista, declararam que não houve golpe militar no sentido do termo e atacaram a posição do governo de Obama bem como a posição assumida pela OEA. O mesmo pronunciamento fez Roger Noriega, ex-secretário assistente o para o Hemisfério Ocidental, no governo do presidente George W. Bush, e o que mais impulsionou o agravamento das sanções contra Cuba, que Obama agora começa a reverter. Manifestou-se abertamente em favor do golpe militar, alegando que o presidente Manuel Zelaya agiu fora da lei e que os “irresponsáveis diplomatas regionais, que haviam falhado de confrontar os caudilhos anti-democráticos caudillos na Venezuela, Bolívia, Equador, Nicarágua e Honduras, foram cúmplices nos seus abusos”.

Esses neocons (neo-conservadores) justificaram o golpe militar, dizendo que os hondurenhos, derrubando o governo do presidente Manuel Zelaya, atuaram para defender a democracia e preservar a lei. Mas não que o governo de Manuel Zelaya houvesse suprimido no país as liberdades civis e as instituições democráticas.

AT: Mais precisamente, quais os vínculos que os militares em Honduras têm com os Estados Unidos?

MB – Provavelmente, setores da CIA e do Pentágono, que se alinham com os neo-conservadores e se opõem à política do presidente Barack Obama, deram ao Exército o sinal verde hondurenho para a derrubada do presidente Manuel Zelaya. Em Honduras, a presença militar dos Estados Unidos é marcante. Lá, na base aérea de Soto Cano (Palmerola), está sediada a Joint Task Force-Bravo, integrante do U.S. Southern Command (Southcom), com cerca de 350 a 500 soldados, do 612th Air Base Squadron e o 1st Battalion, 228th Aviation Regiment. Nessa base, nos anos 1970 e 1980, foram treinadas as tropas hondurenhas, integrantes do Batalhão 3-6, acusadas de inúmeros seqüestros, abusos e crimes contra os dissidentes hondurenhos. E, nos anos 1980, Honduras foi o santuário dos “contra”, dos guerrilheiros que combatiam o governo sandinista da Nicarágua, com recursos financeiros ilegais fornecidos pela administração do presidente Ronald Reagan. É lógico, portanto, concluir que os militares hondurenhos não se atreveriam a dar um golpe de Estado, em franco desafio à política exterior que o presidente Barack Obama pretende executar, sem contar com o respaldo de setores políticos do Partido Republicano, bem como do Pentágono e da CIA.

AT: O senhor disse em entrevista que Obama não teria condições de reverter a política externa de George W. Bush, que tais mudanças seriam apenas "cosméticas". Se a política externa que está sendo construída por Obama é tão “cosmética“, por que teria causado insatisfação destes setores internos do governo norte-americano, a ponto de fazê-los incitar um golpe em Honduras?

MB – Eu disse que ele, fundamentalmente, não tem condições de reverter, porque um presidente, qualquer que seja sua tendência política, não pode fazer o que quer, o que deseja, devido às relações reais de poder nos Estados Unidos. O presidente, em qualquer país, sobretudo dentro de um regime democrático, faz apenas o que pode, dentro da correlação de forças existente na sociedade. Obama, por exemplo não pode cortar substancialmente as encomendas do Pentágono, a fim de reduzir o déficit fiscal dos Estados Unidos, que cresce de ano a ano. Se tentasse fazê-lo, diversas indústrias de material bélico logo quebrariam, aumentando o desemprego e arruinando os Estados onde estão instaladas. Nos anos 1980, o Estado da Califórnia dependia mais do que qualquer outro das despesas militares, a maior parte com programas nucleares, tais como a fabricação dos bombardeios B-1 e B-2, o Tridente I e o Tridente II, os mísseis MX, a Strategic Defense Initiative (guerra nas estrelas), e vários outros programas, tais como o MILSTAR. As empresas contratadas recebiam 20% do orçamento do Departamento de Defesa. As pessoas e as organizações na Califórnia e em outros Estados naturalmente que se opunham à redução das encomendas de material bélico.

AT: Zelaya, Chávez e Evo Morales se sustentam num discurso de representação dos pobres. Esse neo-populismo de esquerda seria a única resposta possível aos regimes de direita, militares e conservadores que eram apoiados pelos Estados Unidos entre os anos 60 e 80 na região? A política de Chávez, que apontou o governo Micheletti de "ditadura", não seria também opressora para com os opositores do governo venezuelano?

MB – Não vou entrar no caso de Honduras, porque a situação, na América Central, não é igual à da América Sul. Do ponto de vista geopolítico, os países da América Central, como Honduras, gravitam mais na órbita dos Estados Unidos. Porém, o que sei é que Hugo Chávez e Evo Morales foram eleitos democraticamente e seus governo exprimem um tipo de revoltas das camadas mais exploradas e oprimidas, tanto na Venezuela como na Bolívia. E falar de “neo-populismo de esquerda” nada explica, porque, antes de tudo, é necessário explicar porque “neo”, porque “populismo”, porque “de esquerda”. O populismo é um fenômeno bastante complexo, que apresenta, em cada país, especificidades, e esse conceito perde, na generalização, o rigor científico e, em conseqüência, a utilidade teórica e prática. De modo geral, é um contrabando ideológico que os conservadores aplicam a todos os governos que tratam de atender às reivindicações populares, contrariando os interesses das elites, das classes dirigentes. E quanto ao governo do presidente Chávez, embora não se possa estar de acordo ou aprovar todas as suas iniciativas, todas as suas atitudes, não se pode dizer que sua política é “opressora” dos que se opõem ao seu governo. Que eu saiba, lá não há presos políticos e a imprensa não está sob censura. Mas é bom lembrar que os Estados Unidos, em abril de 2002, apoiaram abertamente um golpe militar-empresarial para derrubá-lo e, através da National Endowment for Democracy (NED), com fundos do Congresso, sempre financiaram, na América Latina, sobretudo na Venezuela e em Cuba, as correntes de oposição, que dizem defender a democracia.

AT - Neste novo contexto latino-americano, há definições possíveis e claras para democracia e ditadura? Quais os exemplos?

MB - Não vou entrar em discussões teóricas, conceituais, sobre o que é democracia e o que é ditadura, numa simples entrevista, sobre um caso concreto, como o golpe militar em Honduras.

AT - A Igreja Católica em Honduras foi a única instituição a defender o novo governo de Micheletti, alegando evitar a infiltração de um modelo chavista. Como avalia esta posição?

MB –A Igreja Católica tende, em geral, para o conservadorismo. No Brasil, apoiou o golpe militar de 1964, mas depois grande parte do clero inflectiu para a oposição à ditadura.

AT - Até agora o governo brasileiro tem se mantido afastado da crise em Honduras? A que o senhor atribui essa posição do governo brasileiro?

MB – O Brasil tem como princípio de política exterior não intervir nos negócios internos de outros países. Porém, demonstrando de forma inequívoca que não reconhece o governo emanado do golpe de Estado, retirou seu embaixador de Tegucigalpa.

CARTA MAIOR

Grite "Não!"

Anoitecer na beira do Guaíba (sem os prédios residenciais):

No próximo sábado, 1 de agosto, a partir das 15h, a Casa de Cinema de Porto Alegre estará gravado depoimentos para a campanha pelo NÃO na Consulta Popular que acontece no dia 23 de agosto. Para quem chegou agora de Marte: os porto-alegrenses vão decidir, pelo voto espontâneo, se será permitido construir residências no Pontal do Estaleiro Só. Mas o resultado dessa votação transcende aquela área. Simbolicamente está em jogo um modelo de cidade. Queremos viver entre um monte de arranha-céus, alguns deles tapando o pôr do sol no Guaíba, ou numa cidade razoavelmente horizontal, como determina o atual Plano Diretor?

Leia + no Blog do Gerbase.

DIGA-ME COM QUEM ANDAS...


...E TE DIREI QUEM ÉS.

CURTO E GROSSO


'Esse Rubinho só atrapalha. Não ganha e ainda cria problema. Quase matou o Massa. Sorte que bateu nos pneus. Se fosse como o Senna, no muro, já era.'

Maguila
Ex-pugilista, cantor de pagode

quarta-feira, 29 de julho de 2009

AGORA A COISA VAI...


NOTA DO BLOG: A Nike é acusada de utilizar trabalho infantil para reduzir custos.

Nike e Adidas pressionam EUA por solução em Honduras

Carlos Chirinos
Da BBC Mundo em Washington

As fabricantes de artigos esportivos Nike e Adidas e as confecções Gap e Knight Apparel enviaram uma carta ao Departamento de Estado americano pedindo uma solução pacífica para a crise política em Honduras.

As quatro empresas fabricam parte de produtos no país da América Central, e se dizem "profundamente preocupadas pelos recentes acontecimentos".

"Entendemos que existem graves divergências entre o presidente eleito (o deposto Manuel Zelaya), o Congresso e a Suprema Corte, mas essas diferenças deveriam ser resolvidas através de um diálogo pacífico e democrático, em vez de ações militares", diz a carta, endereçada à secretária de Estado, Hillary Clinton, e com cópia enviada ao secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza.

As companhias garantem que "não apoiam nem apoiarão nenhuma das partes na disputa interna", mas consideram necessário unir as vozes da comunidade internacional que defendem "a restauração da democracia em Honduras".

A carta rompe com o que vinha sendo até agora a posição do setor privado hondurenho em relação à deposição de Zelaya, no último dia 28 de junho, que é majoritariamente favorável ao governo interino nomeado pelo Congresso e liderado por Roberto Micheletti.

'Liberdades civis'

A assessoria de imprensa da Nike disse à BBC Mundo que "até o momento não houve nenhuma interrupção de sua produção" em Honduras.

"Apresentamos esta carta junto com as outras marcas porque sentimos que podemos enviar uma mensagem mais forte a partir da união das empresas em apoio a assuntos como este", disse a assessoria, por e-mail.

"Sempre defendemos energicamente os direitos e as liberdades civis dos trabalhadores contratados por nossas fábricas ao redor do mundo", segue a mensagem.

A iniciativa das empresas foi elogiada pela Rede de Solidariedade a Manufatureiros (MSN, na sigla em inglês), uma organização com sede no Canadá que defende os direitos dos trabalhadores empregados pelas chamadas "maquiladoras" (fábricas que finalizam produtos para empresas estrangeiras), em todo o mundo.

Segundo Linda Yanz, diretora da MSN, esta é a primeira vez que companhias que utilizam "maquiladoras" se pronunciam a favor da constitucionalidade em alguns dos países do Terceiro Mundo onde atuam.

"Seguir fazendo negócios como de costume não é uma opinião. Estas marcas não estão tomando posição na política interna do país, mas estão dizendo que as divergências devem ser resolvidas pacificamente", disse Yanz à BBC Mundo.

Mas para Jesús Canahuati, diretor da Associação Hondurenha de Maquiladores, as empresas assinantes da carta estão tomando partido.

"Elas estão dizendo que em Honduras não há democracia", afirmou ele à BBC Mundo. "Mas aqui não há um governo militar mandando em nenhuma instituição."

"Estas empresas não têm que se pronunciar porque os temas ainda não estão esclarecidos", disse Canahuati, referindo-se ao debate sobre a legalidade do mecanismo que tirou Zelaya do poder e que divide os hondurenhos.

A crise política em Honduras eclodiu depois que Zelaya tentou fazer uma consulta pública para perguntar se a população apoiava suas medidas para mudar a Constituição.

A oposição era contra a proposta de Zelaya de acabar com o atual limite de apenas um mandato por presidente, o que poderia abrir caminho para uma reeleição do atual presidente deposto.

QUINO

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR:

Desenho de Quino na década de 70. Alguma coisa mudou?

MANCHETES DO DIA...



Terra Brasil: Massa enxerga com olho esquerdo e conversa em três línguas, diz médico

Ionline.pt: Felipe Massa já acordou do coma e até falou três línguas

JORNAL WEB: Massa enxerga com olho esquerdo e conversa em três línguas

NewsBot: Massa enxerga com olho esquerdo e conversa em três línguas

Linkk: Felipe Massa enxerga com olho esquerdo e conversa em três línguas


Comentam as más línguas que duas dessas línguas ele não falava antes do acidente...

terça-feira, 28 de julho de 2009

Los obreros masacran el capitalismo en China

Vista de Jilin, capital da Província de mesmo nome:

El capitalismo tiene efectos mortales en China. Enfurecidos por el anuncio de que la fusión entre el gigante estatal Tonghua Iron and Steel Group y la corporación privada Jianlong Steel Holding Company, con base en Pekín, dejaría sin empleo al 80% de los empleados de la compañía de acero y hierro más grande de la provincia de Jilin –en el viejo corazón industrial del nordeste chino–, tres mil operarios asesinaron a golpes y patadas al flamante gerente encargado de la operación. El viernes, después de tres días de protestas y parálisis de siete altos hornos de la planta –que produce anualmente unos siete millones de toneladas de acero–, Chen Guojun intentó sin éxito negociar con los manifestantes, que lo sacaron a la rastra de la sala de reuniones, lo golpearon y lo arrojaron desde el segundo piso. En respuesta al incidente, el gobierno comunista anunció ayer la suspensión “definitiva” de la venta de Tonghua, que fue anunciada por los altoparlantes de la fábrica y celebrada con fuegos artificiales por los obreros.

Crítica de la Argentina

QUEM MANDA NA ARGENTINA


PATRONES DE ESTANCIA

Por Fernando Krakowiak, para Página/12

Los dirigentes de la Mesa de Enlace dejaron entrever ayer una singular idea sobre lo que entienden por “diálogo” al afirmar que esperan que el Gobierno apruebe el listado de exigencias que llevarán el viernes a la reunión con el jefe de Gabinete, Aníbal Fernández. Sienten que luego de las elecciones legislativas quedaron en una posición inmejorable y no quieren dejar pasar la oportunidad. “Nos decían que les ganemos en las urnas y les ganamos. ¿Que nos queda por ganar? El problema es que nadie de la oposición se hizo cargo. La pelota está picando y hay que agarrarla antes de que la agarren los Kirchner”, afirmó ayer el titular de la Sociedad Rural, Hugo Biolcati, metiéndole presión a los partidos políticos aliados ante un auditorio de productores enfervorizados que se regodeaban con cada crítica al oficialismo y subían la apuesta a los gritos: “Hay que sacarlos”, “que se vayan”, “ladrones”, “tienen que ir presos”, “el viernes hay que ir con el cuchillo bajo el poncho”.

En el escenario del Pabellón Rojo de La Rural, los dirigentes de las entidades sonreían ante cada comentario del público y se iban entusiasmando cada vez más. “No hay margen para que esto sea más cosmética y más maquillaje. Ni ellos tienen margen político ni nosotros tenemos la disposición a una tolerancia indefinida”, sostuvo Eduardo Buzzi, quien ni siquiera tuvo piedad con los gestos conciliadores que viene haciendo el gobernador bonaerense, Daniel Scioli. “No hay margen para que vengan a querer reconciliarse con una visita como hizo Scioli. Recién hoy (por ayer) le va a explicar a la Presidenta. ¿Donde estaba durante todo este tiempo?”, remarcó el presidente de Federación Agraria, pese a que desde las elecciones no paró de criticar al Gobierno por “no escuchar el mensaje de las urnas”.

El vicepresidente de Confederaciones Rurales y diputado electo por la Coalición Cívica y Social, Ricardo Buryaille, también se acordó de Scioli. “Yo nunca confundí un travesti con una mujer. Por eso les pido que no confundamos el travestismo político con lo que realmente es. Yo lo quisiera tener como compañero de truco porque no sé si miente ahora o mentía antes. No se le mueve un músculo”, remató e hizo silencio para darles lugar a los silbidos.

Por si algún desprevenido no había entendido el mensaje, Llambías reiteró el ultimátum que llevarán a la reunión con el Gobierno. “El jefe de Gabinete, la Presidenta y todos los funcionarios tienen que saber que el campo va el viernes a encontrar soluciones. No queremos más demoras.” Luego la emprendió contra Néstor Kirchner. Durante la campaña electoral, el ex presidente había tildado a los ruralistas de “hijos de Martínez de Hoz” y Llambías se vio en la obligación de aclarar que él no había sentido esa calificación como una ofensa. “Martínez de Hoz fue uno de los fundadores de la Sociedad Rural Argentina y merece el mayor de mis respetos”, aseguró en referencia al bisabuelo de José Alfredo, ministro de Economía de la última dictadura militar. Los presentes en la sala agradecieron el gesto con una ovación.

Luego de la catarsis colectiva, los ruralistas detallaron su pliego de condiciones. Exigen retenciones cero para todas las producciones agropecuarias, menos para la soja, donde están dispuestos a aceptar un 25 por ciento, aunque sólo para los grandes empresarios. Van a pedir que a los que producen hasta 700 toneladas les den un bono por un monto equivalente a las retenciones que podrían aplicar al pago de cualquier obligación impositiva, mientras que los que producen hasta 1500 toneladas obtendrían otro bono para ser destinado al pago de Ganancias. Además, dijeron que su intención es que ese 25 por ciento sea sólo coyuntural, hasta que el Gobierno encuentre otra vía de financiamiento. La lista de reclamos también incluye un pedido de liberación de precios y de exportaciones.

Parece una apuesta de máxima, pero “las bases” que estaban presentes en el acto lo consideraron insuficiente y comenzaron con los silbidos y los abucheos apenas sus representantes mencionaron la palabra bono. En ese momento tomó la posta Carlos Garetto, presidente de la supuestamente moderada Coninagro. “Las retenciones son el impuesto más recesivo y más confiscatorio del país. No existe en ningún lugar del mundo (sic), pero lo que estamos planteando es una eliminación gradual que no afecte el equilibrio fiscal”, remarcó ante los chacareros más fanáticos que por un momento miraron a los dirigentes como si fueran traidores a la patria. Entonces fue el turno de Buzzi, quien también consideró necesario congraciarse con los presentes en la sala. “Las retenciones a la Federación Agraria tampoco le gustan, pero van a quedar al menos otros tres años. Por lo tanto, lo que hay que hacer es condicionarlas, acotarlas y ponerles fecha de vencimiento. La aspiración de todos nosotros es retenciones cero”, afirmó como si fuera el presidente de la Sociedad Rural.

Los empresarios le apuntaron luego a la Oficina Nacional de Control Comercial Agropecuario (Oncca) que ven como la máxima expresión del “intervencionismo estatal”. “Queremos que la Oncca vuelva a cumplir sus funciones originales de fiscalización, sino no hay ninguna posibilidad de llegar a un acuerdo”, dijo Biolcati. Enseguida Ricardo Buryaille fue más allá y sostuvo que la Oncca debería cumplir “funciones estadísticas, si es que sirve de algo”.

En todo momento, los ruralistas dejaron entrever que no confían en la convocatoria oficial y que sus fichas están puestas en el Congreso. De hecho, las exigencias que llevarán el viernes están armadas casi para que les digan que no y entonces seguir con la vía parlamentaria sin cargar con el peso de haber desconocido el diálogo. De otro modo, resulta difícil entender el planteo que formularon ayer al remarcar que no aceptaran contraofertas. Incluso mingunearon la convocatoria al Consejo Económico y Social diciendo que no les gusta que los lleven “a los empujones” a lugares que no saben para qué sirven.

El cierre del acto estuvo a cargo de Santiago Kovadloff, quien se mostró a tono con los discursos que lo precedieron. “El oficialismo no aspira a cambiar sino a camuflar su resistencia al cambio. Cede en apariencia, pero no en la realidad porque lo que busca es desquite”, sostuvo. “Ya nadie consciente de los dilemas de la Argentina se atreve a reclamar el liderazgo de un hombre providencial. Tal vez el pluralismo nos quede grande, pero el caudillismo nos queda chico. Por eso la Argentina de hoy está mejor preparada para enfrentar la crisis. Votó para probar que sabe lo que busca. Votó para que su exigencia se convierta en realidad”, afirmó el filósofo para el deleite de “las bases” que se regodeaban pensando en lo que vendrá.

fkrakowiak@pagina12.com.ar

BEM DEVAGAR

Revenge from lernert Engelberts on Vimeo.



Blue Bus

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Una prostituta asegura que Berlusconi le prometió una banca en el Parlamento europeo


ROMA (ANSA)-. La prostituta de lujo Patrizia D´Addario reveló a un periódico europeo que el premier italiano Silvio Berlusconi le había ofrecido un escaño en el Parlamento Europeo.

"Berlusconi me ofreció una banca de diputada europea", declaró la acompañante al Journal du Dimanche.

En la entrevista al semanario francés, D´Addario no dice haber hablado directamente de política con Berlusconi, pero afirma que Giampaolo Tarantini, el manager que la había puesto en contacto con el premier, le pidió el currículum que servía, según le habría explicado Tarantini, para proponer su candidatura al Parlamento europeo.

En The Times, Josephine McKenna también escribió sobre el ofrecimiento de un escaño en el Parlamento Europeo, propuesta que la prostituta habría rechazado.

"Si Berlusconi hubiese mantenido la promesa yo hoy sería feliz, pero esto no sucedió", dijo.

El artículo recuerda las polémicas que siguieron a las propuestas electorales que Berlusconi hizo a inicios del año a varias "show girls" y las protestas desencadenadas por la intervención de su esposa, Verónica Lario.

La Nacion

Vinho tinto aumenta libido feminina


Uma pesquisa de uma universidade italiana afirma que o consumo moderado de vinho tinto pode aumentar a libido sexual feminina.

O estudo da Universidade de Florença foi feito com 798 mulheres italianas entre 18 e 50 anos na região de Chianti, na Toscana.

Elas foram classificadas em três grupos conforme o hábito diário de consumo de vinho: as que consomem entre uma ou duas taças de vinho, as que não consomem vinho e as que bebem mais de duas taças.

As mulheres – todas consideradas sexualmente saudáveis – responderam questionários com 19 perguntas sobre sexualidade. Os questionários medem o índice FSFI (Female Sexual Function Index, em inglês), uma medida usada em outros estudos científicos sobre sexualidade feminina.

O grupo que apresentou os maiores índices de desejo sexual, de acordo com as respostas dos questionários, foram as mulheres que consomem uma ou duas taças de vinho por dia.

Os pesquisadores do estudo fazem duas ressalvas sobre o estudo.

"Nenhuma diferença significativa foi encontrada entre os grupos em relação à incitação, satisfação, dor e orgasmo", afirmam os cientistas no artigo publicado na revista científica Journal of Sexual Medicine.

"Enquanto este resultado precisa ser interpretado com cautela, devido ao pequeno número da amostragem [...] e pela falta de dados de exames de laboratório, ainda assim o estudo sugere potencialmente uma correlação entre o consumo de vinho tinto e melhor sexualidade."

BBC

Médicos em Guantánamo violam ética profissional


Um relatório publicado nesta sexta-feira na revista científica Lancet afirma que a participação de médicos em interrogatórios e práticas de alimentação forçada de prisioneiros na prisão americana em Guantánamo é uma violação dos códigos de ética da profissão.

O relatório critica o Departamento de Defesa por empregar profissionais de saúde nessas práticas, que qualificou de "brutais" e "inconsistentes com a ética médica", e afirma que o histórico da base na ilha de Cuba "arranhou a integridade dos médicos que trabalham para as Forças Armadas e a Agência de Inteligência Americana (CIA)".

"Médicos militares desenvolveram e implementaram métodos de interrogatório, incluindo privação de sono, isolamento, ameaças, nudez e posições de estresse", afirmam os autores do texto, os diretores-executivos das ONGs Médicos pelos Direitos Humanos, Leonard S. Rubinstein, e da Advogados e Médicos Globais, George J. Annas.

"A divulgação de memorandos até então secretos do Departamento de Justiça mostra o envolvimento de médicos que trabalham para a CIA criando, utilizando e monitorando métodos de interrogatório, incluindo a simulação de afogamento. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha estabeleceu que esses métodos configuram tortura."

Em uma carta enviada à revista Lancet em março, médicos de diversos países já haviam protestado contra as práticas de Guantánamo. Na ocasião, o Pentágono respondeu que "declarações de organizações profissionais de médicos, advogados, dentistas etc. não são tratados internacionais e, portanto, não são de cumprimento obrigatório e não são aplicáveis a Estados-nações soberanos".

Alimentação forçada

No documento publicado nesta sexta-feira, Rubinstein e Annas criticam duramente o chamado Relatório Walsh, uma revisão da situação dos presos de Guantánamo apresentada em fevereiro deste ano pelo almirante Patrick M. Walsh e encaminhada ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Walsh avalizou a prática de alimentar prisioneiros em greve de fome à força como um gesto necessário para poupar a vida e a saúde dos detidos.

A prática consiste em administrar uma substância nutritiva por meio de sondas nasais a prisioneiros que são imobilizados por até duas horas, amarrados com correntes na altura dos braços, das pernas e no peito.

"A equipe de Walsh não questionou os princípios éticos do uso desse protocolo", dizem Rubinstein e Annas. Eles expressaram sua oposição ao fato de um profissional não-médico (no caso o comandante da base) ser o responsável por determinar o procedimento.

Além disso, notaram, o uso de coerção e imobilização física é condenado pela Associação Médica Mundial como "tratamento desumano e degradante".

Interrogatórios sem ética

Rubinstein e Annas também criticam a participação de psicólogos e psiquiatras em sessões de interrogatório.

"A participação de especialistas em ciências comportamentais viola os princípios éticos das profissões de saúde. Interrogatórios quase sempre incluem maneiras de elevar os níveis de estresse dos prisioneiros, e são inconsistentes com o dever da beneficência", afirmaram.

Para eles, "mesmo na ausência de tortura", a prática "é uma violação do seu dever de não infligir dano, e portanto antiética".

Em outras ocasiões, o governo americano já expressou seu apoio à participação de profissionais de saúde em práticas da prisão de Guantánamo, afirmando que os médicos operam dentro das "políticas e procedimentos" do governo.

sábado, 25 de julho de 2009

Joe Zawinul,Trilok Gurtu Orient Express Part1

Concurso premia melhor cantada por assobio


Freya McClements
Da BBC News em Belfast

Uma cidade da Irlanda do Norte parou, na quarta-feira, para realizar o primeiro campeonato de assobios "de paquera" do país.

Além de disparar o melhor '"fiu-fiu" diante de um desfile de mulheres, os candidatos tiveram que se vestir como pedreiros, com direito a macacão e capacete.

"Estamos aqui por causa das lindas mulheres", brincou um dos participantes, Jimmy McKenna. "O assobio sai naturalmente."

Outro competidor, Conal O'Hanlon, de 73 anos, disse que nunca deixou de assobiar para mulheres bonitas. "Estou sempre de olho nelas", contou.

'Devoto'

O concurso fez parte do Festival Lady of the Lake, organizado na cidade de Irvinestown.

Ele foi criado pelo organizador do festival, Joe Mahon, que se diz um "devoto do fiu-fiu".

"Foi assim que conheci minha mulher, há 23 anos", contou. "Eu assobiei para ela e estamos juntos desde então."

Mahon negou ter recebido reclamações, mesmo com a natureza "politicamente incorreta" do evento.

Ele também foi o responsável pela escolha do vencedor do concurso.

O título ficou com o açougueiro Stephen Millar, de 28 anos.

"Eu assobio para qualquer garota desde que tinha 16 anos", disse. "Agora sou casado. E, claro, foi no assobio que ganhei minha mulher."

Nota do Blog do Omar: Uma conhecida me dizia: ""quando estou "baixo astral" coloco uma mini-saia e vou passear perto de uma construção"".

sexta-feira, 24 de julho de 2009

FHC E A FORD


ARTIGO POLÊMICO (Denise Nunes, para Correio do Povo, 24 de julho de 2009)

Um artigo publicado no blogue do Dem circula na Internet com chances de virar assunto na eleição de 2010. Nele, ao fazer homenagem ao avô, o deputado ACM Neto alfineta o governador Jaques Wagner, insinuando que ele não ama a Bahia como ACM.

Como prova, ACM Neto se refere a um trauma gaúcho: 'Quem não se lembra que ACM ameaçou romper com o então presidente Fernando Henrique Cardoso, caso o governo federal não ajudasse que a Ford fosse instalada na Bahia, como de fato aconteceu?'.

Nota do Blog do Omar: Se alguém tinha alguma dúvida de que a saída da Ford do RS foi orquestrada pelo governo FHC, esta é a prova cabal.

Lula anuncia projeto que prevê ampliar acesso a eventos culturais


O presidente Lula enviou ao Congresso nesta 5a projeto de lei que cria o Vale-Cultura, iniciativa que prevê ampliar o acesso do público aos produtos culturais por meio de desconto de imposto às empresas que aderirem - "O objetivo da lei é garantir que o povo mais pobre que trabalha possa ter uma contribuiçao, que nao é doaçao de empresário, porque vai ter isençao de Imposto de Renda", disse o presidente durante o anúncio. Pelo projeto, os cidadaos poderao adquirir ingressos de cinema, teatro, museu, shows, adquirir livros, CDs e DVDs por meio de um cartao magnético.

As empresas que aderirem ao sistema vao disponibilizar mensalmente até 50 reais por funcionário e terao direito a deduzir até 1% do Imposto de Renda devido. Podem participar as empresas que declaram imposto com base no lucro real e nao presumido.

Blue Bus

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Muchos enanos nazis de jardín


Un enano de jardín que hace el saludo hitleriano fue autorizado por la justicia alemana para seguir haciéndolo. La fiscalía de Nuremberg resolvió así el litigio alrededor de polémicos gnomos de parque dorados creados por el artista Ottmar Hörl, al considerar que no se está ante un caso de apología del nazismo, sino de parodia caricaturesca. “La muestra deja suficientemente claro que hay una hostilidad ideológica, no lo contrario”, dijo el veredicto sobre la exposición que se hace en una galería de la localidad germana. En Alemania la exhibición de símbolos nazis está penada por ley y puede acarrear penas de cárcel. En este caso, el brazo derecho en alto fue considerado como un símbolo de rechazo.

A todo esto, el artista alemán aseguró que su intención era presentar a los nacionalsocialistas no como los blancos, altos y heroicos hombres que sirvieron de imagen para que Hitler propagara su versión sobre la superioridad de la raza aria, sino como ridículos enanitos de jardín. Hörl creó estos muñecos por primera vez para una muestra, llamada Baile con el diablo, en la ciudad belga de Gante, donde presentó 700 de sus enanos hitlerianos.

La crítica satírica del escultor fue festejada en su paso por exposiciones en distintas ciudades de Europa, y llegó a ser halagada por la comunidad judía a punto tal que varios coleccionistas de arte de esa colectividad contactaron al artista para comprar alguna de sus piezas. No obstante, la llegada de los enanos a Nuremberg generó un revuelo que terminó en los tribunales, a partir de una denuncia anónima, para determinar si la muestra violaba o no la Constitución. Si bien Hörl, de 59 años, salió airoso, la fiscalía aclaró que este caso no es generalizable, y que habrá que analizar caso por caso cada vez que de enanos que hacen saludos hitlerianos se trate.

Crítica de La Argentina

Alimentação de Inverno


Quino

La derecha contraataca

"We can't fear the past. Fear is a future thing. And since the future’s all in our heads, fear must be a head thing."
Tom Payne

Por Immanuel Wallerstein *

La presidencia de George W. Bush fue el momento de mayor arrasamiento electoral por parte de los partidos de centroizquierda en América latina en los últimos dos siglos. La presidencia de Barack Obama corre el riesgo de ser el momento de la venganza de la derecha en América latina. La razón bien puede ser la misma: la combinación de la decadencia del poderío estadounidense con la continuada centralidad de Estados Unidos en la política mundial. Al mismo tiempo, Washington es incapaz de imponerse por sí mismo y todo el mundo espera que entre al terreno de juego en el bando de ellos.

¿Qué fue lo que ocurrió en Honduras? Hace mucho que este país es uno de los pilares más seguros de las oligarquías latinoamericanas: tiene una clase dominante arrogante y sin arrepentimiento, guarda vínculos cercanos con Estados Unidos y es el sitio de una importante base militar estadounidense. En las últimas elecciones, Manuel “Mel” Zelaya fue electo presidente.

Siendo un producto de las clases dominantes, se esperaba que continuara jugando el juego en la forma en que los presidentes hondureños lo han jugado siempre. En cambio, inclinó sus políticas hacia la izquierda. Emprendió programas internos que en verdad hicieron algo por la vasta mayoría de la población: se construyeron escuelas en áreas rurales remotas, se aumentó el salario mínimo, se abrieron clínicas de salud.

Comenzó su período apoyando el tratado de libre comercio con Estados Unidos, pero dos años después se unió al ALBA, la organización de Estados que creó el presidente Hugo Chávez. El resultado fue que Honduras obtuvo petróleo barato procedente de Venezuela. Luego propuso la celebración de un referéndum para saber si la población pensaba que era buena idea revisar la Constitución. La oligarquía gritó que éste era un intento de Zelaya de cambiar las leyes y hacer posible que él accediera a un segundo período. Dado que se preveía que la consulta ocurriera el día en que su sucesor fuera electo, ésta es claramente una razón inventada. ¿Por qué entonces escenificó el ejército un golpe de Estado con el respaldo de la Suprema Corte, el Congreso hondureño y la jerarquía católica?

Dos factores confluyen aquí: su visión de Zelaya y su percepción de Estados Unidos. En los años treinta, la derecha estadounidense atacó a Franklin Roosevelt como “traidor a su clase”. Para la oligarquía hondureña, eso significa que Zelaya, “un traidor a su clase”, es alguien que debería ser castigado como ejemplo para otros.

¿Y qué pasa con Estados Unidos? Cuando ocurrió el golpe, algunos comentaristas de la izquierda vociferante en la blogosfera lo llamaron “el golpe de Estado de Obama”.

Ni Zelaya ni sus simpatizantes en la calle, ni tampoco Chávez o Fidel Castro tienen esa visión tan simplista. Todos ellos notan la diferencia entre Obama y la derecha estadounidense (líderes políticos o figuras militares). Parece claro que la última cosa que el gobierno de Obama quería era este golpe de Estado. Ha sido un intento por forzarle la mano. Sin duda esto recibió aliento de figuras clave de la derecha estadounidense, como Otto Reich (el cubano-estadounidense y ex consejero de Bush) y el International Republican Institute.

Seamos testigos de algunas de las aseveraciones más desorbitadas de los golpistas. El ministro de Relaciones Exteriores del gobierno de facto, Enrique Ortez, dijo que Obama era un “negrito que no sabe nada de nada”. Hay alguna controversia de qué tan peyorativo es el término “negrito” en castellano. En cualquier caso, el embajador estadounidense protestó tajantemente ante el insulto. Ortez se disculpó por su “desafortunada expresión”, y se lo cambió a otro puesto en el gobierno. Ortez concedió una entrevista a la televisión hondureña diciendo: “No tengo prejuicios raciales, me gusta el negrito que está presidiendo Estados Unidos”. Sin duda, la derecha estadounidense es más cortés, pero no menos denunciatoria de Obama. El senador republicano Jim DeMint, la diputada republicana cubanoestadounidense Ileana RosLehtinen y el abogado conservador Manuel A. Estrada, todos han insistido en que el golpe estuvo justificado porque no fue un golpe de Estado, sino justamente una defensa de la Constitución hondureña. Y la blogger derechista Jennifer Rubin publicó un texto el 13 de julio titulado: “Obama está mal, mal, mal respecto a Honduras”. Su equivalente hondureño, Ramón Villeda, publicó una carta abierta al presidente estadounidense el 11 de julio, donde decía: “No es la primera vez que Washington se equivoca y abandona, en momentos críticos, a un aliado y amigo”. La derecha hondureña hace su juego buscando ganar tiempo, hasta que el período de Zelaya termine. Si logran su objetivo, habrán ganado. Y la derecha guatemalteca, la salvadoreña y la nicaragüense observan por los costados, y ya les pican las ganas de comenzar sus propios golpes de Estado contra sus gobiernos que no son ya de derecha.

Es posible que la derecha gane las elecciones este año y el año entrante en Argentina y Brasil, tal vez en Uruguay y Chile. Tres analistas importantes del Cono Sur han publicado sus explicaciones. Atilio Boron habla de la “futilidad del golpe”. El sociólogo brasileño Emir Sader dice que América latina enfrenta una encrucijada: “La profundización del antineoliberalismo o la restauración conservadora”. El periodista uruguayo Raúl Zibechi titula su análisis “La irresistible decadencia del progresismo”. Zibechi piensa que las débiles políticas de Lula, Vázquez, Kirchner y Bachelet (Brasil, Uruguay, Argentina y Chile) han fortalecido a la derecha (que avizora adoptando un estilo Berlusconi) y dividieron a la izquierda. Pienso que hay una explicación más directa y simple. La izquierda llegó al poder en América latina debido a la distracción estadounidense y a los buenos tiempos económicos. Ahora enfrenta una distracción continuada, pero los tiempos económicos son malos y comienzan a culparla porque está en el poder, aunque hay poco que puedan hacer los gobiernos de centroizquierda respecto a la economía mundial. ¿Puede Estados Unidos hacer algo acerca de este golpe de Estado? Por supuesto. Primero, Obama puede oficialmente etiquetar el golpe como un golpe de Estado. Esto podría disparar una ley estadounidense que le cortara toda la asistencia de Estados Unidos a Honduras. Puede cercenar las continuadas relaciones del Pentágono con los militares hondureños.

Puede retirar al embajador estadounidense. Puede decir que no hay nada que negociar en vez de insistir en la “mediación” entre el gobierno legítimo y los líderes golpistas. ¿Por qué no hace todo eso? Es muy simple, también. Tiene al menos otros cuatro súper puntos pendientes en su agenda: la confirmación de Sonia Sotomayor en la Suprema Corte; un desbarajuste continuado en Medio Oriente; su necesidad de pasar la legislación de salud este año (si no es en agosto, en diciembre), y de repente una presión enorme por abrir las investigaciones de los actos ilegales del gobierno de Bush. Lo siento, pero Honduras tiene el quinto lugar en la lista. Así que Barack Obama, constreñido entre dos posturas fuertes, no hace sino ganar tiempo haciendo guiños a unos y a otros, sin asumir una actitud clara. Y nadie quedará contento. Zelaya puede ser restaurado en el cargo, pero tal vez sólo tres meses a partir de ahora. Demasiado tarde. Pónganle atención a Guatemala.

* De La Jornada de México. Especial para Página/12.

RAPOSA CUIDANDO DE GALINHEIRO


Obama nomeia lobista da Monsanto para área de alimentos

Barack Obama nomeou Michael R. Taylor para o cargo de Assessor Sênior de Margaret Hamburg, Presidente da Food and Drug Administration (FDA), órgão do governo americano que regulamenta alimentos e medicamentos.

Taylor é um antigo conhecido daqueles que acompanham a novela dos transgênicos. Sua história está intimamente ligada à aprovação dos transgênicos nos EUA (e, em consquência, no mundo).

Fazendo uma retrospectiva. Em 1991, após os cientistas da FDA concluírem que não havia segurança suficiente para a liberação de alimentos transgênicos no país, o governo de Bill Clinton criou um posto no órgão especialmente para Taylor, que trabalhara por sete anos como advogado da Monsanto.

No cargo de “deputy commissioner for policy”, uma espécie de conselheiro para políticas, Taylor comandou a criação do famoso conceito da “equivalência substancial” para comparar plantas transgênicas e convencionais. Segundo o método, fazendo-se uma comparação química grosseira entre uma planta transgênica e sua similar convencional, pode-se concluir que a transgênica é “substancialmente equivalente” à convencional e portanto, por princípio, é segura. Mais ainda, se ela é quimicamente equivalente e portanto segura, não é necessária a realização de testes exaustivos para verificar sua segurança. Brilhante, não?

Importante notar ainda que, segundo este incrível conceito, além de se comparar uma lista bastante limitada de elementos (como as quantidades de proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais, entre alguns outros), em nenhum lugar são estabelecidos os níveis de similaridade que uma planta transgênica deve ter em relação à sua contraparte convencional para ser considerada equivalente.

E como se não bastasse a precariedade científica do conceito, ele costuma ser aplicado da forma mais tosca possível. Vejamos, por exemplo, o caso da soja tolerante ao herbicida glifosato. Conforme descreveram três renomados cientistas na revista Nature em 1999, “Embora nós saibamos há cerca de dez anos que a aplicação de glifosato na soja altera significativamente sua composição química (por exemplo, o nível de componentes fenólicos como isoflavonas), a soja resistente ao glifosato usada nos testes de composição cresceu sem a aplicação de glifosato. Isto apesar do fato de que as lavouras comerciais de soja tolerante ao glifosato seriam sempre tratadas com o produto para eliminar plantas invasoras. Os grãos testados eram, portanto, de um tipo que jamais seria consumido, enquanto aqueles que seriam consumidos não foram avaliados.”

Já naquela época os cientistas alertavam: “A equivalência substancial é um conceito pseudo-científico porque é um julgamento comercial e político mascarado de científico. Ele é, além disso, inerentemente anti-científico, porque foi criado primeiramente para fornecer uma desculpa para não se requererem testes bioquímicos e toxicológicos.”

Mas foi a partir deste princípio de Taylor que os transgênicos foram autorizados nos EUA, dispensando-se as análises de risco. O conceito foi difundido pelo mundo e possibilitou a liberação dos transgênicos em diversos países -- inclusive no Brasil.

Em sua passagem pela FDA, Taylor também foi responsável pela liberação nos EUA do hormônio de crescimento bovino transgênico (rBST ou rBGH, nas siglas usadas em inglês), da Monsanto. O produto é injetado em vacas para aumentar a produção de leite, mas diversos estudos apontam evidências de que ele produz efeitos colaterais nas vacas (como aumento da incidência de mastite) e que provoca no leite o aumento do nível de outro hormônio associado ao surgimento de câncer de mama, próstata e colo. Além disso, o uso de hormônio transgênico pode estar relacionado ao alto nível de nascimentos de gêmeos.

Taylor não só conseguiu que o hormônio do leite fosse aprovado nos EUA, como impediu que a informação sobre o uso do produto aparecesse nos rótulos de embalagens de leite e derivados (a Monsanto chegou a processar os produtores que rotularam seu leite como “livre de rBST”; recentemente um grande movimento de consumidores conseguiu, em alguns estados americanos, impedir a aprovação de leis para proibir os rótulos “livre de hormônio de crescimento”).

Após cumprir estes serviços Taylor saiu da FDA, em 1994. Foi para o Serviço de Inspeção e Segurança de Alimentos (FSIS) do USDA (ministério de agricultura dos EUA) e, em 1998, tornou-se um dos vice-presidentes da Monsanto, atuando na área de “políticas públicas” (espécie de “lobista-chefe” da empresa). Taylor ocupou este cargo por dois anos.

Agora de volta à FDA, Taylor enterra qualquer esperança que se poderia ter de que o governo de Obama conseguiria manter independência das indústrias de biotecnologia e promover mudanças importantes na precária política para a segurança dos alimentos no país.

Muda-se o piloto, mas mantém-se o resto da tripulação, que se encarrega de não permitir alterações de rota. Aliás (e infelizmente) este fenômeno é também bastante comum por aqui, especialmente nesta área -- afinal, quem diria, há dez anos atrás, que o Brasil escancararia as portas aos transgênicos justamente sob o PT de Lula?

ASPTA/EcoAgência

CHOVE CHUVA

quarta-feira, 22 de julho de 2009

EXTREMA DEBILIDADE

Escher:

CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, QUARTA-FEIRA, 22 DE JULHO DE 2009

Brigada montou megaoperação para proteger Yeda

Menos de uma semana após o protesto em frente à casa da governadora Yeda Crusius, a Brigada Militar montou uma megaoperação no Centro da Capital para evitar possíveis manifestações de sindicalistas. Duas horas antes da chegada de Yeda, que havia confirmado presença em uma solenidade na Universidade Estadual do RS, 200 policiais fizeram um cordão de isolamento para garantir sua proteção. Pessoas que passavam pelas imediações da Farrapos, Barros Cassal e Alberto Bins foram abordadas pela polícia. 'Todas as pessoas que estivessem com algum volume saliente, como mochilas ou pacotes, foram revistadas', admitiu o comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Leonel da Rocha Andrade. A corporação atuou juntamente com dois pelotões do Batalhão de Operações Especiais (Boe), agentes do 11º BPM e da 4ª Companhia do 9º BPM. 'Essa mobilização é para evitar incidentes que venham a denegrir ou muitas vezes tumultuar a comunidade', completou Andrade.
O forte aparato de segurança chamou a atenção dos moradores, acostumados com o reduzido número de efetivo na área. O subcomandante-geral da BM, coronel Lauro Binsfeld, negou falta de policiamento e enfatizou que a segurança de Yeda será reforçada. 'Temos que dar um basta ao movimentos radicais. A Brigada Militar não irá mais tolerar ações de falta de respeito', apontou Binsfeld, em referência ao ato do Cpers, na semana passada. O subcomandante afirmou que, a partir de agora, a mesma operação será repetida em todos os atos de governo.

Nota do Blog: Parece que o modelo da Brigada Militar do RS está esgotado, merecendo ser alvo de profunda reflexão. Cotidianamente são revelados fatos que questionam o comportamento de membros da BM e da própria instituição. O discurso do Comando está ficando claramente autoritário, destoando do Estado de Direito.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Colunista Lula sai em 115 jornais porque vende jornal, diz Le Figaro

Banca de Jornais em Veneza:

Saiu ontem no francês Le Figaro e é agora pela manha a manchete do Editors Weblog, site de referência para a imprensa mundial, que Lula virou um "super-éditorialiste" com sua coluna 'O Presidente Responde' em 115 jornais do Brasil inteiro. O ministro Franklin Martins diz ao jornal francês que, após um primeiro mandato de atrito com a mídia, hoje "Lula fala, mas dá ênfase à imprensa popular e regional". O Figaro observa que, "mesmo nas maos de 'caciques' pouco favoráveis ao governo, eles sustentam sua política e suas declaraçoes... porque Lula vende jornal".

Blue Bus

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Em visita ao Brasil, chanceler israelense quer 'alertar' país sobre o Irã


Guila Flint
De Tel Aviv para a BBC Brasil

As discussões sobre o Irã devem ser o principal assunto da visita ao Brasil do chanceler de Israel, Avigdor Lieberman, a partir desta terça-feira.

O ministro israelense das Relações Exteriores deverá se encontrar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o chanceler Celso Amorim.

Segundo a embaixadora Dorit Shavit, diretora-geral do departamento de América do Sul do Ministério das Relações Exteriores de Israel, “um dos assuntos mais importantes, que com certeza Lieberman abordará, é o problema do Irã”.

“Queremos alertar o Brasil sobre a ameaça iraniana. O Irã exporta o terrorismo para a América Latina e esteve por trás dos ataques à embaixada israelense e ao centro judaico Amia, em Buenos Aires”, disse a embaixadora à BBC Brasil.

“Estamos cientes de que o Brasil tem interesses econômicos no Irã, mas é necessário abrir os olhos. O Irã não vem (ao Brasil) só por interesses econômicos. Grupos terroristas como o Hamas e o Hezbollah, sustentados pelo Irã, podem vir a se infiltrar na América Latina”, afirmou.

Processo de paz

Sobre o interesse brasileiro de participar no processo de paz no Oriente Médio, a embaixadora disse que “é difícil saber se, no futuro, o Brasil terá uma maior participação no processo de paz, mas esse assunto certamente será abordado durante as reuniões do ministro Lieberman com os líderes brasileiros”.

Os representantes do Brasil e de Israel ouvidos pela BBC Brasil concordam que, apesar das divergências politicas, a visita é sinal de uma aproximação significativa entre os dois países.

A visita do ministro Avigdor Lieberman é a primeira de um chanceler israelense ao Brasil em 22 anos e ocorre pouco tempo depois que o Ministério das Relações Exteriores de Israel adotou mudanças estratégicas, que incluem a decisão de fortalecer a colaboração com os países do grupo BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China).

Além da visita do chanceler, o ministério israelense decidiu reabrir o consulado do país em São Paulo, que foi fechado em 2002.

Também está programada uma visita ao Brasil do presidente de Israel, Shimon Peres, em novembro, que deverá ser retribuida por uma visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Israel em 2010.

De acordo com o diplomata Sidney Leon Romeiro, encarregado do setor político da embaixada do Brasil em Tel Aviv, “existem divergências políticas entre os dois países, mas é para isso que existe o diálogo”.

Colaboração

Apesar de divergências no âmbito internacional, principalmente ligadas às relações com o Irã e ao conflito israelense-palestino, a colaboração bilateral Brasil-Israel cresceu significativamente nos últimos anos.

O ministro Celso Amorim fez três visitas a Israel desde 2005, e o total do comércio entre os dois países mais que triplicou nos últimos quatro anos, crescendo de US$ 500 milhões para US$ 1,6 bilhão.

“O lado brasileiro deverá levantar a questão do conflito israelense-palestino”, disse Romeiro à BBC Brasil.

“Consideramos que existe uma nova janela de oportunidade na região que deve ser explorada. Recentemente houve uma série de fatos positivos que podem facilitar a retomada do processo de paz, como a atitude do governo (de Barack) Obama, a aproximação entre os Estados Unidos e a Síria e as últimas declarações do premiê israelense Binyamin Netanyahu, reconhecendo a solução de dois Estados”, acrescentou.

O Brasil vem sinalizando há anos que tem interesse em participar do processo de paz no Oriente Médio.

No entanto, para o cientista político Jonathan Rynhold, da Universidade de Bar Ilan, “essa é uma ilusão”.

"As chances de que o Brasil possa se transformar em um fator importante no processo de paz são praticamente nulas”, disse Rynhold à BBC Brasil.

“O Brasil não tem os instrumentos necessários para exercer uma influência real nesta questão, pois não tem uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU, não está envolvido militarmente no Oriente Médio e não tem um capital diplomático para que possa se transformar em um agente importante no processo de paz”, afirmou o analista.

Segundo Rynhold, “a colaboração bilateral pode amenizar o efeito das divergências politicas”.

“Boas relações bilaterais e econômicas são uma receita para amenizar confrontos no âmbito diplomático. Israel tem interesse em se aproximar de países importantes, como o Brasil, que têm uma força econômica e política crescente e estão distantes do conflito no Oriente Médio”, afirma.

"Para o ministro Lieberman, que está bastante enfraquecido tanto internamente como no nível internacional, a visita ao Brasil confere prestígio e legitimidade", acrescentou o analista.

Avigdor Lieberman enfrenta uma investigação policial por suspeitas de fraude e lavagem de dinheiro, e no âmbito internacional é considerado uma figura polêmica por suas posições de extrema-direita e por morar em um assentamento na Cisjordânia.

O VERDADEIRO ESPÍRITO NORTE-AMERICANO


Vendedor de carros oferece arma como brinde para os compradores

Um vendedor de carros no Missouri, nos EUA, criou uma promoçao para aumentar as vendas durante o periodo de recessao - oferece um fuzil AK-47. A arma, criada originalmente na Uniao Soviética, é fabricada por uma empresa americana e custa USD 450. Quem compra um veiculo na Max Motors ganha um vale que dá direito à arma. O dono da loja, Max Muller, vende apenas carros americanos e tem como slogan - 'Deus, Armas, Coragem e Caminhoes Pick-Up Americanos'.

Blue Bus

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Lulas gigantes invadem costa da Califórnia

Deviant Art

Milhares de lulas gigantes surgiram na costa de San Diego, no Estado americano da Califórnia, amedrontando turistas, mergulhadores e residentes.

As criaturas marinhas, chamadas de lula de Humboldt, são geralmente encontradas nas águas profundas do México e podem medir até 1,5 metros e pesar até 45 quilos.

No México, essas lulas são conhecidas por atacar humanos.

Na costa californiana, os animais ainda estão um pouco distantes da beira-mar, mas a presença pouco comum da espécie nessas praias causou receio entre os banhistas e preocupação entre os especialistas em vida marinha.

Cientistas afirmam que a escassez de alimentos causada pelo aquecimento global poderia explicar a razão da invasão das lulas na costa californiana pela terceira vez em dez anos.

Há quatro anos, uma invasão semelhante atingiu as praias de San Diego. Em janeiro de 2005, centenas de lulas gigantes mortas apareceram nas praias de Orange County, na Califórnia.

Outra teoria defendida por cientistas para a aparição das lulas seria a de que há uma redução no número de predadores naturais, o que facilitaria a sobrevivência dessa espécie.

Pesquisadores acreditam que a Califórnia possa se tornar uma residência permanente para a população de lulas.

Sindicado dos Jornalistas Profissionais do RS


Nota Oficial

A direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul e a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) repudiam a atitude da Brigada Militar no trato com a Imprensa. Várias equipes de reportagens tiveram seu trabalho cerceado na manhã dessa quinta-feira, durante o episódio ocorrido em frente ao número 806, da Rua Araruama, Vila Jardim, residência da governadora Yeda Crusius. No entendimento destas entidades, a ação dos policiais que retiraram e isolaram os profissionais durante o manifesto promovido pelo Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul nos remete aos anos de chumbo, quando jornalistas eram proibidos de exercerem seu trabalho.

Entendemos que vivemos em um estado democrático de direito e que nenhuma autoridade pode tentar calar a imprensa. Lembramos ainda que episódios como este tem se tornado rotineiro no Estado, em especial na cobertura dos movimentos sociais. O Sindicato e a ARI esclarecem ainda que muitos profissionais, apesar de não estarem vinculados aos veículos da grande mídia, integram a categoria profissional e também não podem ser impedidos de exercerem suas atividades, seja como free-lance, ou assessor de imprensa.

Este tipo de ocorrência fere a todos os profissionais em exercício no Rio Grande do Sul, pois tem o objetivo de cercear a liberdade de informar. As entidades cobram providências do Comando da Brigada Militar para que não se repitam mais atos como esse contra profissionais que estão a serviço da sociedade e da qualidade de informação. Num momento em que se debate a liberdade de expressão, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul e a Associação Riograndende de Imprensa querem que os jornalistas tenham o direito da liberdade profissional.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Yeda chama professores de "torturadores"


Após uma quarta-feira de luxo, quando Yeda recebeu em Palácio a fina flor da sociedade guasca para anunciar grande investimento da GM (majoritariamente financiado por bancos públicos brasileiros), nesta quinta-feira a situação foi muito diferente.

A intrépida governadora enfrentou protesto de gente oriunda de camadas inferiores da sociedade (professoras e professores estaduais), porém não se intimidou.

Como pode ser visto na foto acima, ela utilizou toda sua argúcia, eficácia e sutileza para, com a proteção de grande aparato da brigada militar, se contrapor de forma contundente ao desacato em andamento, verdadeira profanação do sacrossanto aconchego do seu lar.

Quanta coragem! Que postura altaneira, digna de um governante!

Um exemplo vivo para o povo do Estado do Rio Grande do Sul.

Foto TERRA

Sabían y ayudaron un poquito


Por Juan Gelman, para Página/12

La Casa Blanca conocía desde hacía meses el golpe que se preparaba en Honduras, aunque ahora los voceros del Departamento de Estado finjan una inocencia sorprendida. El actual embajador estadounidense en Tegucigalpa, Hugo Llorens, lo sabe muy bien: el 12 de septiembre de 2008 llegó al país centroamericano y, nueve días después, el ahora golpista general Romeo Vásquez declaraba por la emisora HRN que lo habían buscado “para botar del gobierno al presidente Manuel Zelaya Rosales” (www.proceso.hn, 21-9-08). Agregó: “Somos una institución seria y respetuosa, por lo que respetamos al Señor Presidente como nuestro Comandante General y nos subordinamos como manda la Ley”. Igualito que Pinochet antes de alzarse contra Salvador Allende. Cualquier semejanza es apenas obra de la realidad.

El 2 de junio de este año, Hillary Clinton acudió a Honduras para participar en una reunión de la OEA. Entrevistó a Zelaya y le manifestó su disconformidad con el referéndum que el mandatario planeaba llevar a cabo simultáneamente con las próximas elecciones presidenciales. Funcionarios norteamericanos señalaron que “no creían que ese plebiscito fuera constitucional” (The New York Times, 30-6-09). Seis días antes del golpe, el diario hondureño La Prensa informaba que el embajador Llorens se había reunido con políticos influyentes y jefes militares “para buscar una solución a la crisis” causada por el referéndum (www.laprensahn.com, 22-6-09). La “solución” encontrada es notoria.

Es difícil suponer que los mandos militares de Honduras, armados por el Pentágono y formados en la Escuela de las Américas, que a tantos dictadores latinoamericanos les enseñó cómo hacerlo, se hayan movido sin el acuerdo de sus mentores. Por lo demás, los golpistas no ocultaron las razones de su acto: Zelaya se estaba acercando demasiado al “comunista” de Chávez, el venezolano más odiado por la Casa Blanca: en julio de 2008, bajo su mandato, Honduras adhirió a la Alianza Bolivariana para las Américas (ALBA), el nuevo “eje del mal” en América latina. Demasiado, ¿verdad?

Demasiado, sí, porque Honduras es territorio estratégico para el Pentágono, que desde la base de Soto Cano, donde se estacionan efectivos de la fuerza aérea y de la infantería estadounidenses, no sólo domina América Central: este verdadero enclave es fundamental en el esquema militar de EE.UU. para una región rica en recursos naturales. Aunque nunca tocó los intereses de las corporaciones extranjeras ni de los dueños locales del poder económico, Zelaya constituía un peligro de “desestabilización”. Cabe señalar que el referéndum sobre la convocatoria o no de una Asamblea Constituyente que podría permitir la reelección de Zelaya no era vinculante. Nadie se molestó en Washington por la reforma constitucional que permitió en Colombia la reelección de Alvaro Uribe, gran aliado de EE.UU., que ni siquiera fue plebiscitada. Es que una cosa es una cosa y otra cosa es otra cosa.

Los golpistas hondureños son impresentables. El general Romero Vásquez Velásquez, echado por Zelaya, de regreso con el golpe y autor del secuestro y expulsión del presidente, fue alojado en la penitenciaría nacional en 1993 junto con otros diez miembros de una banda acusada de robar 200 automóviles de lujo (www.elheraldo.hn, 2-2-93). Era entonces mayor del ejército; como general, se dedica a robar un gobierno elegido en las urnas. Otro impresentable es el ministro consejero Billy Joya, que no hace honor a su apellido (o sí, según se mire): fue jefe de la división táctica del batallón B3-16, el escuadrón de la muerte hondureño que torturó y “desapareció” a numerosas personas en los años ’80. El “Licenciado Arrazola” –uno de sus alias– es un experto en la materia: estudió los métodos de las dictaduras argentina y chilena (www.michelcollon.info, 7-7-09). Son antecedentes conocidos, pese a lo cual, o por eso mismo, fue elegido para formar parte del régimen golpista, tan democrático pues.

La represión en Honduras continúa. El jueves de la semana que pasó fue detenido el padre de Isis Obeid Murillo, el joven de 19 años asesinado por el ejército en el aeropuerto de Tegucigalpa: tuvo la peregrina idea de exigir públicamente justicia para su hijo (www.wsws.org, 11-7-09). Los salvadores de la democracia expulsaron a periodistas de Associated Press, desaparecieron de la pantalla al Canal 21 y efectivos armados ocuparon el canal 36 (Miami Herald, 1-7-09). Es la concepción de la libertad de prensa que caracteriza a los golpistas.

La Casa Blanca sigue blanda con lo que calificó de “acto ilegal”. Hillary se niega a llamarlo “golpe de Estado” porque eso implicaría automáticamente el cese de la ayuda económica y militar estadounidense a Honduras. Las conversaciones sobre un arreglo pacífico que tienen lugar en Costa Rica, en las que el presidente Oscar Arias actúa de mediador a pedido de Obama, son una farsa. Pero tienen un costado importante: entrañan un reconocimiento oficioso del régimen impuesto. Arias ya anunció que tratará de “presidente” tanto al golpista Micheletti como al mandatario elegido en las urnas y depuesto. Esto sí que es ecuanimidad.

Judeus ultraortodoxos protestam com violência em Jerusalém


Por Douglas Hamilton

JERUSALÉM (Reuters) - Partes de Jerusalém viraram um caos nesta quinta-feira, depois de dois dias de distúrbios, com lançamento de pedras e queima de latas de lixo, por parte de judeus ultraortodoxos enfurecidos com a interferência do Estado em seus assuntos.

A explosão de fúria foi desencadeada pela prisão de uma mulher ultraortodoxa, cujo nome não foi divulgado, por suspeita de ter deixado seu filho de 3 anos passar fome. A criança agora se recupera em um hospital e os médicos disseram que ela está subnutrida.

Os manifestantes destruíram sinais de trânsito, derrubaram muros e danificaram vias pavimentadas com pedras. As ruas ficaram cheias de lixo e cinzas. Fumaça e mau cheiro emergem dos destroços.

Centenas de policiais foram deslocados para controlar a violência. Até agora ninguém ficou seriamente ferido, mas os problemas parecem prestes a prosseguir por mais um dia na cidade sagrada, onde judeus religiosos e seculares estão divididos, apesar de seguirem a mesma fé.

O protesto se concentra nos bairros de Geula e Mea She'arim, em Jerusalém Ocidental, a apenas algumas quadras da Cidade Velha. Nesses bairros vivem judeus ultraortodoxos, que usam roupas pretas e preferem se manter distantes do Estado israelense moderno e secular, embora sejam os principais receptores de benefícios estatais.

Muitos jovens da comunidade ultraortodoxa estão nas férias de verão dos estudos religiosos e saíram às ruas para protestar contra a prisão.

"Sionistas", gritou um manifestante para a polícia. Alguns judeus ultraortodoxos acreditam que não deveria haver um Estado judaico soberano antes da chegada do Messias.

Mais na REUTERS

Ambientalistas apelam ao presidente da República

Rio Uruguai:

FRED MARCOVICI, para Correio do Povo
fmarcovici@correiodopovo.com.br

As 15 entidades ambientalistas de cidades brasileiras, uruguaias e argentinas que compõem o Movimento Transfronteiriço estão denunciando os graves problemas enfrentados pela Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai, a terceira mais importante da bacia do Prata. Segundo Juraci Luques Jacques, presidente da Comissão Binacional Brasil-Argentina e dirigente da entidade trinacional, um documento alertando sobre o descaso com que o assunto tem sido tratado foi enviado ontem à Presidência da República. O material chama a atenção para o fato de que a bacia banha cidades da Argentina, Brasil e Uruguai, além de sustentar 1.997 famílias da tríplice fronteira e que tem se transformado em grave problema de saúde pública. As organizações requerem que haja, imediatamente, a elaboração de política comum dos três países para conservação de fauna e flora do rio e seus afluentes.

O ministro da Pesca e Aquicultura, Altamir Gregolin, anunciou, no início da semana, que 55 espécies de peixe estão extintas das águas da Bacia do Rio Uruguai. Análises elaboradas pelo Ibama e as agências Nacional de Águas (ANA) e Nacional de Energia Elétrica (Aneel), coletadas em vários pontos ao longo do rio, constataram alto teor de cobalto (2,9 miligrama) e de alumínio (4,8 mg). Os metais restantes ficaram abaixo de 1 mg, exceto o ferro, com teor médio de 17,3 mg. Entre as amostras de músculos de peixes, 10% não atendem às recomendações para consumo humano, em razão dos índices de mercúrio e de cromo. 'No momento em que o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, preocupado com a gripe A, repassa R$ 2 milhões mensais ao Rio Grande do Sul, parte de um montante de R$ 247 milhões para outros setores de prevenção à saúde da população, também deveria avaliar a situação da bacia como política de saúde pública prioritária', enfatiza Jacques.

No ponto de captação de água no trecho do rio Uruguai entre Uruguaiana e Paso e los Libres, na Argentina, os coliformes fecais chegam a 160 mil para cada 100 mililitros de água. Oficialmente, são jogados ao leito do rio 5 metros cúbicos de esgoto in natura por segundo, além de metais pesados e outros químicos. Diante desse quadro, Jacques frisa que a prevenção é a única maneira de evitar novas doenças. Para o ecologista, o rio Uruguai corre o risco de ser conhecido no futuro apenas por fotos, filmes e documentos.

É SÓ MUDAR OS NOMES.


Luís Inácio (300 Picaretas)


Paralamas do Sucesso

TOM: Em

(Em7 A)
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou


(Em)
Eles ficaram ofendidos com a afirmação
Que reflete na verdade o sentimento da nação
É lobby, é conchavo, é propina e jeton
Variações do mesmo tema sem sair do tom
Brasília é uma ilha, eu falo porque eu sei
Uma cidade que fabrica sua própria lei
Aonde se vive mais ou menos como na Disneylândia
Se essa palhaçada fosse na Cinelândia
Ia juntar muita gente pra pegar na saída


(Em A E7 A)
Pra fazer justiça uma vez na vida
Eu me vali deste discurso panfletário
Mas a minha burrice faz aniversário
Ao permitir que num país como o Brasil
Ainda se obrigue a votar por qualquer trocado
Por um par se sapatos, um saco de farinha
A nossa imensa massa de iletrados
Parabéns, coronéis, vocês venceram outra vez
O congresso continua a serviço de vocês
Papai, quando eu crescer, eu quero ser anão
Pra roubar, renunciar, voltar na próxima eleição
Se eu fosse dizer nomes, a canção era pequena
João Alves, Genebaldo, Humberto Lucena
De exemplo em exemplo aprendemos a lição
Ladrão que ajuda ladrão ainda recebe concessão
De rádio FM e de televisão
Rádio FM e televisão

(Em7 A)
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor


(Em)
Eles ficaram ofendidos com a afirmação
Que reflete na verdade o sentimento da nação
É lobby, é conchavo, é propina e jeton
Variações do mesmo tema sem sair do tom
Brasília é uma ilha, eu falo porque eu sei
Uma cidade que fabrica sua própria lei
Aonde se vive mais ou menos como na Disneylândia
Se essa palhaçada fosse na Cinelândia
Ia juntar muita gente pra pegar na saída


(Em A E7 A)
Pra fazer justiça uma vez na vida
Eu me vali deste discurso panfletário
Mas a minha burrice faz aniversário
Ao permitir que num país como o Brasil
Ainda se obrigue a votar por qualquer trocado
Por um par se sapatos, um saco de farinha
A nossa imensa massa de iletrados
Parabéns, coronéis, vocês venceram outra vez
O congresso continua a serviço de vocês
Papai, quando eu crescer, eu quero ser anão
Pra roubar, renunciar, voltar na próxima eleição
Se eu fosse dizer nomes, a canção era pequena
João Alves, Genebaldo, Humberto Lucena
De exemplo em exemplo aprendemos a lição
Ladrão que ajuda ladrão ainda recebe concessão
De rádio FM e de televisão
Rádio FM e televisão
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor


Nota do Blog:
Esta postagem é, obviamente, uma generalização. Sei que tem gente boa lá trabalhando por um futuro melhor. As últimas notícias, porém, são desalentadoras.